David Beckham, um dos melhores dos tempos modernos

O UEFA.com destaca a carreira de David Beckham, o mais recente vencedor do Prémio Presidente da UEFA.

©Getty Images

Aos 43 anos, David Beckham vai receber o Prémio Presidente da UEFA, pelo seu contributo notável para o futebol europeu. Eis os motivos.

Números da carreira

Selecção: 115 jogos, 17 golos
Competições de clubes da UEFA: 119 jogos, 17 golos
Competições nacionais europeias: 484 jogos, 92 golos

Tinha uma verdadeira dedicação pela sua profissão

"'Becks' era o verdadeiro profissional", diz o antigo colega Paul Ince. "Mal o treino acabava, ele praticava a marcação de livres e cantos, e podia passar uma hora nisso". Já Alex Ferguson, seu antigo treinador no United, diz que "quando aqui chegou, com 16 anos, treinava de manhã e à tarde, mas à noite ainda aparecia para a sessão dos miúdos mais novos", acrescentando: "No início de cada época, os resultados dos seus testes físicos eram sempre impressionantes".

Não era apenas um menino bonito

O facto de ser casado com uma cantora e ter uma vida glamourosa levava algumas pessoas a desviar a atenção do que fazia em campo. "Por muito que diga que não me magoa, estou a mentir", lamentou-se. No entanto, os colegas puderam comprovar o seu empenho e qualidade técnica. A sua maior virtude era fornecer jogo. A esse propósito, Rio Ferdinand disse: "O David Beckham é um dos melhores passadores com quem joguei. O seu pé direito tem uma precisão incrível e a bola até tinha um som mais agradável quando ele lhe tocava".

Especializou-se em marcar grandes golos

Zinédine Zidane, Beckham e Roberto Carlos no Real Madrid
Zinédine Zidane, Beckham e Roberto Carlos no Real Madrid©Getty Images

Logo na estreia, em 1994, marcou de canto directo, mas foi talvez o chapéu desde o meio-campo, no arranque da Premier League de 1996/97, que forjou a sua reputação para grandes golos. O próprio diz: "Esse golo mudou a minha vida. Pareceu uma eternidade até a bola entrar e o estádio inteiro estava em silêncio. Depois quando ela entrou foi a loucura". Mas a sua especialidade eram os livres directos, e Roberto Carlos, também ele um especialista, disse: "Ele é melhor do que eu. É um prazer vê-lo marcar livres, e ele mostrou que isso não se consegue apenas com força".

Superou adversidades nos clubes e selecção

Beckham após marcar à Grécia em 2001
Beckham após marcar à Grécia em 2001©Getty Images

Foi apontado como o principal responsável pela eliminação da Inglaterra no Campeonato do Mundo de 1998, após ser expulso frente à Argentina, mas reconquistou os adeptos com um grande golo frente à Grécia, que valeu o apuramento para a edição seguinte, acabando por capitanear a selecção em 59 ocasiões.

Deixou o United em 2003, em choque com Alex Ferguson. "A mágoa foi tão grande que só voltei a ver um jogo do United passados dois anos". Na estreia pelo Real Madrid marcou logo aos dois minutos, mais tarde revelando: "Foi o meu golo mais importante em Espanha, pois as pessoas duvidavam da minha qualidade. Pensavam que eu só servia para vender camisolas". No entanto, estima-se que a sua presença tenha ajudado a aumentar em cerca de 500 milhões de euros as receitas do clube.

Mostrou classe por onde passou

Zlatan Ibrahimović bastante elogioso para com o antigo colega
Zlatan Ibrahimović bastante elogioso para com o antigo colega©Getty Images

Apenas Cristiano Ronaldo e Lionel Messi conseguem perceber o nível de mediatismo que Beckham recebeu ao longo da carreira, e a sua capacidade para jogar ao mais alto nível sob as luzes da ribalta foi notável. Mesmo na parte final da carreira não deixou de ser decisivo: ajudou a aumentar o estatuto do futebol norte-americano e contribuiu para o Paris se sagrar campeão, doando o seu salário no clube francês a instituições de solidariedade. "Quem disser mal dele tem ciúmes ou odeia-o, pois ele não tem pontos negativos", afirmou Zlatan Ibrahimović, antigo colega no Paris".

Topo