Trezeguet afunda Itália e dá título à França

A França tornou-se na primeira selecção a conquistar o Europeu como campeã mundial, graças ao golo de ouro marcado frente a uma Itália que esteve a segundos da glória.

David Trezeguet marca o golo de ouro em Roterdão
David Trezeguet marca o golo de ouro em Roterdão ©Getty Images

França 2-1 Itália
(Wiltord 90+4, Trezeguet 103; Delvecchio 55)
Final
Roterdão, 2 de Julho de 2000

A França tornou-se na primeira selecção a conquistar o Campeonato da Europa na qualidade de campeã mundial, quando David Trezeguet saltou do banco de suplentes para marcar um golo de ouro.

O facto deixou a Itália destroçada, isto depois de ter estado a segundos de vencer a partida no tempo regulamentar, mercê do golo de Marco Delvecchio apontado na segunda parte, antes de Sylvain Wiltord fazer o empate no derradeiro minuto e obrigar a prolongamento. Trezeguet fez o resto.

A final começara a ritmo igualmente frenético. A França quase inaugurou o marcador quando o remate de Thierry Henry embateu no poste e Youri Djorkaeff também dispôs de uma boa oportunidade, num cabeceamento na sequência de um canto, antes de a Itália despertar. Demetrio Albertini deu o aviso, num remate em arco na marcação de um livre que passou centímetros por cima da barra. E tudo isto quando ainda só estavam decorridos 15 minutos de jogo.

Ambas as equipas acalmaram e os "bleus" estiveram muito perto de marcar a seis minutos do intervalo. O irrequieto Henry arrancou rumo à grande área e cruzou para Djorkaeff, que se virou para a baliza e rematou rasteiro para uma boa defesa de Toldo.

Segundos depois de Alessandro Del Piero entrar em campo, na segunda parte, a Itália também esteve perto do golo, mas Laurent Blanc cortou de cabeça um cruzamento perigoso de Paolo Maldini.

Finalmente, aos 55 minutos, o marcador foi inaugurado. O passe de calcanhar de Francesco Totti libertou Gianluca Pessotto no flanco direito e o cruzamento deste enganou Marcel Desailly, permitindo a Delvecchio encher o pé e marcar, já na pequena área. A Itália podia ter feito o segundo golo seis minutos volvidos, quando Totti isolou Del Piero, mas o remate do avançado da Juventus falhou o alvo.

Na outra baliza, a França revelava dificuldades para ultrapassar o brilhante Toldo, que negou o golo a Wiltord e Henry, enquanto Zidane começava a libertar a sua magia. Ainda assim, apesar da introdução de um terceiro avançado – Trezeguet –, a equipa de Roger Lemerre parecia condenada à derrota. Mas foi então que Wiltord surgiu liberto no lado esquerdo da área e bateu Toldo, já em tempo de compensação, num pontapé rasteiro e cruzado.

Moralizada pelo golo, a França iniciou o prolongamento ao ataque e Zidane, após um cruzamento de Robert Pirès, viu o seu remate ser desviado e sair ao lado. Mas o extremo do Arsenal FC esteve na origem do tento da vitória, irrompendo pelo flanco esquerdo antes de cruzar atrasado para Trezeguet, que, com um remate colocado à meia-volta, decidiu a contenda. Com os adeptos franceses em delírio, Didier Deschamps ergueu o troféu Henri Delaunay.

O que aconteceu a seguir?
Campeã mundial e europeia, a França acrescentou ao palmarés a Taça das Confederações no ano seguinte, mas nunca recuperou do mau início no Mundial de 2002, ao perder com o estreante Senegal, por 1-0. Terminou no último lugar do grupo, sem qualquer golo marcado, no final de uma campanha que ditou a saída de Lemerre.

Jacques Santini entrou para o seu lugar e a França pareceu bem encaminhada no UEFA EURO 2004, antes de ser eliminada de forma surpreendente pela Grécia, futura vencedora da prova, nos quartos-de-final. No Mundial de 2006, os "bleus" voltaram à sua melhor forma e deixaram pelo caminho Espanha, Brasil e Portugal rumo à final. No entanto, esperava-os a Itália e não houve lugar à repetição do encontro decisivo de 2000, já que os "azzurri" levaram a melhor no desempate por grandes penalidade, por 5-3, depois do empate 0-0 no tempo regulamentar.

Topo