Robben, Götze e Benatia sobre Guardiola

Arjen Robben disse que Josep Guardiola é "completamente obcecado" com o futebol entre elogios ao treinador do Bayern, também seguidos por Mario Götze e Medhi Benatia.

Arjen Robben, Mario Götze e Medhi Benatia, do Bayern, revelam ao UEFA.com as principais qualidades de Josep Guardiola e de que forma o treinador melhorou as abordagens individuais aos jogos.

Com quase 20 títulos conquistados ao nível de clubes em menos de oito anos como treinador, Josep Guardiola tem mostrado ser tão bom a treinar como era a jogar. É essa, pelo menos, a opinião de vários jogadores do FC Bayern München, como Arjen Robben, Mario Götze e Medhi Benatia, que estiveram à conversa com o UEFA.com antes da recepção ao FC Shakhtar Donetsk para a segunda mão dos oitavos-de-final da UEFA Champions League e avaliaram o que o seu futebol ganhou com Guardiola.

©Getty Images

Arjen Robben
Sinto que, sob as suas ordens, dei grandes passos em frente no que toca ao posicionamento. Para além disso, também na variação do meu jogo, surgindo por vezes noutras posições, sobretudo na procura de espaços onde possa ser mais perigoso e ajudar a equipa a chegar ao golo, quer através de um cruzamento, quer através do surgimento em zonas de finalização, algo que temos trabalhado bastante. Gosto muito de trabalhar com ele, é um treinador obcecado pelo jogo e por melhorar a sua equipa. É bom fazer parte de algo assim.

©AFP/Getty Images

Mario Götze
Com o tempo, a adaptação à sua filosofia de jogo torna-se mais fácil. Não digo que tenha tido problemas no início, mas é difícil quando se está durante algum tempo a jogar com os mesmos colegas de determinada forma e, depois, tem de se mudar o estilo de jogo. Mas nós fomo-nos adaptando e demos um passo em frente esta temporada no que diz respeito à interpretação da filosofia do nosso treinador. Passámos a jogar mais próximos uns dos outros e isso é evidente tanto na Bundesliga como na Champions League. Todos cumprimos o nosso papel e eu tento contribuir com golos que ajudem a equipa.

Ele tem a sua influência, porque é o treinador. É ele que decide a filosofia de jogo, é ele que decide que vamos jogar um futebol baseado na posse de bola, atacar e procurar ocupar ao máximo os espaços. Penso que, sobretudo para um jogador de ataque como eu, é extremamente interessante. É bom implementar esse estilo, o qual tem tido reflexo nos nossos resultados e nos nossos jogadores. Sim, aprendi muito desde que aqui cheguei. Mudei-me para uma nova cidade, vim para um novo clube e há que saber ultrapassar estes novos desafios. Só assim nos podemos desenvolver.

©Getty Images

Medhi Benatia
O nosso treinador tenta sempre dificultar ao máximo a vida ao adversário, mas nem sempre com o mesmo estilo de jogo. Se for necessário alterar porque ele percebeu que assim será mais fácil vencer, então muda de imediato. Ele não pensa "Sou o Guardiola, sou treinador do Bayern e as tácticas que uso não importam, porque vamos ganhar". Ele não é assim. Procura ao máximo apresentar a sua equipa na melhor condição possível. Está sempre pronto a alterar a táctica para surpreender o adversário e para nos fazer subir de nível durante os jogos.

Topo