O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Premonição de Fàbregas dá resultado

Cesc Fàbregas disse que teve um "feeling" que iria marcar o penalty vitorioso da Espanha frente a Portugal, à medida que desfrutava do feito "extraordinário" que é chegar a três finais consecutivas.

Premonição de Fàbregas dá resultado
Premonição de Fàbregas dá resultado ©UEFA.com

Tal como frente à Itália, nos quartos-de-final do UEFA EURO 2008, Cesc Fàbregas emergiu como o herói da Espanha no desempate por penalties, com o médio a admitir que teve um "feeling" de que a sorte lhe ia sorrir mais uma vez. E assim aconteceu, com a Espanha a bater Portugal para alcançar a "extraordinária" terceira final consecutiva de um grande torneio de selecções, enquanto para os colegas Iker Casillas e Sergio Ramos houve uma satisfação adicional, depois de terem sido eliminados nas meias-finais da UEFA Champions League desta época, também no desempate por penalties.

Cesc Fàbregas, médio da Espanha
Pensei no desempate por penalties durante toda a noite, e o Toni Grande [treinador-adjunto da Espanha] disse-me que eu ia marcar o segundo, mas disse-lhe que queria ser o qunito a marcar. Tinha esta sensação e depois tive a oportunidade, e é fantástico. Senti uma emoção muito grande, recordei-me de várias pessoas, da minha família, que não pôde estar presente. Agora arrependo-me de lhes ter pedido para não virem, mas não vão faltar à final. Sinto-me muito emocionado por atingir três finais em quatro anos. Não sei se alguém na história já tinha conseguido isto, mas é relamente extraordinário.

Sergio Ramos, defesa da Espanha
O importante é que no final de contas demos uma grande passo, ultrapassando uma grande equipa, que teve muito trabalho para chegar até aqui. Foi duro e não foi o nosso melhor jogo, porque tornaram as coisas difíceis para nós. Eles gostam de fazer circular a bola e contra-atacar, por isso passámos um mau bocado. Estou agradado com a exibição. O mais importante é a recompensa que tivemos, que é o apuramento para a final. Independentemente do que acontecer na final, estou orgulhoso por ter contribuído para o sucesso da equipa e os adeptos devem estar orgulhosos de nós. Queria cobrar um penalty, especialmente depois da má experiência nas meias-finais da UEFA Champions League, ao serviço do Real Madrid.

Iker Casillas, guarda-redes da Espanha
Penso que, depois de começarmos com um penalty falhado, era importante empatar e conseguimos; e no final tivemos sorte, porque os desempates por penalties têm essencialmente a ver com sorte, sendo que fomos recompensados após 120 minutos de sofrimento. Há um mês, provei o sabor amargo [de um desempate], mas agora estou feliz por experimentar o outro lado. Tem a ver com adivinhar para onde a bola vai, pouco mais do que isso.

Sem dúvida que nos vamos recordar deste momento quando se acabar a sorte e nos apurarmos. Lutamos para atingir finais, e hoje fizemos isso. Esta equipa sujeitou-se a muito trabalho duro e também críticas que recebemos, e o que queremos é proporcionar algo com que se sintem felizes, e de hoje até domingo é isso que vai acontecer. Não me interessa qual é o adversário na final – o importanté é que a Espanha está lá.

Xabi Alonso, médio da Espanha
Felizmente hoje tivemos um final feliz, mas foi duro e tivemos de trabalhar para isso. Foi um jogo muito renhido. No prolongamento tivemos várias oportunidades, mas alguém tem de ganhar e a sorte sorriu-nos. Quem tivesse marcado durante os 90 minutos tinha ganho. Sabíamos que ia ser um jogo difícil, estudámos o adversário, e sabíamos que iam mostrar-se fortes e na tentativa de aproveitarem as suas qualidade físicas, e também tivemos de impedir os seus contra-ataques.

Em jogos como este é preciso manter a calma. Estamos noutra final e isso é uma recompensa tremenda; aconteça o que acontecer, temos de estar orgulhosos. Agora queremos levar a taça para casa. No meu penalty o guarda-redes fez uma boa defesa, mas os meus colegas corrigiram o erro.

Jordi Alba, defesa da Espanha
Durante os 90 minutos houve muita pressão e foi renhido, mas a Espanha foi melhor no prolongamento. O Sergio Ramos teve muita coragem, depois de ter falhado frente ao Bayern, mas mostrou muita tranqulidade e calou alguns críticos. Marcou o penalty muito bem e deu uma grande satisfação ao resto da equipa.

Anyes do quinto penalty disse ao Cesc que tinha a oportunidade de fazer o mesmo que tinha feito há quatro anos. Eu estava muito nervoso antes dos penalties, e tive boas e más sensações, mas no final tudo correu bem. Agora vamos descansar antes da final. Todos os 11 jogadores que têm jogado são igualmente importantes na defesa e no ataque. Ainda só sofremos um golo no torneio, e estamos muito satisfeitos por isso, mas ainda falta um jogo e, se tudo correr bem, continuaremos a jogar assim tão bem.