Quaresma: 'Tinha um país inteiro nas minhas mãos'

Ricardo Quaresma falou sobre a pressão que sentiu quando marcou o penalty que apurou Portugal para as meias-finais, enquanto Adam Nawalka elogiou o coração com que a Polónia jogou.

©Getty Images

Fernando Santos, seleccionador de Portugal
À medida que vamos avançando, ficamos mais perto do nosso objectivo. Temos desejo e ambição e queremos dar uma grande alegria ao povo português. Os penalties são uma lotaria, mas é preciso ter muito carácter. Sabia que a Polónia era excelente nas grandes penalidades porque tinha ganho dessa forma na ronda anterior, mas disse aos meus jogadores para manterem a calma porque sabia que eles iam concretizar.

A Polónia começou muito bem, apesar de eu ter uma estratégia com William Carvalho, Renato Sanches e Adrien Silva para fechar-lhes os caminhos. Deixámos que eles tomassem conta do jogo durante algum tempo e não fomos capazes de controlar [Arkadiusz] Milik, mas falei com Renato Sanches para mudar as coisas e pedi a Nani para baixar no terreno.

Felizmente, conseguimos chegar ao golo pelo Renato, ainda que a Polónia seja uma equipa muito boa, que sabe como acalmar o jogo do adversário. Mas estivemos bem. Estivemos por cima e tivemos as melhores oportunidades, embora a Polónia também as tenha criado. Ganhámos de forma justa a uma grande selecção.

Renato Sanches jogou muito bem, mas não penso que o Renato que estamos a ver agora seja o mesmo que vamos ver no futuro. Ele ainda está a crescer e tem de trazer todas as qualidades que possui para o relvado. É o meu trabalho ajudá-lo a conseguir isso. Lembra-me um grande jogador português que era [Mário] Coluna.

Renato Sanches, melhor em campo
As coisas estão a correr bem à equipa. Demos o nosso melhor em campo e as críticas só nos fazem mais fortes.

Renato Santos deliciado com êxito português
Renato Santos deliciado com êxito português

O golo foi um momento maravilhoso para a equipa e para mim. Temos trabalhado imenso e estamos a dar o máximo. As pessoas criticam-nos, mas não nos afectam, porque estamos nas meias-finais

Sofremos um golo muito cedo, mas acreditámos até ao fim. O golo foi bom, mas a equipa já estava a jogar bem. Os prémios individuais só são importantes depois dos resultados da equipa. Estou feliz por ter sido de novo o melhor em campo, mas o individual vem depois do colectivo.

É preciso trabalhar muito para ter esta sorte. Por vezes, estamos destinados a tê-la porque trabalhamos muito para isso.

Antes dos penalties, o treinador perguntou quem queria bater. Cristiano foi o primeiro e eu disse que queria ser o segundo. O treinador teve fé em mim e eu tive a confiança suficiente para pedir para marcar. Só pensava em concretizar e estava muito descontraído e concentrado, para fazer o que faço sempre: escolhi um lado e pus lá a bola.

Ricardo Quaresma, médio de Portugal
Foi uma pressão enorme. Tinha um país inteiro nas minhas mãos. Pensei positivo. Sabia que ia ser golo. Nem tive tempo para pensar. Antes de rematar, estava muito confiante. Estamos no caminho certo e vamos continuar.

Adam Nawałka, seleccionador da Polónia
É, sem dúvida, um momento difícil para nós. Os jogadores puseram muito coração neste jogo e jogaram com grande coragem durante o torneio. Não perdemos um único jogo e fomos eliminados nos penalties. Temos de olhar para o futuro com optimismo e pensar na fase de qualificação para o Mundial. Em breve haverá tempo para fazer uma análise detalhada, mas neste momento a derrota dói.

Robert Lewandowski é e será sempre um grande jogador nesta equipa. É o capitão, motiva os companheiros de equipa dentro e fora do campo. O seu comportamento é algo que só me merece elogios. Foi um bom torneio para a equipa, mas também para Lewandowski. Estou muito satisfeito pela forma como ele jogou.

Quero agradecer a todos os jogadores pelo coração e pela ambição demonstrados em todos os jogos. Só podemos estar satisfeitos.

Robert Lewandowski, avançado da Polónia
Dói um pouco porque perdemos contra uma equipa que talvez tenha tido mais posse de bola, mas que não ganhou nenhum jogo [nos 90 minutos] e que está na meia-final. É um paradoxo. Lutámos muito. Lamento termos perdido no desempate e termos sido eliminados.

Ficámos tão perto da meia-final. Vai ser doloroso durante muito tempo, mas somos fortes e espero que possamos ultrapassar isso.

Topo