O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Par de olhos extra de árbitros no EURO

O UEFA EURO 2012 vai ter árbitros assistentes adicionais e a experiência foi bem recebida por Howard Webb e Jonas Eriksson, ambos escolhidos para apitar jogos no torneio.

Par de olhos extra de árbitros no EURO
Par de olhos extra de árbitros no EURO ©UEFA.com

O UEFA EURO 2012 vai contar com dois pares de olhos extra na arbitragem dos encontros, de forma a oferecer ao árbitro de jogo uma ajuda crucial no julgar dos lances, debaixo do ambiente de grande pressão que envolverá as 31 partidas que terão lugar na Polónia e na Ucrânia ao longo do próximo mês.

Os árbitros assistentes adicionais serão utilizados durante a fase final do torneio como parte da experiência que continua a ser desenvolvida com a autorização dos legisladores do futebol, o International Football Association Board (IFAB). Os dois árbitros assistentes adicionais são colocados junto de cada uma das linhas de fundo, onde prestam particular atenção a quaisquer incidentes ocorridos dentro das áreas de grande penalidade.

As experiências com a utilização de árbitros assistentes adicionais tiveram início no Outono de 2008, durante as fases de qualificação do Campeonato da Europa de Sub-19, após as quais o IFAB deu permissão para que estas prosseguissem a nível do futebol profissional.

Como resultado, os árbitros assistentes adicionais foram introduzidos nos jogos da UEFA Europa League desde a temporada de 2009/10, na UEFA Champions League durante as temporadas de 2010/11 e 2011/12 e na SuperTaça Europeia em 2010 e 2011.

Agora é a vez do maior torneio europeu de selecções contar, também ele, com a presença de dois árbitros assistentes adicionais como parte das equipas de arbitragem dos encontros, que desta forma serão compostas por sete elementos: um árbitro principal, dois árbitros assistentes, um quarto-árbitro, dois árbitros assistentes adicionais e um árbitro assistente de reserva.

A resposta a esta experiência tem sido positiva. "O feedback dado por parte dos árbitros tem sido bastante positivo; eles sentem realmente um melhor controlo do jogo", referiu ao UEFA.com Pierluigi Collina, responsável da UEFA pela arbitragem. "Naturalmente, os árbitros assistentes adicionais são muito importantes para controlar a linha de golo. Tivemos já várias situações em que a bola passa para lá da linha de golo e volta para trás, algumas delas de extrema importância".

"Posso referir o Basileia-Manchester United da sexta jornada da Champions League, que foi um encontro decisivo para a passagem à fase seguinte da prova. No golo marcado pelo Manchester United a bola não passou a linha de golo por mais do que dez centímetros mas, ainda assim, o árbitro assistente adicional avaliou o lance na perfeição e o golo foi sancionado. Não houve protestos; os jogadores aceitaram a decisão, dada a presença do árbitro assistente adicional". Deve realçar-se que os árbitros assistentes adicionais não estão autorizados, nesta experiência do IFAB, a fazer qualquer sinal; podem apenas recorrer À comunicação verbal [via rádio] com o árbitro principal.

"A presença de um árbitro assistente adicional é extremamente importante também para detectar agarrões e empurrões", acrescentou Collina. "Tínhamos este problema por muitas razões e já tínhamos alertado os árbitros para darem muita atenção aos agarrões e aos empurrões. Tenho de dizer que, desde que lançámos esta experiência com os árbitros assistentes adicionais, os puxões e os empurrões dentro das áreas de grande penalidade na sequência de lances de bola parada diminuíram e tal deve-se, certamente, à presença dos dois árbitros extra".

Os próprios árbitros que foram seleccionados para estar no UEFA EURO 2012 também não hesitam em partilhar a sua opinião positiva sobre a experiência. "Os benefícios são, para mim, evidentes", explicou o inglês me," Howard Webb. "Quando entro para os jogos com árbitros assistentes adicionais, entro em campo com mais dois árbitros experientes e quase sempre dos quadros da FIFA ao meu lado. Eles dão-me a sua avaliação de situações de difícil julgamento junto e à volta das áreas de grande penalidade, olhando para os lances de ângulos que eu nunca poderia ter como árbitro principal do encontro. ".

"Penso que, para além disso, servem também como um forte elemento dissuasor. Falam-nos muitas vezes dos agarrões dentro das áreas de penalty. Bem, a verdade é que é muito complicado detectá-los quando se está só com tantos jogadores à volta. Temos também um árbitro assistente a olhar para lá, é verdade, mas que se encontra a alguma distância".

"Com o árbitro assistente adicional, podemos dividir a responsabilidade sobre esses importantes lances que ocorrem dentro das grandes áreas, e assim não temos de olhar para tantos jogadores ao mesmo tempo. Desta forma, existem maiores possibilidades de nos apercebermos do que se está a passar. E os jogadores respondem a isso. Têm consciência de que a presença dos árbitros assistentes adicionais aumenta a possibilidade de serem apanhados a cometer qualquer infracção".

Graças à presença dos árbitros assistentes adicionais, as probabilidades de os árbitros tomarem decisões acertadas dentro e nas imediações das áreas de grande penalidade aumentam consideravelmente. E isso só pode ser bom para o futebol, ainda para mais se levar a que os jogadores se comportem de forma mais correcta e não procurem tirar partido de irregularidades.

Para assistir à entrevista mais aprofundada, veja o vídeo acima.

Conteúdos relacionados