O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Portugal pronto para para a Dinamarca

Amigos desde miúdos, Nani e Miguel Veloso estiveram bem-dispostos na conferência de imprensa na segunda-feira, mas quando o assunto foi o jogo contra a Dinamarca, em que Portugal tem de ganhar, a aposta é nos golos.

Miguel Veloso e Nani falaram aos jornalistas, esta segunda.feira
Miguel Veloso e Nani falaram aos jornalistas, esta segunda.feira ©Sportsfile

Em tempos de maior tensão é bom termos um amigo por perto para nos ajudar e fazer sorrir. Nani e Miguel Veloso estavam satisfeitos por estarem juntos a falar sobre o decisivo jogo de quarta-feira do Grupo B, em que Portugal precisa de bater a Dinamarca para voltar a estar no bom caminho no UEFA EURO 2012.

Os dois jogafores são amigos há quase uma década, desde os tempos em que começaram juntos nos escalões de formação do Sporting. "É muito bom estar aqui junto com o Miguel", disse Nani. "É alguém que eu conheço desde muito novo". Veloso teve de esperar um pouco para que o colega falasse em espanhol com um jornalista, para depois relembrar quais são as principais armas atacantes da Dinamarca. Foi quando o assunto mudou para o jogo contra a Dinamarca, na quarta-feira, em Lviv, que a conversa ficou séria.

"Perder é uma palavra que não podemos deixar entrar na nossa cabeça", disse Veloso. Já Nani falou do desejo da equipa de Paulo Bento em ter o destino nas suas próprias mãos. "Temos de ganhar", afirmou, "porque só assim ficaremos a depender de nós próprios [à entrada do último jogo].  Vamos tentar atacar, pois é a única maneira de conseguirmos ganhar".

Para concretizar esse objectivo, Portugal vai ter de melhorar o seu registo de apenas um golo marcado nos últimos quatro jogos, tento aquele que foi apontado por Nani, na derrota por 3-1 contra a Turquia, a 2 de Junho. O extremo do Manchester United FC acredita que as coisas vão melhorar. "Temos vários jogadores que podem marcar", disse "e qualquer um deles pode ser decisivo para nós".

Veloso concordou, salientando o facto de mesmo contra uma das melhores equipas da prova, a Alemanha, Portugal ter criado várias oportunidades. "Não as aproveitámos", lamentou. "A bola não quis entrar, mas temos de continuar a lutar para que a sorte mude".

O médio português de 26 anos pode ser uma das armas, pois, recorde-se, foi dele um fantástico livre directo que ajudou na vitória de Portugal sobre a Bósnia e Herzegóvina no "play-off" que garantiu o apuramento, em Novembro, mas Veloso prefere-se concentrar primeiro no seu papel no jogo. "Na minha posição, o mais importante é ajudar a defesa", disse. "Temos muitos atacantes, pelo que só ajudarei no ataque se puder".

Outra possibilidade é colocar Nani numa posição mais central, atrás do avançado, mas ele sente-se mais confortável no seu actual lugar. "Gosto de jogar na ala", disse. "É a posição em que me sinto bem e posso criar oportunidades para os meus colegas de lá". Se Nani e Veloso conseguirem combinar no relvado de Lviv como o fazem fora dele, então Portugal estará, decerto, no bom caminho.