O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

EURO 2020: A Escócia vista pelo nosso repórter

O repórter do UEFA.com junto da Escócia, Alex O'Henley, fala sobre a dor do EURO '96 e o prazer que a geração actual a proporcionar.

Jogos do Grupo D

14/06: Escócia - República Checa (Glasgow)
18/06: Inglaterra - Escócia (Londres)
22/06: Croácia - Escócia (Glasgow)

Perfil

Treinador: Steve Clarke
Capitão: Andrew Robertson
Alcunha: O Exército de Tartã
Como se qualificou: "play-off" (0-0 5-3p contra Israel, 1-1 5-4p contra a Sérvia)
Melhor no EURO: fase de grupos (1992, 1996)

Todos os golos da Escócia rumo ao EURO 2020
Todos os golos da Escócia rumo ao EURO 2020

Onde pode jogar na fase a eliminar

Oitavos-de-final: Londres, Copenhaga, Sevilha, Glasgow ou Budapeste
Quartos-de-final: São Petersburgo, Munique, Roma ou Baku
Meia-final: Londres
Final: Londres

Convocatória final de 26 jogadores

Guarda-redes: Craig Gordon (Hearts), David Marshall (Derby), Jon McLaughlin (Rangers)

Defesas: Liam Cooper (Leeds), Declan Gallagher (Motherwell), Grant Hanley (Norwich), Jack Hendry (Celtic), Scott McKenna (Nottingham Forest), Stephen O'Donnell (Motherwell), Nathan Patterson (Rangers), Andy Robertson (Liverpool), Greg Taylor (Celtic), Kieran Tierney (Arsenal)

Conheça as equipas: Escócia
Conheça as equipas: Escócia

Médios: Stuart Armstrong (Southampton), Ryan Christie (Celtic), John Fleck (Sheffield United), James Forrest (Celtic), Ryan Fraser (Newcastle United), Billy Gilmour (Chelsea), John McGinn (Aston Villa), Callum McGregor (Celtic), Scott McTominay (Manchester United), David Turnbull (Celtic)

Avançados: Ché Adams (Southampton), Lyndon Dykes (QPR), Kevin Nisbet (Hibernian)

Repórter do UEFA.com junto da Escócia: Alex O’Henley

Tive o privilégio de fazer a cobertura do EURO desde 2004, mas este é especial porque é a primeira vez que a Escócia chega à fase final desde 1996. Estive no jogo Inglaterra-Escócia naquele ano como adepto e pergunto-me até hoje o que poderia ter acontecido se o penálti de Gary McAllister tivesse entrado! O meu melhor momento no EURO remonta a 2004, quando tive a honra de entrevistar o grande Johan Cruyff enquanto tomava um café no Porto. Uma memória querida com um ícone do futebol.

O hino da Escócia a plenos pulmões
O hino da Escócia a plenos pulmões

Como jogam

Steve Clarke é um treinador pragmático por natureza, mas desde a qualificação no desempate por penáltis, contra a Sérvia, esta equipa cresceu em confiança. Clarke prefere uma formação em 3-5-1-1, com os laterais a darem largura ao jogo. Normalmente joga com um homem mais avançado na frente e outro logo atrás deste, mas experimentou uma frente de ataque com dois elementos e pode até começar com Lyndon Dykes e Ché Adams contra a República Checa.

Jogador-chave: John McGinn

Com dez golos em 32 jogos, McGinn é o melhor marcador do lote de convocados. A sua energia sem limite define o ritmo para o resto do grupo, e suas corridas incansáveis no meio-campo tornam-no um perigo para qualquer adversário. Muito depende da posição em que Clarke vai fazer jogar o homem do Aston Villa. Pode ser na ala a jogar como lado direito do meio-campo direito, mas para mim ele é mais perigoso perto dos avançados.

Descarregue a app do EURO 2020

Treinador: Steve Clarke

Clarke já tem o estatuto de herói garantido como o treinador que levou a Escócia à primeira fase final de um grande torneio em 23 anos. Fê-lo construindo uma base defensiva sólida que valeu aos escoceses apenas duas derrotas nos últimos 16 jogos. Desde que quebraram o enguiço em Belgrado, os escoceses cresceram em estatura e chegam ao EURO sem receio.

EURO '96: Último triunfo da Escócia num EURO
EURO '96: Último triunfo da Escócia num EURO

Jogador a seguir: Billy Gilmour

Os adeptos escoceses ficaram entusiasmados com as exibições do médio do Chelsea nos jogos de preparação para o torneio contra os Países Baixos e o Luxemburgo. Clarke pode ficar tentado a colocar o jovem como titular, mas é mais provável que fique ainda no banco; de qualquer modo, é de esperar que cause impacto quando tiver oportunidade.

Podem ser campeões?

A Escócia está satisfeita por estar numa fase final importante, após uma ausência tão longa. Não será, por ventura, o candidato principal do Grupo D, mas há um enorme entusiasmo entre os adeptos de que esta equipa poderá ser a primeira escocesa a chegar à fase a eliminar de um grande torneio. Isso por si só já seria um grande sucesso.