Benfica envia "mensagem a toda a Europa"

Mesmo desfalcado, o Benfica deixou bem claro à Europa as suas intenções, após eliminar o Zenit nos oitavos-de-final, segundo Andreas Samaris, que brilhou na Rússia como defesa-central improvisado.

Andreas Samaris (à esquerda) celebra com os colegas
Andreas Samaris (à esquerda) celebra com os colegas ©AFP/Getty Images

Com cinco defesas e o habitual guarda-redes titular ausentes, considerar que as opções de Rui Vitória para o sector mais recuado do Benfica estavam limitadas é dizer pouco.

Mas foi um teste com o qual o treinador das "águias" soube lidar na perfeição. Colocou Andreas Samaris como defesa-central improvisado e o internacional grego mostrou-se um autêntico colosso em São Petersburgo, segurando o ataque do Zenit o suficiente para ajudar o campeão português a seguir para os quartos-de-final da UEFA Champions League.

Foi uma espécie de baptismo de fogo para o jogador de 26 anos, que nunca antes tinha jogado no centro da defesa em jogos oficiais. Mas passou o exame com distinção. "Por vezes, nos treinos, actuo como defesa-central, mas um treino é bem diferente de um jogo, ainda para mais um jogo da fase a eliminar da UEFA Champions League."

Samaris destaca que a sua equipa mostrou durante a primeira parte que queria "vencer o Zenit" e que não estava ali para se limitar a jogar para o 0-0, suficiente para garantir a passagem à ronda seguinte depois da vitória por 1-0 em Lisboa. Os segundos 45 minutos foram bem diferentes, com a turma russa a partir com tudo para o ataque em busca do golo.

"Senti-me bem, confortável, e o mais importante é que a equipa ganhou", acrescentou Samaris. "O meu objectivo era que a equipa não sofresse golos. Sofremos mas ganhámos, por isso posso ficar tranquilo."

Samaris, habituado a jogar no meio-campo, mostrou uma fantástica leitura táctica ao longo do encontro, liderando o muito jovem sector mais recuado dos "encarnados", que incluía também o central sueco Victor Lindelöf, de 21 anos, e o guarda-redes Ederson, estreante na prova.

"Todos os jogadores estão prontos para jogar em qualquer posição. Um dos principais aspectos desta época é que temos jogadores capazes de jogar em qualquer lado e mostrámos isso aqui da melhor forma possível."

O Benfica mostrou uma resiliência excepcional e capacidade para triunfar perante a adversidade, o que poderá constituir um bom augúrio para o resto da prova. Além disso, há ainda a vontade de jogar para o bem colectivo e não para o individual. "Enviámos a toda a Europa a mensagem de que temos capacidade para defrontar qualquer equipa, seja em que circunstância for", concluiu Samaris.

Topo