Conheça o “onze” das estrelas no sorteio do EURO

Ricardo Carvalho e João Mário estão entre os jogadores de edições anteriores do EURO presentes no sorteio da fase final, em Bucareste.

Ricardo Carvalho, vencedor em 2016 por Portugal, está entre os convidados presentes no sorteio do UEFA EURO 2020
AFP

Um “onze” fantástico de estrelas do EURO vai estar presente no sorteio da fase final do UEFA EURO 2020, em Bucareste, a 30 de Novembro, totalizando entre eles oito medalhas de campeão e 109 jogos no torneio.

Cinco membros da equipa de 48 embaixadores irão assistir ao sorteio, com outros seis jogadores que brilharam em edições passadas do EURO a juntarem-se-lhes no “onze” de estrelas.

Iker Casillas após vencer pela segunda vez o EURO em 2012
Iker Casillas após vencer pela segunda vez o EURO em 2012Getty Images

Guarda-redes: Iker Casillas (Espanha – 14 jogos no EURO/0 golos)
Casillas venceu duas vezes o EURO e o Mundial numa ocasião pela Espanha entre 2008 e 2012. O seu antigo companheiro de equipa no Real Madrid, Sergio Ramos, ultrapassou recentemente o máximo de 167 jogos pela selecção espanhola que era detido pelo guarda-redes, mas Casillas mantém-se como recordista na UEFA Champions League, com 181 partidas.

Defesa: Philipp Lahm (Alemanha – 14 jogos no EURO/2 golos)
O jogador do Bayern retirou-se em 2017 com triunfos na UEFA Champions League 2012/13 e no Mundial 2014. Dos 113 encontros realizados pela Alemanha, 14 aconteceram na fase final do EURO. Nunca foi expulso ao longo de 16 anos de carreira como sénior.

John Sivebæk depois da inesperada vitória da Dinamarca em 1992
John Sivebæk depois da inesperada vitória da Dinamarca em 1992Bob Thomas Sports Photography vi

Defesa: John Sivebæk (Dinamarca – 10 jogos no EURO/0 golos)
Primeiro jogador a marcar um golo após a nomeação de Alex Ferguson como treinador do Manchester United, o defesa-direito jogou também França e em Itália. No entanto, a sua aventura mais famosa fora de portas aconteceu na Suécia, onde a Dinamarca contrariou as previsões e ganhou o EURO em 1992.

Defesa: Marcel Desailly (França – 12 jogos no EURO/0 golos)
O defesa-central venceu o Mundial em 1998 e integrou a Equipa Oficial do Torneio quando a França conquistou o EURO dois anos depois. Desailly também ganhou títulos seguidos na UEFA Champions League, com o Marselha (1993) e com o Milan (1994).

Defesa: Ricardo Carvalho (Portugal – 11 jogos no EURO/0 golos)
Defesa-central de eleição da equipa de José Mourinho, Ricardo Carvalho ganhou a UEFA Champions League 2003/04 sob o comando do técnico português e seguiu-o depois para o Chelsea e para o Real Madrid. Com 38 anos, foi o jogador mais velho a participar no UEFA EURO 2016, mas terminou a prova como vencedor.

Theo Zagorakis: campeão europeu em 2004
Theo Zagorakis: campeão europeu em 2004Getty Images

Médio: Theodoros Zagorakis (Grécia – 6 jogos no EURO/0 golos)

O médio-centro tinha 32 anos quando desempenhou um papel fundamental numa das maiores surpresas de sempre da história do EURO, ao capitanear a pouco favorita Grécia na vitória sobre Portugal, anfitrião do torneio, na final do UEFA EURO 2004. Zagorakis foi nomeado Jogador do Torneio devido ao seu esforço incansável nessa conquista.

Médio: Karel Poborský (República Checa – 14 jogos no EURO/2 golos)

O famoso “chapéu” do extremo-direito a Vítor Baía que eliminou Portugal nos quartos-de-final do EURO '96 ajudou a consolidar a sua reputação como estrela do torneio. Os checos perderam a final diante da Alemanha, mas Poborský já não saiu de Inglaterra e assinou nesse mesmo Verão pelo Manchester United.

Ruud Gullit deita as mãos ao troféu em 1988
Ruud Gullit deita as mãos ao troféu em 1988Popperfoto via Getty Images

Médio: Ruud Gullit (Holanda – 9 jogos no EURO/1 golo)

O talentoso médio-centro marcou o primeiro golo da final do EURO em 1988, ganha pela Holanda à Rússia naquela que continua a ser a única conquista internacional da selecção “laranja”. Um ano antes, Gullit tornara-se no jogador mais caro do mundo ao trocar o PSV Eindhoven pelo Milan, ao serviço do qual venceu duas vezes a Taça dos Campeões.

Médio: João Mário (Portugal – 7 jogos no EURO/0 golos)
Única presença no “onze” de lenda que ainda joga futebol, o médio de 26 anos fez todos os jogos de Portugal na caminhada que terminou com o triunfo no UEFA EURO 2016 frente à anfitriã França. Pouco tempo depois, deixou o Sporting e rumou ao Inter.

Francesco Totti após marcar um golo no EURO 2000
Francesco Totti após marcar um golo no EURO 2000Popperfoto via Getty Images

Avançado: Francesco Totti (Itália – 6 jogos no EURO/2 golos)

Totti é um dos atletas fieis a um só clube mais respeitado da história do futebol, tendo feito um recorde de 786 jogos pela Roma e ganho o Mundial 2006 com a Itália. Foi eleito melhor em campo na final do UEFA EURO 2000, em Roterdão, apesar da derrota dos “azzurri” diante da França.

Avançado: Andrey Arshavin (Rússia – 6 jogos no EURO/2 golos)
Tendo transportado a tocha olímpica por São Petersburgo na Primavera de 2008, Arshavin chegou ao EURO pouco depois de ter vencido a Taça UEFA com o Zenit, o clube da cidade onde nasceu. O avançado quase repetiu o feito pela Rússia, a qual ajudou a atingir as meias-finais com dois golos marcados.

Topo