O sotaque brasileiro da Champions League

Com o fim da fase de grupos da UEFA Champions League, a redacção portuguesa do UEFA.com aproveita para escolher um "onze" de jogadores brasileiros que deram nas vistas.

Danilo tem sido um dos destaques da boa campanha do Porto
Danilo tem sido um dos destaques da boa campanha do Porto ©AFP/Getty Images

Agora que a fase de grupos da UEFA Champions League chegou ao fim e a competição goza de uma pausa antes do início da fase a eliminar, a redacção portuguesa do UEFA.com aproveita para escolher um "onze" de jogadores brasileiros que deram nas vistas.

De uma retaguarda sólida e pouco permeável até um ataque encabeçado por um goleador tardio, passando por um meio-campo ofensivo, esta formação, para além da característica qualidade técnica "canarinha", também se destaca por conter alguns elementos do FC Porto, uma das poucas equipas invictas na prova até ao momento.

Guarda-redes
Fabiano, FC Porto

Só após a lesão do emblemático Helton, na segunda metade da época passada, é que assumiu a titularidade. A sua estreia na principal competição europeia de clubes não podia estar a correr melhor, ajudando os "dragões" a manterem a baliza inviolada em três desafios.

Defesa-esquerdo
Marcelo, Real Madrid CF

Tem cumprido com distinção as suas tarefas primárias e também foi importante para o apuramento imaculado dos "merengues", mantendo o pendor ofensivo que lhe é característico, coroado com duas assistências para golo.

Defesa-central
Maicon, FC Porto

Um dos mais antigos do plantel, assume-se como o patrão da defesa "azul-e-branca", uma das menos batidas até ao momento, graças à sua capacidade de antecipação e desarme.

Defesa-central
David Luiz, Paris Saint-Germain

Manteve o estatuto de jogador fundamental trazido do Chelsea FC, caracterizando-se por boas prestações nas duas áreas, como é o exemplo do tento marcado ao FC Barcelona, na segunda jornada, e dois cortes providenciais a evitar golos no terreno do APOEL FC.

Lateral-direito
Danilo, FC Porto

Um portento de força física, é uma ajuda preciosa a defender mas também a atacar. Prova disso é a quantidade de jogo ofensivo que canaliza pelo seu flanco e a assistência que fez para golo.

Médio-defensivo
Casemiro, FC Porto

Aceitou o desafio do Porto, onde está emprestado pelo Real Madrid, e tem-se revelado uma agradável surpresa, conferindo segurança e equilíbrio à equipa, na recuperação e circulação de bola, ao mesmo tempo que também dá uma ajuda no processo ofensivo (uma assistência).

Médio-direito
Alex Teixeira, FC Shakhtar Donetsk

Um dos mais utilizados na campanha bem-sucedida dos "mineiros" na fase de grupos, para a qual contribuiu com três golos e muitos problemas para os adversários.

Médio-centro
Willian, Chelsea FC

Faz da sua polivalência uma arma importante para a equipa inglesa, jogando nas alas ou no centro, onde contribuiu com um golo e uma assistência.

Médio-esquerdo
Lucas Moura, Paris Saint-Germain.

O número 7 do Paris foi fundamental no apuramento dos gauleses, fazendo do flanco direito o espaço onde exibiu a sua criatividade e onde também assistiu para golo, no triunfo caseiro sobre o conjunto espanhol.

Avançado
Neymar, FC Barcelona

Continua a sua evolução e adaptação ao futebol europeu no Barcelona, partindo do flanco para o centro do terreno e mostrando cada vez mais apetência pelo golo. Prova disso são os três que marcou na fase de grupos, o último deles na quarta-feira, frente ao Paris, que ajudou os catalães a vencerem o Grupo F.

Avançado
Luiz Adriano, FC Shakhtar Donetsk
Algo discreto em campanhas anteriores, explodiu em termos goleadores esta temporada, em parte graças aos oito golos marcados nos encontros consecutivos com o FC BATE Borisov, que o ajudaram a igualar o recorde de melhor marcador de sempre numa fase de grupos (nove tentos), estabelecido por Cristiano Ronaldo em 2013/14.

Topo