Solskjær sobre o Paris, Ferguson e jogar à United

Edinson Cavani "é como um Viking", Kylian Mbappé "tem uma velocidade incrível", mas o treinador Ole Gunnar Solskjær sabe que o United pode "desafiar a defesa do Paris".

Ole Gunnar Solskjær está ansioso por testar o poderio do United frente ao Paris
Ole Gunnar Solskjær está ansioso por testar o poderio do United frente ao Paris ©Getty Images

Treinador do Manchester United até ao final da época, o antigo avançado Ole Gunnar Solskjær teve excelentes resultados nos primeiros tempos em Old Trafford. No entanto, o treinador de 45 anos explicou ao UEFA.com que não pensa para além do duelo com o Paris nos oitavos-de-final da UEFA Champions League.

O GRANDE MOMENTO DE SOLSKJÆR: A FINAL DE 1999

Sobre o Paris

A admiração de Solskjær pelos franceses
A admiração de Solskjær pelos franceses

"Tenho de reconhecer que é uma equipa que tem tudo. Conseguem criar espaços, têm técnica e força. [Edinson] Cavani é como um Viking, como aqueles que vemos nos filmes, parece um guerreiro! O [Kyllian] Mbappé tem uma velocidade incrível, não há ninguém que tão rápido como ele."

"Depois, há também o Neymar. O forma como ultrapassa os defesas é incrível, mas também é um bom finalizador. Eu também tenho três bons avançados. Para além do [Marcus] Rashford, [Anthony] Martial e [Romelu] Lukaku, também temos o [Alexis] Sánchez e o [Jesse] Lingard para desafiar a defesa do Paris."

"[O treinador do Paris Tomas] Tuchel é muito bom tacticamente. Pode apostar num 3-4-3 ou jogar em 4-4-2 ou num 4-3-3, pelo que não podemos preparar uma forma de defender específica. Temos de ver como podemos melhorar, é a única coisa que realmente conseguimos controlar. Temos de redescobrir a forma de jogar à Manchester United. Não há muitas equipas que tenham uma noite tranquila em Old Trafford quando estamos inspirados."

"Temos de impor o nosso jogo aos adversários, acreditar nas nossas capacidades. Se perguntarem aos treinadores que defrontaram as equipas de Alex Ferguson irão perceber que a velocidade da saída para o ataque era decisiva. E, claro, a crença, a pressão. Nos últimos 15 a 20 minutos, a jogar em direcção à bancada de Stretford End, parecia que a bola era atraída pela baliza."

Sobre a carreira de treinador

Solskjær e o 'segundo pai', Alex Ferguson
Solskjær e o 'segundo pai', Alex Ferguson©Getty Images

"Alex Ferguson foi como um segundo pai. Acabei por viver na mesma rua do que ele e os netos andavam na turma dos meus filhos, é claro que tive um relacionamento fantástico com ele ao longo dos anos. Independentemente de qual fosse a questão, tinha sempre resposta para tudo e deixava-nos a pensar: 'Sabe mesmo muito'!"

"Quando tinha 27 ou 28 anos nunca pensei que viria a ser treinador, nunca gostei de estar na ribalta, mas depois tive a lesão [um problema num joelho que o obrigou a um final precoce da carreira] e foi então que pensei: 'Se não puder voltar a jogar, quero continuar ligado a este desporto'. Quando terminaram os meus 20 anos de loucura ou euforia no futebol, chamem-lhe o que quiserem, decidi: 'Vai ser este o meu caminho'."

"Alex Ferguson disse que eu era analítico, mas isso era apenas frente a um ou dois defesas que tinha de defrontar. Pensei que sabia tudo sobre futebol mas, depois de me tornar treinador, percebi que tinha de saber tudo sobre todas as posições."

Sobre a UEFA Champions League

Os melhores momentos de Solskjær na UEFA Champions League
Os melhores momentos de Solskjær na UEFA Champions League

"As maiores noites da minha carreira foram vividas na Champions League. Quando chegamos a esta fase da prova e somos o centro de todas as atenções só pensamos nestes desafios. Quando ouvimos o hino no estádio e entramos em campo, é sinal que estamos perante um daqueles momentos especiais, muito especiais, em Old Trafford."

"Se já pensei em vencer esta competição? Não penso nisso agora. Agora estou concentrado apenas em vencer o Paris Saint-Germain e passar à ronda seguinte."

Topo