Juventus - Barcelona: Antevisão da final

Juventus e Barcelona disputam a sua oitava final: Massimiliano Allegri salienta necessidade de vencer; Luis Enrique quer mais um troféu para "uma geração única".

O palco da final, o Olympiastadion de Berlim
O palco da final, o Olympiastadion de Berlim ©Sportsfile

Juventus e Barcelona defrontam-se em Berlim, a oitava final de cada um na competição
Massimiliano Allegri pede à Juventus para dar o "último passo"
Luis Enrique diz que o Barcelona "está onde quer estar"
Giorgio Chiellini, defesa da Juve, ausente devido a uma lesão nos gémeos; Xavi Hernández pronto para último jogo pelo Barça
Barcelona em busca do quinto título, quarto nos últimos dez anos; Juve tenta alcançar terceiro troféu

Equipas prováveis
Juventus: Buffon; Lichtsteiner, Bonucci, Barzagli, Evra; Marchisio, Pirlo, Pogba; Vidal; Tévez, Morata.
Ausentes: Chiellini (gémeos), Cáceres (tornozelo)
Em dúvida: Barzagli (coxa)

Barcelona: Ter Stegen; Alves, Piqué, Mascherano, Alba; Rakitić, Busquets, Iniesta; Messi, Suárez, Neymar.
Ausentes: ninguém
Em dúvida: ninguém

Massimiliano Allegri, treinador da Juventus
Começámos a época com um objectivo importante – chegar aos quartos-de-final. Agora estamos na final, e temos de ganhar. Precisamos de dar o último passo; isso é sempre difícil, especialmente numa final da Champions League.

Messi, Neymar, Suárez, é a questão habitual desde as meias-finais – como travá-los, como? Teremos de ser muito habilidosos, mas é preciso reconhecer que não vamos para empatar; é necessário marcar. Como se trava o Barcelona? Precisamos de pensar em formas de marcar. Precisamos de ser tecnicamente habilidosos porque eles são uma equipa muito técnica e o ataque é a sua melhor arma, por isso precisaremos de ser muito, muito bons nesse aspecto.

Precisamos de estar concentrados durante 90 minutos, do princípio até ao fim. Precisamos de ser fortes mentalmente e dar a volta aos acontecimentos, porque somos tão favoritos quanto o Barcelona. É um jogo que decide tudo, não há segundo jogo para corrigir erros, por isso precisaremos de estar aptos. A nível físico, é esse o caso, e o mesmo se aplica à nossa componente mental. Precisamos de ser bons frente a uma grande equipa, mas tal como outras, também tem falhas – e fraquezas.

Juventus: caminhada até à final
Juventus: caminhada até à final

Uma das duas equipas vai ganhar uma "tripla" de troféus, seja Juventus ou Barcelona – espero que sejamos nós. Precisamos de reconhecer que isto não é fácil. Não é fácil dirigir grandes equipas, apesar do que parece visto do exterior. Luis Enrique foi um óptimo treinador na Roma; esta é uma nova liga e uma nova situação, mas mesmo nessa altura ficou claro que ele tinha ideias bem definidas. O meu papel é, como treinador, acrescentar valor a uma equipa que já tinha qualidade – desenvolvendo-a ainda mais.

Deverá ser um grande jogo; tal como todas as finais da Champions League, vamos precisar de alguma sorte, e vamos trabalhar para ela.

Temos muita pena pelo que aconteceu com Chiellini. Perdemos um jogador que tinha sido excelente para nós desde o início da época. Barzagli e Ogbonna estão em condições de jogar; se Barzagli se sentir bem, vai jogar, caso contrário será Ogbonna.

Massimiliano Allegri fala À comunicação social
Massimiliano Allegri fala À comunicação social©Getty Images

É importante ter uma equipa italiana na final. A última vez que isso aconteceu foi há cinco anos, em 2010, quando o Inter ganhou. Dá para ver o entusiasmo em Itália; a maioria dos italianos aguardam com expectativa por ver a Juventus erguer o troféu. Será algo positivo para o nosso futebol.

Independentemente do desfecho, tivemos uma temporada extraordinária. Aparte o campeonato e a décima Taça de Itália, que não ganhávamos há 20 anos, temos de considerar a consolidação da equipa na Europa, ao voltar a estar entre as oito melhores equipas. Isso é importante para ter alguma continuidade.

Luis Enrique, treinador do Barcelona
[Melhorar] é um processo normal ao longo de uma época, especialmente tendo em conta que esta é a minha época de estreia no clube. Agora a equipa está onde quer estar – com dois títulos ganhos e a possibilidade de conseguir um terceiro. Enfrentamos este jogo com grande entusiasmo e esperança de realizar uma excelente exibição, por forma a sermos melhores que o adversário.

Barcelona: caminhada até à final
Barcelona: caminhada até à final

O meio-campo é o centro nevrálgico do jogo, seja a atacar ou a defender. Temos de dominar a vertente ofensiva e defensiva. Queremos praticar o nosso estilo de jogo; ter a bola, criar perigo e minimizar as hipóteses do adversário.

Existe alguma euforia entre os adeptos e isso agrada-nos – esse sentimento já dura há alguns meses. Como treinadores e jogadores, concentramo-nos nesta partida com um grande sentido de seriedade e responsabilidade. Temos de lidar com o jogo muito bem e certificar-nos que temos um bom dia, pois só assim se pode enfrentar um oponente tão forte.

Creio que vamos ter mais posse de bola; esperamos passar mais tempo no meio-campo adversário. Teremos de jogar ao mais alto nível, vai ser um jogo difícil. O Juve tem uma forma de jogar semelhante à nossa, em que também precisa de ter a bola. São muito bons a defender, possuem vários recursos e por isso é que estão na mesma posição que nós – também podem ganhar uma "tripla" de troféus. Sabemos que a Juve vai tentar pressionar-nos. O vencedor vai depender de quem souber adaptar-se melhor a essas situações.

Luis Enrique na conferência de imprensa de antevisão
Luis Enrique na conferência de imprensa de antevisão©Getty Images

Marcámos vários golos na Champions League mas sabemos que as finais são muito diferentes; existe bastante tensão por isso teremos de anular esse aspecto. Os avançados são os mais destacados e isso é algo natural. Estar aqui, depois de já termos ganho dois títulos em Espanha, os jogadores sabem que para isso é preciso um plantel – não tínhamos chegado aqui se também não fosse o trabalho dos defesas.

Temos um conjunto único de jogadores, uma geração única, tendo em conta os troféus ganhos pelo Barcelona. Espero que se assista a uma grande final, um jogo aberto e divertido – isso seria óptimo para o futebol, e que ganhe o melhor. Será um dos melhores jogos a que poderão assistir – o confronto entre o campeão italiano e o espanhol. Vai ser espectacular.

Último jogo
Hellas Verona FC 2-2 Juventus (Toni 48, Juanito 90+3; Pereyra 42, Llorente 57)
Athletic Club 1-3 Barcelona (Williams 79; Messi 20 73, Neymar 36)

Conheça o árbitro da final
Conheça o árbitro da final

Estatística
Depois de ambos terem ganho o campeonato e a taça, Juventus e Barcelona podem completar uma "tripla" de troféus com um triunfo em Berlim – quantos clubes já alcançaram esse feito? Descubra na nossa retrospectiva alargada do jogo.

Topo