1967/68: Charlton leva United à glória

O Manchester United sagrou-se campeão europeu pela primeira vez em Wembley, em 1968. O guarda-redes Alex Stepney e o defesa David Sadler recordam o triunfo sobre o Benfica.

Manchester United FC 4-1 Benfica

Na época de 1967/68, o Manchester United FC marcou o décimo aniversário da tragédia aérea de Munique ao bater, em Wembley, o Benfica, na final da Taça dos Clubes Campeões Europeus. O United tornou-se um dos principais favoritos depois de o Celtic FC, detentor do troféu, ter sido afastado pelo FC Dynamo Kyiv logo na primeira ronda. Hibernians FC, FK Sarajevo, KS Górnik Zabrze e Real Madrid CF sucumbiram todos na caminhada do United até à final, mas a formação inglesa não se livrou de alguns sustos.

Reacção em Madrid
A equipa de Matt Busby nunca logrou ganhar fora, situação que lhe poderia ter custado bem caro nas meias-finais. A perder por 3-1 em Madrid na segunda mão, o United estava perto de sofrer a sua quarta derrota na prova. Contudo, os golos tardios de David Sadler e Bill Foulkes colocaram os "red devils" na final, com um total de 4-3 na eliminatória.

Stepney defende
O Benfica, por seu lado, foi a primeira equipa a ganhar uma eliminatória graças à regra dos golos marcados fora, que havia sido precisamente implementada nessa época. Foi assim que o Glentoran FC foi afastado na primeira eliminatória, antes de os "encarnados" eliminarem o AS Saint-Etienne e o Vasas SC. As meias-finais prometiam vir a ser um osso bem mais duro de roer para o Benfica, mas a Juventus não teve argumentos para contrariar a equipa portuguesa, acabando derrotada, por 3-0, no cômputo geral da eliminatória. Porém, o Benfica não foi feliz na final de Wembley, à semelhança do que já sucedera com a selecção nacional nas meias-finais do Mundial de 1966, frente à Inglaterra. Bobby Charlton inaugurou o marcador, antes de Jaime Graça restabelecer a igualdade aos 75 minutos. Eusébio teve uma excelente oportunidade para desfazer o empate mesmo em cima do minuto 90, mas o guardião inglês, Alex Stepney, impediu o pior, levando o jogo para prolongamento. O United não deu hipóteses no tempo suplementar, tendo Charlton assinado o 2-1, antes de George Best e Brian Kidd selarem o resultado final.

Topo