O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Trapattoni incita Irlanda à vitória final

"Vai ser preciso muito empenho, mas porque não?", foi desta forma que o treinador da Irlanda, Giovanni Trapattoni, abordou uma possível vitória da sua equipa no UEFA EURO 2012, após garantir o apuramento.

Giovanni Trapattoni e Robbie Keane festejam o apuramento
Giovanni Trapattoni e Robbie Keane festejam o apuramento ©Getty Images

O treinador da República da Irlanda, Giovanni Trapattoni, incentivou os seus jogadores a causarem sensação no UEFA EURO 2012, depois de afastarem a Estónia no "play-off".

Após ter ganho por 4-0 na Estónia, na sexta-feira, um empate a um golo na Dublin Arena assegurou à Irlanda o fim de um jejum de dez anos sem marcar presença na fase final de um torneio de selecções – e um intervalo de 24 anos desde a última presença num EURO, em 1988. Trapattoni, que perdeu apenas dois jogos de apuramento em 24 que já leva no comando da Irlanda, diz que a sua equipa se vai deslocar até à Polónia e à Ucrânia cheia de "crença".

"Estou certo que podemos ir ao Euro 2012 e confiantes no nosso desempenho", disse. "Temos crença e uma boa atitude. Também mostrámos que podemos competir frente a selecções mais fortes. Qual é o nosso objectivo no torneio do próximo Verão? Nada é impossível. É sempre o que eu digo. A equipa possui boas opções."

Quando questionado sobre se a Irlanda pode alcançar um triunfo-surpresa, como a Grécia no UEFA EURO 2004 – prova onde orientou a Itália –, Trapattoni disse: "Porque não? Não é um sonho impossível. Vamos precisar de nos empenhar a 100 por cento, mas porque não?"

O antigo técnico da Juventus, vencedor da Taça dos Clubes Campeões Europeus, também falou sobre o orgulho que sente por ter colocado um ponto final na longa ausência da Irlanda de uma grande competição de selecções. "Sei o que isto significa para o país", disse Trapattoni. "Estou muito orgulhoso pelos jogadores e pelos adeptos. Sei que o povo irlandês desejava isto e estou muito feliz por termos realizado esse sonho.

"Estivemos num grupo muito difícil mas apurámo-nos, por isso estou muito satisfeito. Os jogadores acreditam na táctica utilizada e alcançámos o nosso objectivo."

O capitão irlandês, Robbie Keane, que marcou dois golos na primeira mão e elevou a sua conta pessoal na selecção para 53, apelidou o apuramento como "um momento para recordar". O veterano do Campeonato do Mundo de 2002 disse: "Capitanear a equipa e garantir o apuramento em Dublin para um grande torneio é, provavelmente, o ponto-alto da minha carreira ao serviço da Irlanda. Mérito para todos os rapazes - sem dúvida que merecemos isto. Agora podemos aguardar com expectativa pela fase final e estou certo que vamos causar sensação."

O guarda-redes Shay Given, que somou a sua 120ª internacionalização frente à Estónia, com a Irlanda a vencer uma selecção europeia pela primeira vez num "play-off", acrescentou: "Selar o apuramento em Dublin é muito especial. Foi uma prova longa, mas se tudo correr bem, vai servir para moralizar o país. Agora já podemos começar a pensar no próximo Verão. Não tenho dúvida de que vamos causar problemas a algumas equipas na fase final."

Foi apenas a segunda vez que a Estónia chegou sequer a um "play-off" e o treinador Tarmo Rüütli elogiou os seus jogadores por mostrarem as suas "verdadeiras qualidades", numa noite em que o remate de longe de Konstantin Vassiljev fez o empate, em resposta ao golo inaugural de Stephen Ward, na primeira parte, fazendo o resultado final. "A primeira mão foi uma grande desilusão, mas desta feita estivemos ao nosso melhor nível", disse Rüütli.

"Queríamos provar que conseguíamos fazer melhor. Penso que o conseguimos. Esta foi a primeira vez que a Estónia jogou a um nível tão elevado, por isso podemos encarar esta participação como um sucesso."