O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Fernando Santos: "Não foi um resultado justo"

Fernando Santos, seleccionador de Portugal, lamentou "ter sofrido um golo que não devia ter sofrido", mas salientou que "não foi um resultado justo", enquanto Nani já pensa nos próximos jogos.

EURO 2016 highlights: Portugal 1-1 Iceland
EURO 2016 highlights: Portugal 1-1 Iceland

Fernando Santos, seleccionador de Portugal
Sabíamos que era um jogo complicado, mas também sabíamos que era um jogo em que éramos melhores e queríamos vencer. Não começámos tão bem como pretendíamos, perdemos tempo a entrar no jogo, mas a partir daí pegámos no jogo, tivemos bola e não os deixámos utilizar aquele futebol característico deles. Criámos situações, fizemos um golo e podíamos ter feito mais. O jogo estava controlado e, ao intervalo, disse aos jogadores que tínhamos de estar atentos, porque o tipo de futebol desta equipa pode sempre criar alguns problemas.

Tínhamos estudado bem o adversário, mas acabámos por sofrer um golo num lance que conhecíamos bem e não devíamos ter sofrido. A partir daí voltámos ao jogo, fomos à procura da vitória, voltámos a criar oportunidades, mas acusámos um pouco de ansiedade a mais, o que é normal num primeiro jogo.

Não foi um resultado justo, mas o futebol é assim, os erros são humanos. Não vamos tirar ilações individuais. O adversário teve mérito pela forma como defendeu, usou aquilo que sabe usar, no seu estilo pragmático. Acho que Portugal fez uma exibição razoável, com alguns períodos bons, só com a pecha de ter sofrido um golo que não devia ter sofrido e das oportunidades que não concretizou.

Nani, autor do golo de Portugal e Melhor em Campo
Estivemos sempre por cima e fomos superiores mas a Islândia é muito forte nas bolas pelo ar. Controlámos o jogo, trocámos bem a bola mas eles têm uma equipa fisicamente forte e agressiva defensivamente na disputa das bolas. Tivemos muitas oportunidades e esperemos que isso seja um começo para que, nos próximos jogos, consigamos alcançar as nossas vitórias.

A segunda parte foi um pouco mais complicada, mas tivemos uma boa prestação, dominámos o jogo. Agora é descansar e preparar os próximos jogos, porque o que importa não é como começa, mas sim como acaba, e ainda temos muitos jogos pela frente.

André Gomes, médio de Portugal
Não estávamos de todo à espera do empate. Sabíamos que eles são perigosos no futebol directo, tentámos reagir mas, infelizmente, não conseguimos a vitória. Tentámos circular a bola rápido para contrariar o bloco recuado da Islândia, tivemos boas oportunidades de golo e acabámos por sofrer num lance de futebol directo. Mas temos mais dois jogos pela frente, dois jogos para ganhar, fazer seis pontos e com este sete. Foi apenas um percalço.

Heimir Hallgrímsson, co-seleccionador da Islândia
Estamos satisfeitos. Sabíamos que Portugal é forte. Eles tiveram muito mais tempo de posse de bola e foi bastante difícil para nós. São uma das melhores equipas do torneio e, provavelmente, vão chegar longe na prova, mas nós estivemos fantásticos a defender. Estivemos muito organizados e trabalhámos muito. Excepção feita a um ou dois lances, estivemos sempre concentrados. Não é fácil destacar nenhum jogador, foi um esforço colectivo e agora podemos seguir mais tranquilos para o próximo jogo.

Tínhamos de apostar nas bolas longas, pois sabíamos que iríamos ganhar muitas vezes a primeira bola. Ao intervalo disse que nos tinha faltado ganhar, depois, a segunda bola e que a estávamos a perder demasiado depressa. No segundo tempo fomos mais inteligentes. Este é mais um marco para nós.

Gylfi Sigurdsson, médio da Islândia
É um ponto muito importante. Foi um jogo extremamente difícil, no qual estivemos praticamente 88 minutos a defender. Quase perdi a voz, de tanto que tivemos de gritar entre nós e correr atrás da bola. Mas mostrámos, uma vez mais, que somos mais do que uma equipa que simplesmente defende bem. É preciso ter carácter para reagir e recuperar depois de se estar a perder 1-0 contra uma equipa como Portugal.

Agora temos mais dois jogos pela frente e ganhar um deles chegará, provavelmente, para seguirmos para a próxima fase. Os nossos adeptos foram maravilhosos. Não pararam de cantar desde o primeiro minuto. Todos nós, jogadores, ficámos arrepiados quando subimos ao relvado. Um apoio fantástico e um grande ponto conquistado: têm boas razões para festejar esta noite.

Aron Gunnarsson, médio da Islândia
É inacreditável. Tínhamos um plano de jogo e respeitámo-lo. Conseguimos somar um ponto frente a uma selecção de Portugal muito forte, que tentou tudo para marcar outro golo. Sentimos que eles relaxaram um pouco depois de marcarem e nós soubemos tirar partido disso.