Retrospectiva do PAOK - Benfica

O Benfica tem de marcar na Grécia se quiser ter hipóteses de chegar pela nona vez seguida à fase de grupos, após o empate 1-1 em Lisboa ter deixado o PAOK em vantagem para a estreia nessa etapa.

Amr Warda, do PAOK, celebra após marcar frente ao Benfica
Amr Warda, do PAOK, celebra após marcar frente ao Benfica ©Getty Images

O Benfica tem de marcar na Grécia na segunda mão do "play-off"" se quiser ter hipóteses de chegar pela nona vez seguida à fase de grupos da UEFA Champions League, isto após o empate 1-1 da semana passada, em Lisboa, ter deixado o PAOK em vantagem para a estreia nessa etapa.

• Na primeira mão, uma grande penalidade de Pizzi colocou o Benfica em vantagem, mas Amr Wada saiu do banco de suplentes para marcar um golo fora que poderá ser vital para o PAOK.

• As quatro campanhas do PAOK na UEFA Champions League terminaram na fase de qualificação. Quanto ao Benfica, seguiu em frente nas duas vezes que defrontou o adversário grego na Europa e procura regressar à fase de grupos para corrigir o mau desempenho da época passada, quando registou seis derrotas em seis jogos.

Confrontos anteriores
• Todos os embates entre os dois clubes aconteceram na Taça UEFA/UEFA Europa League e o Benfica apurou-se em ambos. No primeiro com um triunfo por 4-1 no desempate por penalties após empate 3-3 no conjunto das duas mãos (vitórias fora por 2-1 para cada lado) na segunda eliminatória de 1999/2000.

• O reencontro deu-se nos 16 avos-de-final de 2013/14: o Benfica ganhou a primeira mão, na Grécia, por 1-0, antes de vencer por 3-0 em Lisboa com três golos nos últimos 20 minutos.

• No Benfica, Luisão e Eduardo Salvio participaram nos dois jogos dessa última ronda, enquanto Jardel e Ljubomir Fejsa alinharam apenas no primeiro. Do lado grego, Panagiotis Glykos e Stelios Kitsiou disputaram as duas partidas.

Highlights: Benfica 1-1 PAOK
Highlights: Benfica 1-1 PAOK

Guia de forma
PAOK
• Segundo classificado na Liga grega em 2017/18 pela segunda vez nas últimas três edições, a mais recente campanha do PAOK na UEFA Champions League durou apenas dois jogos, tendo sido afastado pelo Ajax com um resultado total de 3-2 na terceira pré-eliminatória de 2016/17.

• Na época passada, o PAOK bateu o Olimpik Donetsk na terceira pré-eliminatória da UEFA Europa League (resultado total de 3-1), mas depois foi afastado pelos suecos do Östersund no "play-off" devido aos golos fora (3-1 em casa, 0-2 fora).

• O PAOK eliminou o Basileia, com um resultado total de 5-1 (2-1 em casa, 3-0 fora), e o Spartak Moscovo, com um resultado total de 3-2 (3-2 em casa, 0-0 fora), para atingir esta fase.

• A formação helénica venceu os últimos quatro jogos europeus em casa, e cinco dos últimos seis.

• A única presença do PAOK no "play-off" da UEFA Champions League terminou com uma eliminação frente ao Schalke, com um resultado total de 4-3, em 2013/14 (1-1 fora, 2-3 em casa). O seu registo no "play-off" da UEFA Europa League é de cinco apuramentos e três eliminações.

• O emblema de Salónica venceu apenas um dos três jogos caseiros frente a equipas portuguesas. Aparte as duas derrotas com o Benfica, somou uma vitória frente ao Leixões, por 4-1, na segunda mão da primeira eliminatória da Taça UEFA 2002/03, apurando-se com um resultado total de 5-3.

• O registo do PAOK em desempates por penalties nas provas da UEFA é de quatro derrotas:
1-4 contra o Benfica, segunda eliminatória da Taça UEFA 1999/2000
3-4 contra o Sevilha, primeira eliminatória da Taça UEFA 1990/91
8-9 contra o Bayern, segunda eliminatória da Taça UEFA 1983/84
4-5 contra o Eintracht Frankfurt, primeira eliminatória da Taça dos Clubes Campeões Europeus 1981/82

Benfica
• Segundo classificado na Liga portuguesa em 2017/18, o Benfica tenta qualificar-se para a fase de grupos da UEFA Champions League pela 14ª vez no seu historial e a nona consecutiva.

• O Benfica chega a este "play-off" após ter afastado o Fenerbahçe na terceira pré-eliminatória com um resultado total de 2-1 (1-0 em casa, 1-1 fora). A primeira mão encerrou uma série de sete derrotas seguidas nas competições europeias, sendo que em cinco desses jogos as "águias" não marcaram. Ainda assim, o Benfica soma apenas duas vitórias nos últimos 12 jogos europeus (E2 D8).

• O empate no reduto do Fenerbahçe encerrou uma série de quatro jogos fora a perder e sem marcar golos nas competições europeias, sendo que o Benfica venceu apenas um dos últimos nove jogos fora (E2 D6).

• Esta é apenas a segunda vez que o Benfica disputa o "play-off" da UEFA Champions League. Na primeira, em 2011/12, eliminou o Twente (2-2 fora, 3-1 em casa).

• O triunfo sobre o PAOK na primeira mão, em 2014, colocou um ponto final numa série de três derrotas seguidas do Benfica na Grécia, onde soma três vitórias e cinco empates.

• O registo do Benfica em desempates nas competições europeias é de uma vitória e quatro derrotas:
2-4 contra o Sevilha, final da UEFA Europa League 2013/14
4-1 contra o PAOK, segunda eliminatória da Taça UEFA 1999/2000
5-6 contra o PSV Eindhoven, final da Taça dos Clubes Campeões Europeus 1987/88
1-4 contra o Torpedo Moscovo, primeira eliminatória da Taça dos Clubes Campeões Europeus 1977/78
3-5 contra o Vorwärts Berlin, segunda eliminatória da Taça dos Vencedores de Taças 1970/71

Ligações e curiosidades

• Andreas Samaris, médio do Benfica, soma 32 internacionalizações pela Grécia.

• Fernando Varela, defesa do PAOK, nasceu em Portugal, mas é internacional por Cabo Verde.

• Jogaram na Grécia:
Odisseas Vlachodimos (Panathinaikos 2016–18)
Ljubomir Fejsa (Olympiacos 2011–13)
Andreas Samaris (Panachaiki 2006–10, Panionios 2010–13, Olympiacos 2013/14)

• Vlachodimos e Giannis Mystakidis foram colegas de equipa no Panathinaikos em 2017/18.

• Jogaram em Portugal:
Fernando Varela (Rio Maior 2006/07 empréstimo, Estoril 2007–09, Trofense 2009–11, Feirense 2011/12)
Vieirinha (Porto 2003–05 e 2006/07, Marco 2005/06 empréstimo, Leixões 2007/08 empréstimo)
Dimitris Pelkas (Vitória FC, 2014/15 empréstimo)

• Colegas de selecção:
Vieirinha, André Almeida, Pizzi e Rafa Silva (Portugal)
Panagiotis Glykos, Stelios Kitsiou, Dimitris Pelkas e Andreas Samaris (Grécia)
Aleksandar Prijović e Andrija Živković (Sérvia)

Topo