O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Memórias das meias-finais: Portugal

Portugal prepara-se para defrontar a Espanha na meia-final de quarta-feira e o UEFA.com dá voz a intervenientes nas três vezes anteriores em que chegou a esta fase e partilha as suas recordações.

Cristiano Ronaldo festeja o golo frente à Holanda em 2004
Cristiano Ronaldo festeja o golo frente à Holanda em 2004 ©Getty Images

A disputar a sua terceira meia-final nas últimas quatro edições da competição, Portugal tem um excelente passado no Campeonato da Europa, mas conta agora com a forte oposição da vizinha Espanha a separá-la da segunda presença seguida na final. O UEFA.com dá voz a três jogadores que se destacaram nas últimas presenças da selecção lusitana nesta fase da prova e patilha as suas recordações.

23/06/1984 França 3-2 Portugal (ap) (Marselha)

Chalana: Terminámos em terceiro em 1984, mas podíamos ter ficado em segundo ou em primeiro. Nesse jogo contra a França tivemos uma oportunidade flagrante, pelo Nené, que faria o 3-1, já no prolongamento. Para piorar as coisas, a França fez o que nós não fizemos e marcou. Custa muito ver o jogo de novo e paro a fita quando o Nené falha aquela oportunidade. Todos os franceses ainda me dizem hoje que esse foi o melhor jogo do Europeu.

28/06/2000 França 2-1 Portugal (ap) (Bruxelas)

Vidigal: Essa equipa de 2000 foi, provavelmente, uma das melhores que Portugal já teve: fantástica, com jogadores talentosos e excelentes homens. Podíamos ter chegado à final, marcámos primeiro, mas parecia que estávamos destinados a sofrer. Cada jogador era um líder à sua maneira e tínhamos um seleccionador [Humberto Coelho] que nos dava a máxima liberdade e exigia o mesmo de nós em termos de responsabilidade.

30/06/2004 Portugal 2-1 Holanda (Lisboa)

Maniche: Nunca imaginei que dali iria sair um grande golo, mas quando se remata à baliza o objectivo é marcar. Foi isso que tentei fazer. Felizmente tive sorte, que também ajuda nessas circunstâncias, mas rematei com convicção. Foi um momento histórico, não apenas para mim, mas para toda a equipa; claro que para mim foi um momento inesquecível, porque nunca me poderei esquecer de um golo daqueles.