O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Fernando Santos: Confiança é cada vez maior

Em conversa com o EURO2016.com, Fernando Santos abordou o embate com Gales e salientou a importância de Cristiano Ronaldo no seio da selecção lusa.

Fernando Santos tem motivos para sorrir após o apuramento para as meias-finais
Fernando Santos tem motivos para sorrir após o apuramento para as meias-finais ©AFP/Getty Images

O seleccionador de Portugal, Fernando Santos, marcou presença numa conferência de imprensa em Marcoussis, este sábado, mas antes esteve à conversa com o EURO2016.com. O técnico da equipa das "quinas" recordou o emocionante apuramento para as meias-finais do UEFA EURO 2016, abordou o adversário das meias-finais e salientou a importância de Cristiano Ronaldo no seio da selecção lusa.


Agora que já passou algum tempo, como recorda o jogo com a Polónia?

Foi um jogo que não começou muito bem para nós, onde sofremos um golo madrugador. O que fica na memória é a reacção da minha equipa, que conseguiu chegar à igualdade, o que acabou por ser muito importante. Depois partimos em busca da vitória, que acabou por chegar nas grandes penalidades. Foi um desfecho justo porque Portugal esteve sempre mais perto de chegar à vantagem no decorrer do jogo.

Foi um jogo com emoções fortes. Como descreveria a pressão vivida na marcação das grandes penalidades?

É uma pressão enorme já que os jogadores tinham uma grande vontade em estar nas meias-finais, e também na final. É um momento de enorme pressão já que tudo se decide nos penalties; é uma pressão maior do que a que acontece no decorrer do jogo, algo que é perfeitamente normal. Quem marca um penalty necessita de estar concentrado e muito focado. Não é fácil marcar uma grande penalidade nestas condições e também não é fácil para os guarda-redes defenderem uma. Há, obviamente, uma enorme pressão. 

O que disse aos jogadores antes de se iniciarem a marcação das grandes penalidades?

Disse-lhes para acreditarem neles próprios e que iríamos sair vencedores deste desafio.

Como foi o ambiente no balneário após esta importante vitória?

Foi um ambiente normal, dentro da alegria que era perfeitamente natural. Felizmente a equipa não perde o foco, que se tem mantido desde que chegámos a França. Antes de aqui chegarmos traçámos um objectivo claro, que passava por chegarmos à final e vencermos. Para o conseguirmos teremos de ultrapassar as diferentes "finais". Durante o processo há um momento de alegria natural, tem sido sempre assim, mas não existe euforia ou deslumbramento.

Portugal apresentou-se de forma muito organizada e uma equipa que parece difícil de bater e motivada. Cada vez acreditam mais que é possível chegar à final?

Os níveis de confiança podem sempre aumentar devido a vários factores. Um deles acontece durante os jogos, quando percebemos que não vai ser fácil para um adversário vencer-nos. Isso dá-nos mais confiança na nossas capacidades para poder derrotar os adversários. É perfeitamente normal.

O foco está sempre sobre Cristiano Ronaldo, em cada treino, em cada jogo. Como é que o capitão da selecção portuguesa lida com isso?

Cristiano Ronaldo tem sido um exemplo fantástico. É, na verdadeira acepção da palavra, o capitão. Assume todos os momentos do jogo, sempre com a mesma vontade, determinação e foco. Quando foi preciso marcar marcou, quando é preciso defender, defende. Está sempre disponível para o jogo. Este é o nosso Cristiano Ronaldo, com toda a entrega em campo que tem demonstrado.

O que espera do jogo com o País de Gales, que não poderá contar com dois jogadores influentes, um deles Aaron Ramsey?

O País de Gales tem dois jogadores de fora, por castigo, nós temos um, mas isso não diminui em nada aquilo que são as características e a qualidade da equipa de Gales. No início, ninguém dava nada, entre aspas, por esta selecção, mas têm mostrado ao longo da prova toda a qualidade, com quatro vitórias e dez golos marcados. É uma equipa na verdadeira acepção da palavra. Para além disso, tem um espírito fantástico, de enorme entrega ao jogo. Pela frente vai ter um Portugal que sabe disso, que também quer isso e que tem feito isso. Será um grande embate, que acredito que Portugal irá vencer.