Todas as finais do EURO: resultados, marcadores, equipas e estádios

No dia que estava inicialmente agendado o jogo decisivo do EURO 2020, recordamos as 15 finais do Campeonato da Europa da UEFA realizadas até agora.

Portugal fez a festa no EURO 2016
Portugal fez a festa no EURO 2016 Getty Images

1960: União Soviética 2-1 Jugoslávia, ap

Metreveli 49, Ponedelnik 113; Galić 43
Parc des Princes, Paris

União Soviética: Yashin, Chokheli, Maslenkin, Krutikov, Voinov, Netto, Metreveli, Ivanov, Ponedelnik, Bubukin, Meskhi
Jugoslávia: Vidinić, Djurković, Jusufi, Žanetić, Miladinović, Perušić, Šekularac, Jerković, Galić, Matuš, Kostić

A União Soviética esteve a perder, mas deu a volta e bateu a Jugoslávia na primeira final da história, em que Lev Yashin mostrou toda a sua classe antes de Viktor Ponedelnik marcar o golo decisivo no prolongamento.

1964: Espanha 2-1 União Soviética

Resumo da final do EURO 1964: Espanha 2-1 URSS
Resumo da final do EURO 1964: Espanha 2-1 URSS

Pereda 6, Marcelino Martínez 84; Khusainov 8
Estádio Santiago Bernabéu, Madrid

Espanha: Iribar, Rivilla, Olivella, Calleja, Zoco, Fusté, Amancio Amaro, Pereda, Marcelino Martínez, Suárez, Lapetra
União Soviética: Yashin, Shustikov, Schesternev, Mudrik, Voronin, Anichkin, Chislenko, Ivanov, Ponedelnik, Korneev, Khusainov

A Espanha juntou a vantagem de jogar em casa com um grande espírito de equipa para conseguir bater a União Soviética graças a um golo de cabeça de Marcelino, perto do fim, após ambas as equipas terem marcado cedo.

1968: Itália 1-1 Jugoslávia

Domenghini 80; Džajić 39
Stadio Olimpico, Roma

Itália: Zoff, Anastasi, Burgnich, Castano, Domenghini, Facchetti, Ferrini, Guarneri, Juliano, Lodetti, Prati
Jugoslávia: Pantelić, Fazlagić, Damjanović, Paunović, Holcer, Petković, Musemić, Džajić, Pavlović, Aćimović, Trivić

1968 (desempate): Itália 2-0 Jugoslávia

Resumo: os melhores golos do EURO 1968
Resumo: os melhores golos do EURO 1968

Riva 12, Anastasi 31
Stadio Olimpico, Roma

Itália: Zoff, Anastasi, Burgnich, De Sisti, Domenghini, Facchetti, Guarneri, Mazzola, Riva, Rosato, Salvadore
Jugoslávia: Pantelić, Fazlagić, Damjanović, Paunović, Holcer, Musemić, Džajić, Pavlović, Aćimović, Trivić, Hošić

A anfitriã Itália precisou de um sorteio por moeda ao ar para chegar à final e a sorte continuou no triunfo sobre a Jugoslávia no jogo de desempate da final, necessária graças ao golo crucial do empate apontado por Angelo Domenghini no primeiro encontro.

1972: República Federal da Alemanha 3-0 União Soviética

G Müller 27, 58, Wimmer 52
Roi Baudouin, Bruxelas

RFA: Maier, Höttges, Breitner, Schwarzenbeck, Beckenbauer, Wimmer, Heynckes, U Hoeness, G Müller, Netzer, Kremers
União Soviética: Rudakov, Dzodzuashvili, Khurtsilava, Kaplychniy, Istomin, Konkov, Troshkin, Kolotov, Baidachny (66 Kozynkevych), Banishevski (46 Dolmatov), Onyshchenko

A União Soviética não conseguiu anular na final o letal Gerd Müller, autor dos dois dos golos da República Federal da Alemanha no jogo decisivo.

1976: Checoslováquia 2-2 República Federal da Alemanha, ap (5-3 nos penáltis)

Veja o penálti de Panenka em 1976
Veja o penálti de Panenka em 1976

Švehlík 8, Dobiaš 25; D Müller 28, Hölzenbein 89
Stadion FK Crvena zvezda, Belgrado

Checoslováquia: Viktor, Dobiaš (Veselý 19), Čapkovič, Ondruš, Pivarník, Panenka, Móder, Masný, Nehoda (Biroš 80), Gögh, Švehlík
RFA: Maier, Vogts, Dietz, Schwarzenbeck, Beckenbauer, Wimmer (Flohe 46), Bonhof, U Hoeness, D Müller, Beer (Bongartz 80), Hölzenbein

Antonín Panenka converteu aquela que talvez seja o penálti mais famoso de todos os tempos, num jogo em que o com os checos foram a primeira equipa a vencer um desempate por grandes penalidades numa final do EURO.

1980: Bélgica 1-2 República Federal da Alemanha

Vandereycken 75pen; Hrubesch 10, 88
Stadio Olimpico, Roma

Bélgica: Pfaff, Gerets, Millecamps, Meeuws, Renquin, Van Moer, Vandereycken, Cools, Mommens, Van Der Elst, Ceulemans
RFA: Schumacher, Kaltz, Förster, Stielike, Dietz, Schuster, Briegel (Cullmann 55), H Müller, K-H Rummenigge, Hrubesch, K Allofs

Chamado à selecção da República Federal da Alemanha devido a Klaus Fischer ter partido uma perna, o avançado Horst Hrubesch acabou por ser a figura da competição realizada em Itália.

1984: França 2-0 Espanha

Resumo: os melhores golos do EURO 1984
Resumo: os melhores golos do EURO 1984

Platini 57, Bellone 90
Parc des Princes, Paris

França: France: Bats, Battiston (Amoros 73), Bossis, Le Roux, Domergue, Tigana, Fernández, Platini, Giresse, Lacombe (Genghini 80), Bellone
Espanha: Arconada, Urquiaga, Salva (Roberto 85), Gallego, Camacho, Julio Alberto (Sarabia 75), Señor, Víctor Muñoz, Francisco López, Santillana, Carrasco

Michel Platini brilhou em casa e abriu o marcador para a França na final com a Espanha, tendo terminado a competição com nove golos.

1988: União Soviética 0-2 Países Baixos

Gullit 32, Van Basten 54
Olympiastadion, Munique

União Soviética: Dasayev, Khidiyatullin, Demianenko, Rats, Aleinikov, Lytovchenko, Zavarov, Protasov (Pasulko 71), Belanov, Mykhailychenko, Gotsmanov (Baltacha 68)
Países Baixos: Van Breukelen, Van Tiggelen, R Koeman, Van Aerle, Vanenburg, Mühren, Gullit, Van Basten, E Koeman, Rijkaard, Wouters

Marco van Basten recuperou de uma lesão e conduziu os Países Baixos ao seu primeiro grande título, coroando as boas exibições com um sensacional golo na final, num remate de primeira de ângulo difícil.

1992: Dinamarca 2-0 Alemanha

Resumo: glória da Dinamarca em 1992
Resumo: glória da Dinamarca em 1992

Jensen 18, Vilfort 78
Ullevi, Gotemburgo

Dinamarca: Schmeichel, Sivebæk (Christiansen 66), Nielsen, Olsen, Christofte, Jensen, Povlsen, B Laudrup, Piechnik, Larsen, Vilfort
Alemanha: Illgner, Reuter, Brehme, Kohler, Buchwald, Hässler, Riedle, Helmer, Sammer (Doll 46), Effenberg (Thom 80), Klinsmann

A Dinamarca de Richard Møller Nielsen teve apenas duas semanas para se preparar depois de ser chamada a substituir a Jugoslávia na fase final, mas conseguiu um feito surpreendente.

1996: República Checa 1-2 Alemanha (golo de ouro)

Berger 59pen; Bierhoff 73 95
Estádio de Wembley, Londres

República Checa: Kouba, Suchopárek, Nedvěd, Kadlec, Němec, Poborský (Šmicer 88), Kuka, Bejbl, Berger, Horňák, Rada
Alemanha: Köpke, Helmer, Sammer, Scholl (Bierhoff 69), Hässler, Kuntz, Babbel, Ziege, Klinsmann, Strunz, Eilts (Bode 46)

A Alemanha afastou a anfitriã Inglaterra num desempate por penáltis, antes de Oliver Bierhoff a decidir a final ante a República Checa com um golo de ouro.

2000: França 2-1 Itália (golo de ouro)

Veja o golo decisivo de Trezeguet no EURO 2000
Veja o golo decisivo de Trezeguet no EURO 2000

Wiltord 90, Trezeguet 103; Delvecchio 55
Feijenoord Stadium, Roterdão

França: Barthez, Lizarazu (Pirès 86), Vieira, Blanc, Djorkaeff (Trezeguet 76), Deschamps, Desailly, Zidane, Henry, Thuram, Dugarry (Wiltord 58)
Itália: Toldo, Maldini, Albertini, Cannavaro, Pessotto, Nesta, Di Biagio (Ambrosini 66), Iuliano, Fiore (Del Piero 53), Totti, Delvecchio (Montella 86)

Zinédine Zidane brilhou a grande altura pela França, mas foi David Trezeguet a decidir a final com a Itália graças a um golo de ouro.

2004: Portugal 0-1 Grécia

Charisteas 57
Estádio do Sport Lisboa e Benfica, Lisboa

Portugal: Ricardo, Jorge Andrade, Costinha (Rui Costa 60), Luís Figo, Pauleta (Nuno Gomes 74), Miguel (Ferreira 43), Nuno Valente, Carvalho, Ronaldo, Maniche, Deco
Grécia: Nikopolidis, Seitaridis, Dellas, Basinas, Zagorakis, Giannakopoulos (Venetidis 76), Charisteas, Fyssas, Vryzas (Papadopoulos 81), Kapsis, Katsouranis

A Grécia de Otto Rehhagel contrariou todas as expectativas e provocou uma das maiores surpresas da história da prova ao bater o anfitrião Portugal na final de Lisboa.

2008: Alemanha 0-1 Espanha

Veja o golo da vitória da Espanha em 2008
Veja o golo da vitória da Espanha em 2008

Torres 33
Ernst-Happel-Stadion, Viena

Alemanha: Lehmann, Friedrich, Schweinsteiger, Frings, Klose (Gomez 79), Ballack, Hitzlsperger (Kuranyi 58), Lahm (Jansen 46), Mertesacker, Podolski, Metzelder
Espanha: Casillas, Marchena, Puyol, Iniesta, Xavi Hernández, Torres (Güiza 78), Fàbregas (Xabi Alonso 63), Capdevila, Ramos, Senna, Silva (Santi Cazorla 66)

Fernando Torres marcou o único golo da final em Viena, numa prova em que a Espanha esteve finalmente à altura das expectativas após um jejum de 44 anos.

2012: Espanha 4-0 Itália

Silva 14, Jordi Alba 41, Torres 84, Juan Mata 88
NSK Olimpiyskyi, Kiev

Espanha: Casillas, Piqué, Iniesta (Juan Mata 87), Xavi Hernández, Fàbregas (Torres 75), Xabi Alonso, Ramos, Busquets, Arbeloa, Jordi Alba, Silva (Pedro Rodríguez 59)
Itália: Buffon, Chiellini (Balzaretti 21), Abate, Marchisio, Balotelli, Cassano (Di Natale 46), Barzagli, De Rossi, Montolivo (Thiago Motta 57), Bonucci, Pirlo

A seleção espanhola comandada por Vicente del Bosque renovou o título com uma exibição dominadora na capital ucraniana, com quatro jogadores diferentes a contribuírem para a goleada frente a Itália.

2016: Portugal 1-0 França, ap

Memórias do UEFA EURO 2016
Memórias do UEFA EURO 2016

Éder 109
Stade de France, Saint-Denis

Portugal: Rui Patrício, Pepe, José Fonte, Raphaël Guerreiro, Ronaldo (Quaresma 25), João Mário, William Carvalho, Renato Sanches (Éder 79), Nani, Cédric, Adrien Silva (João Moutinho 66)
França: Lloris, Evra, Griezmann, Payet (Coman 58), Giroud (Gignac 78), Matuidi, Pogba, Sissoko (Martial 110), Sagna, Koscielny, Umtiti

Um remate fulminante de Éder no prolongamento, a 20 metros da baliza, vergou a anfitriã França no EURO 2016 e coroou o triunfo de Portugal, forçado desde cedo a jogar sem Cristiano Ronaldo devido a lesão.

Conteúdos relacionados