Liga portuguesa: Análise à primeira volta

Decorridas as primeiras 17 jornadas na Liga portuguesa, olhamos para o desempenho de Porto, Benfica, Braga e Sporting na luta pelo título.

O Porto terminou a primeira volta no topo tal como na época passada
O Porto terminou a primeira volta no topo tal como na época passada ©Getty Images

Decorridas as primeiras 17 jornadas, olhamos para o desempenho de Porto, Benfica e Sporting, habituais candidatos ao título, e Braga, que ocupa o último lugar do pódio.

Nota: Números apresentados são os da primeira volta

Porto

2017/18: 1º lugar, 45 pontos, 14V 3E 0D, 45GM 9GS (+36)
2018/19: 1º lugar, 43 pontos, 14V 1E 2D, 34GM 10GS (+24)

Nulo com o Sporting encerrou série vitoriosa do Porto
Nulo com o Sporting encerrou série vitoriosa do Porto©Getty Images

Líder nas primeiras duas jornadas, o Porto recuperou a posição de topo na oitava ronda e não mais a perdeu, tendo mesmo terminado a primeira volta com vantagem maior (cinco pontos) sobre o segundo classificado, nesta altura o Benfica. A equipa de Sérgio Conceição continua a apostar num futebol vigoroso e dinâmico, assente numa retaguarda sólida e num ataque criativo e goleador, suportado pela raça e crer que os adeptos portistas tanto apreciam.

As saídas dos titulares Iván Marcano e Ricardo foram bem colmatadas, principalmente no caso do primeiro, com a escolha a recair em Éder Militão, um dos destaques da equipa e do campeonato. Danilo recuperou de lesão prolongada e voltou a ser um esteio do meio-campo, juntamente com Héctor Herrera, enquanto no ataque, apesar da lesão prolongada de Vincent Aboubakar num joelho, Moussa Marega e Soares têm estado irrepreensíveis, com ambos a garantirem já seis pontos.

Apesar da inesperada derrota, em casa, frente ao Vitória SC, o segundo desaire à sétima jornada (registo que igualou toda a época passada), diante do Benfica, serviu como ponto de viragem para uma série de nove vitórias seguidas, só interrompida com o empate diante do Sporting a fechar a primeira metade do campeonato.

Benfica

2017/18: 3º lugar, 40 pontos, 12V 4E 1D, 40GM 11GS (+29)
2018/19: 2º lugar, 38 pontos, 12V 2E 3D, 37GM 17GS (+20)

O Benfica continua a cinco pontos do topo, mas acabou a primeira volta no segundo lugar. O conjunto de Lisboa tem sustentado a campanha principalmente na qualidade técnica dos seus executantes do meio-campo para a frente.

Haris Seferović festeja o golo da vitória sobre o Porto no início de Outubro
Haris Seferović festeja o golo da vitória sobre o Porto no início de Outubro©Getty Images

As "águias" não perderam titulares da época passada e dos reforços só o guarda-redes Odysseas Vlachodimos se assumiu em pleno, sendo Gedson Fernandes, da equipa B, a outra boa novidade. O ataque foi a zona mais afectada por mudanças, mas Jonas, apesar das recorrentes lesões, leva já seis golos. Haris Seferović tem sido um substituto competente (sete tentos), enquanto Rafa Silva (afastado dos últimos jogos por lesão) atravessa a sua época mais goleadora e João Félix começa a confirmar todo o seu talento.

Os "encarnados" começaram bem e na primeira pausa internacional, à sétima jornada, após o triunfo sobre o Porto, ocupavam o primeiro lugar. Mas dois desaires seguidos, e mais tarde, a derrota fora com o Portimonense deixou-os longe do topo e originaram a saída de Rui Vitória, substituído por Bruno Lage, técnico da equipa B. No mini-campeonato com os quatro principais rivais, o Benfica é quem soma mais pontos (sete), contudo já perdeu 11 frente a equipas de menor dimensão.

Braga

2017/18: 4º lugar, 37 pontos, 12V 1E 4D, 34GM 15GS (+19)
2018/19: 3º lugar, 37 pontos, 11V 4E 2D, 32GM 17GS (+15)

O Braga tem nesta altura os mesmos pontos do que em 2017/18, mas conseguiu subir um lugar na tabela. Equipa com um futebol agradável, tem realizado exibições personalizadas e, à excepção da goleada opor 6-2 sofrida frente ao Benfica, tem causado dificuldades aos outros candidatos, tendo vencido o Sporting e perdido pela margem mínima com o Porto.

Dyego Sousa (à direita) é o melhor marcador da Liga portuguesa com 12 golos
Dyego Sousa (à direita) é o melhor marcador da Liga portuguesa com 12 golos©AFP/Getty Images

A formação do Minho sofreu várias alterações no "onze" base, com a saída de quatro titulares. O treinador Abel Ferreira encontrou soluções maioritariamente em casa, desde logo Fransérgio, recuperado de lesão para assumir lugar de destaque no meio-campo, ao lado do reforço Claudemir, possuidor de vasta experiência em campeonatos europeus. No ataque pontifica Dyego Sousa, líder dos melhores marcadores da competição, com 12 golos. Com menos jogos, o atacante brasileiro já melhorou a sua conta pessoal da época passada e já valeu sete pontos à equipa bracarense.

O Braga intrometeu desde o início na luta pelo primeiro lugar e chegar a ocupá-lo isolado após a sexta ronda e depois várias vezes de forma partilhada até à 10ª jornada. Só que após a derrota com o Porto, ao décimo encontro, perdeu fulgor e encontra-se a seis pontos dos "azuis-e-brancos".

Sporting

2017/18: 2º lugar, 43 pontos, 13V 4E 0D, 38GM 10GS (+28)
2018/19: 4º lugar, 35 pontos, 11V 2E 4D, 33GM 18GS (+15)

O Sporting piorou em relação à época passada. A chegada de Marcel Keizer para substituir José Peseiro revitalizou o futebol da equipa e o facto traduziu-se em muitos golos e resultados positivos, ainda que com uma quebra recente.

O capitão Nani tem sido um dos destaques no Sporting
O capitão Nani tem sido um dos destaques no Sporting©Getty Images

Os "leões" viram sair elementos importantes, como Rui Patrício, William Carvalho e Gelson Martins, mas contam com o regressado Nani, líder e peça fundamental num "onze-tipo" onde entram mais quatro reforços. Sebástian Coates e Jérémy Mathieu mantiveram-se como pilares da defesa, enquanto no meio-campo falta Rodrigo Battaglia, lesionado por vários meses e Bruno Fernandes continua a ser o arquitecto do jogo ofensivo, finalizado em grande parte pelo letal Bas Dost.

Peseiro saiu à oitava jornada com o Sporting na quinta posição, mas somente a dois pontos do líder Porto e já tinha encetado uma série de vitórias consecutivas, mantendo essa diferença pontual até à 13ª ronda, quando já era segundo classificado. No entanto, duas derrotas, um empate e apenas uma vitória nos últimos quatro jogos deixaram os "verde-e-brancos" no quarto posto a oito pontos do topo.

Topo