Foto: Grécia contraria favoritos e ganha título

Recuamos no tempo para recordar a surpreendente Grécia, que conseguiu uma das maiores surpresas na história do torneio.

Foto: Grécia surpreende Portugal em Lisboa
Foto: Grécia surpreende Portugal em Lisboa ©AFP

A Grécia chegou ao UEFA EURO 2004 completamente fora do lote de selecções favoritas. Contudo, num esplêndido festival de futebol debaixo do sol português, o conjunto pragmático de Otto Rehhagel transformou-se numa equipa muito mais forte do que a soma das partes. Os gregos confundiram adversário após adversário e terminaram o torneio da mesma forma que tinham começado - com uma vitória sobre o anfitrião.

Resumo da final de 2004
Resumo da final de 2004

1 Traianos Dellas
Dellas, defesa-central, foi a chave para a Grécia ter sofrido apenas quatro golos em Portugal. Alcunhado de "Colosso de Rodes" pelo seleccionador Rehhagel, fez exibições memoráveis e marcou o golo de prata, de cabeça – o seu único tento em 53 jogos pelos gregos – na meia-final diante da República Checa. Estava na Roma na altura, mas está mais associado ao AEK Atenas, pelo qual ganhou duas Taças da Grécia. Retirou-se em 2012 e guiou o AEK desde o terceiro ao primeiro escalão, e regista também passagens por Atromitos e Panelotikos.

2 Theodoros Zagorakis
Zagorakis não marcou em Portugal – o seu primeiro golo pela Grécia chegou sete meses mais tarde no 101º jogo internacional –, no entanto, foi o jogador mais eficiente dos helénicos na final. Zagorakis certamente nunca imaginou que durante a sua viajada carreira, na qual teve passagens por Inglaterra e Itália, pudesse ter tamanha honra. O médio-defensivo retirou-se em 2007 com 120 jogos pela selecção, bem como a conquista da taça por AEK e Leicester City. Antigo presidente do PAOK, Zagorakis é membro do Parlamento Europeu desde 2014.

3 Otto Rehhagel
Rehhagel é o único seleccionador não nascido no país campeão a ter ganho o Campeonato da Europa da UEFA. Antigo treinador do Werder Bremen, transformou uma equipa quase desconhecida na melhor do continente e tacticamente brilhante. "Rei" Otto levou a Grécia ao UEFA EURO 2008 Mundial FIFA 2010, antes de deixar o cargo a seis semanas de completar 72 anos. A passagem de nove anos pelo comando da selecção grega eclipsou os feitos na nativa Alemanha – é o único treinador com mais de 1000 jogos disputados como jogadores e treinador.

4 Michalis Kapsis
O futebol sempre esteve no sangue de Kapsis – o pai Anthimos foi internacional pela Grécia e membro da equipa do Panathinaikos que perdeu a final da Taça dos Campeões de 1971 frente ao Ajax. Ganhou a "dobradinha" com o Olympiacos em 2006 e o título no Chipre pelo APOEL. Retirou-se em 2012.

Angelos Basinas
Angelos Basinas©Getty Images

5 Angelos Basinas
Bassinas é um dos dos quatros jogadores com mais de 100 jogos pela selecção principal da Grécia. Desempenhou papel importante no UEFA EURO 2004 – utilizado como médio-defensivo, marcou de grande penalidade na vitória sobre Portugal, por 2-1, na abertura do torneio e foi o autor do canto na sequência do qual Angelos Charisteas assinou, de cabeça, o golo do triunfo na final. Basinas conquistou dois títulos gregos pelo Panathinaikos e, após se retirar em 2011, formou-se como treinador.

6 Takis Fyssas
Fyssas assinou pelo Benfica em Dezembro de 2003 e marcou na final da Taça de Portugal de 2014, numa vitória que negou a tripla de troféus ao Porto de José Mourinho. Cerca de um mês depois, começava a caminhada a titular da Grécia como defesa-esquerdo até à final do EURO2004, disputada no Estádio do Sport Lisboa e Benfica, o seu clube. Na época seguinte venceu a Liga portuguesa pelos "encarnados", tendo-se retirado no Verão de 2008. Desde então trabalhou com a selecção da Grécia e como director-técnico no Panathinaikos, antes de, tal como Zagorakis, enveredar pela política, em 2019.

Vryzas e Papadopoulos
Vryzas e Papadopoulos©Getty Images

7 Zisis Vryzas
O tento deste avançado de elevada estatura na vitória sobre a Rússia na fase de grupos ajudou a Grécia a tirar a Espanha do segundo lugar devido à diferença de golos. Amado pelos adeptos no PAOK, Vryzas jogou no estrangeiro por Perugia, Fiorentina, Celta e Torino. Regresso ao país natal em 2006 e tornou-se director-geral do PAOK depois de pendurar as chuteiras em 2008. Adjunto de Fernando Santos na selecção num breve período, Vryzas voltou ao PAOK como presidente do clube. Mais tarde foi director-técnico do Veria e fez parte dos quadros da Federação Grega de Futebol.

8 Dimitris Papadopoulos
  Com 22 anos, Papadopoulos era o mais jovem elemento do plantel da Grécia no EURO 2004. Chegou a Portugal depois de conquistar a "dobradinha" pelo Panathinaikos e, mais tarde, representou igualmente o seu país nos Jogos Olímpicos desse Verão. Nascido no Uzbequistão, o avançado andou arredado da selecção até regressar em Agosto de 2013, depois de ter sido eleito jogador do ano na Grécia ao serviço do Panthrakikos. Manteve-se em actividade na primeira divisão, com Atromitos e Panelotikos, antes de se retirar em 2017.

9 Stelios Giannakopoulos
A suspensão de Giorgos Karagounis possibilitou a titularidade de Giannakopoulos no meio-campo na final de Lisboa. Praticamente 13 meses antes, marcara no triunfo da qualificação sobre Espanha, por 1-0, em Saragoça, resultado que iniciou a caminhada da Grécia rumo à glória. Retirou-se em 2010 e tornou-se presidente da Associação de Futebolistas Profissionais da Grécia. Teve um breve período como treinador e actualmente é comentador desportivo e, curiosamente, bombeiro.

Angelos Charisteas
Angelos Charisteas©Getty Images

10 Angelos Charisteas
O momento mais memorável da carreira de 88 jogos e 25 golos de Charisteas pela Grécia aconteceu ao marcar o tento do triunfo na final de 2004. Campeão da Bundesliga pelo Bremen em 2003/04, teve passagens discretas após o torneio em Portugal por clubes de Holanda, Grécia, França e Arábia Saudita. Charisteas teve um curto período como director-técnico do Aris, o seu primeiro clube, onde agora desempenha o cargo de director-desportivo.

11 Giourkas Seitaridis
Seitaridis foi o defesa-direito na marcha da Grécia rumo ao título. As marcações a Thierry Henry e Milan Baroš e a vitória no EURO marcaram a sua excelente época, na qual venceu a "dobradinha" pelo Panathinaikos. Depois da fase final rumo ao Porto, pelo qual ganhou a SuperTaça de Portugal ainda no Verão de 2004, antes de terminar o ano em cheio com a conquista da Taça Intercontinental, em Dezembro. Jogou ainda no Dínamo Moscovo e Atlético antes de regressar ao Panathinaikos, ao serviço do qual deixou de jogar em 2013.

Também na foto
12 Giannis Goumas
13 Kostas Chalkias
14 Giorgos Georgiadis
15 Pantelis Kafes
16 Vassilis Lakis
17 Fanis Katergiannakis
18 Stelios Venetidis

Descarregue a app do EURO

Conteúdos relacionados