O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Del Bosque satisfeito com empate

Vicente del Bosque disse que a Espanha teve oportunidades para vencer um jogo inaugural, frente à Itália, "bastante renhido", mas, tal como Cesare Prandelli, pareceu satisfeito com o empate a um golo.

Andrés Iniesta luta pela posse da bola com Daniele De Rossi
Andrés Iniesta luta pela posse da bola com Daniele De Rossi ©Getty Images

Depois de terem visto as respectivas equipas realizarem exibições empenhadas num emocionante jogo inaugural do Grupo C na Arena Gdansk, o treinador da Itália, Cesare Prandelli, e o seu homólogo da Espanha, Vicente del Bosque, declararam-se satisfeitos com o ponto somado.

Vicente del Bosque, treinador da Espanha
Claro que queríamos ganhar, mas não saio daqui frustrado, pois julgo que realizámos uma boa exibição; saímos felizes sabendo isso. Terminámos o jogo cheios de vontade, determinação e com oportunidades para ganhar. Penso que a segunda parte esteve a nosso favor. No entanto, sabemos como são os jogos deste género, e este foi bastante renhido. Fomos sólidos na posse da bola frente a uma equipa que procurou pressionar-nos e que começou o jogo determinada a fazer-nos frente. A Itália teve boas oportunidades, isso é verdade, mas estivemos ao nosso melhor nível. Somámos um ponto realizando uma boa exibição.

Cesc Fàbregas é um excelente jogador na chegada à área, e desde o início tentámos utilizá-lo de uma forma que achámos mais adequada para esta ocasião. O Fernando Torres entrou mais tarde e teve oportunidades para marcar, as quais não aproveitou, mas estou feliz com o empate.

Cesare Prandelli, treinador da Itália
Foi um jogo muito intenso. Demos o nosso melhor para pressionar os jogadores espanhóis desde o momento em que iniciavam as jogadas. Tentámos evitar situações de um-para-um, ao mesmo tempo que, com a posse da bola, tentávamos construir jogadas desde trás. Ontem não sabia o que íamos enfrentar neste jogo, mas saio daqui com um sorriso porque este é um desporto fantástico, que às vezes devia ser abordado com menos tensão.

Fiz entrar o Antonio Di Natale para o lugar do Mario Balotelli, não por o Mario ter falhado uma oportunidade, mas sim por sentir que precisávamos de mais profundidade no ataque. O que me desiludiu hoje foi termos consentido o empate tão rapidamente. Estávamos a defrontar a campeã mundial, mas devíamos ter tornado a sua tarefa mais difícil após termos marcado. Precisamos de melhorar em certos aspectos. Ficámos um pouco surpreendidos com o onze inicial da Espanha, mas concordamos que é necessário manter a concentração no nosso próprio jogo. Vamos analisar esta partida e trabalhar algumas coisas. Despendemos bastante energia, que vamos precisar de recuperar para o próximo jogo.