Segunda mão: O que esperar

Espera-se muita emoção na conclusão da primeira pré-eliminatória, esta terça-feira: o Pyunik lamenta as oportunidades perdidas na primeira mão e o B36 quer fazer história.

O Pyunik espera maior eficácia nesta segunda mão
O Pyunik espera maior eficácia nesta segunda mão ©Hakber

Pyunik com algo a provar
Nunca as equipas da Arménia viveram um tão bem sucedido arranque nas provas europeias. As quatro representantes europeias do país terminaram invictas as partidas da primeira mão, com o campeão FC Pyunik a vencer por 2-1 na recepção ao SS Folgore, resultado talvez escasso - dado os 26 remates efectuados á baliza - e que deixa tudo em aberto para a segunda mão, em San Marino. "Desperdiçámos demasiadas oportunidades", reconheceu o treinador Sargis Hovsepyan, "mas agora vamos provar a nossa superioridade com uma vitória clara fora".

Folgore não desiste
Para o Folgore, a visita à Arménia foi repleta de percalços, com problemas com o autocarro tanto na saída de San Marino como noa chegada à Arménia, onde os jogadores tiveram mesmo de concluir de táxi a viagem até ao hotel. Apesar disso, os campeões de San Marino não se deixaram afectar e conseguiram um golo fora que pode revelar-se decisivo. "O Pyunik é muito forte, mas nós vamos contar com o regresso de alguns jogadores para a segunda mão e, se jogarmos como jogámos nesta primeira, tudo é possível", assegurou o treinador Nicola Berardi.

B36 pronto para fazer história
Quem também ainda acredita no apuramento é o B36 Tórshavn, apesar de na semana passada se ter visto derrotado por 2-1 em casa pelo The New Saints FC. Apenas por uma vez na história um clube das Ilhas Faroé conseguiu seguir em frente nas provas europeias depois de derrotado na primeira mão – quando o HB Tórshavn ultrapassou a pré-eliminatória da Taça das Taças de 1993/94 graças a um triunfo por 3-0 na secretaria - mas o B36 mostra-se determinado a igualar esse feito. "Difícil, mas não impossível", pode ler-se no seu site oficial.

Levadia na expectativa
O FC Levadia Tallinn fixou um novo recorde para o futebol da Estónia na temporada passada, ao ultrapassar uma pré-eliminatória com um total de oito golos de diferença. Desta feita, contudo, não foi além de um nulo na Irlanda do Norte, frente ao Crusaders FC. Ainda assim, a equipa atravessa um bom momento e o encontro da segunda mão está a despertar grande interesse, tendo mesmo sido transferido para a Arena A. Le Coq, habitual palco dos jogos da selecção nacional da Estónia, de forma a acolher mais espectadores.

Crusaders procuram desbravar caminho
O Crusaders, por seu lado, procura fazer história em Tallinn, uma vez que nunca conseguiu ultrapassar uma ronda da UEFA Champions League. O avançado Jordan Owens afirmou: "Na época passada conseguimos vencer uma eliminatória da Europa League, mas será um feito ainda maior para nós se conseguirmos agora passar esta ronda da Champions League.

Topo