Benfica resignado, Zenit satisfeito

Andreas Samaris e Jorge Jesus não esconderam a desilusão do Benfica; Hulk, Alex Witsel, Nicolas Lombaerts e André Villas-Boas destacaram a importância da vitória do Zenit.

Jorge Jesus insastifeito com o desenrolar da partida
Jorge Jesus insastifeito com o desenrolar da partida ©AFP/Getty Images

Hulk e Axel Witsel encantados por terem marcado os golos da vitória do Zenit em casa do Benfica
André Villas-Boas feliz por pôr fim à série do Benfica de 51 jogos sem perder em casa
Jorge Jesus lamenta expulsão de Artur com o resultado em 1-0 e elogia adeptos "encarnados"
Jesus e Andreas Samaris prometem que o Benfica vai reagir

Andreas Samaris, médio do Benfica
Estamos desiludidos. Jogámos em casa e queríamos ganhar. Sofremos um golo cedo e não estávamos à espera disso. Depois tentámos fazer o nosso jogo, mas a expulsão de Artur fez com que fosse mais difícil dar a volta ao jogo. Agora temos de reagir, aprender com os erros cometidos e acredito que vamos estar melhor no nosso próximo jogo.

Jorge Jesus, treinador do Benfica
Em primeiro lugar quero agradecer aos adeptos. Esta é a minha sexta época aqui e nunca vi uma coisa assim: um estádio a perder 2-0 e perceber as dificuldades da equipa, que estava a tentar fazer tudo com um jogador a menos. Agradeço do fundo do coração pela ajuda. Parecendo que não, foi muito importante para os próximos jogos. Nunca tivemos dúvidas que eles estiveram connosco, mas hoje foi um sentimento muito forte. O carinho dos adeptos entrou profundamente nos jogadores. Deu-nos muito moral para o futuro. Temos que agradecer agora no campo.

Não é normal o Benfica entrar num jogo não identificado com aquilo que tínhamos traçado para contrariar a força do Zenit pelo corredor central. Essa zona não esteve muito bem hoje. O Zenit aproveitou duas perdas de bola para marcar. Os primeiros minutos foram deficientes da nossa parte, e não é normal.

Fomos surpreendidos por uma saída forte do Hulk que deu golo. Não conseguimos bloquear o meio campo e havia muito espaço para o Axel Witsel e para o Danny. É neste contexto que se dá a expulsão do Artur. A perder por 2-0 com menos um em campo, mexemos muita coisa ao intervalo. Acho que fomos melhores com dez do que com 11.

Apesar de esta prova ser um campeonato curto, não estamos ainda de fora. Há muito equilíbrio e só no final se vai decidir quem vai apurar-se. Acredito no nosso objectivo, que é o apuramento. Se fizéssemos o 2-1 tínhamos entrado no jogo. Esta derrota não tira as nossas ambições. Neste grupo pode-se perder em casa e ir ganhar fora. Temos todas as condições para ir à Rússia ganhar. O Mónaco também ganhou ao Leverkusen. Vai ser equilibrado até à última jornada. No próximo jogo, frente ao Bayer 04 Leverkusen vai passar-se o mesmo que hoje. A responsabilidade e a exigência é a mesma que nos obrigava a ganhar hoje. A diferença é que nós perdemos pontos aqui.

Hulk, avançado do Zenit
Estou feliz por ter sido eleito Homem do Jogo e é sempre bom regressar a Portugal, onde tenho muitos amigos. Alguns deles até vieram do Porto para ver o jogo. Estou muito satisfeito com este resultado no estádio do Benfica.

O treinador estava consciente da importância deste jogo e preparou-nos bem. Alertou-nos sobre a qualidade do Benfica e entrámos muito bem no jogo. Tivemos a felicidade de marcar dois golos nos primeiros 25 minutos. A partir daí controlámos o jogo.

Foi um grande passe de Oleg Shatov para o meu golo. Só tive de rematar para a baliza. Mas o mais importante é a exibição colectiva e não o meu golo, ou o golo do Witsel. Todos estivemos bem e isso é que importa.

O nosso objectivo passa por chegar o mais longe possível nesta prova. Temos este ano a equipa mais forte desde que aqui cheguei. Para além disso temos um grande treinador. Luciano Spalletti também era, obviamente, um grande técnico, mas André Villas-Boas é um motivador fantástico.

Axel Witsel, médio do Zenit
Estivemos muito bem, marcámos dois golos e estou muito feliz. Não festejei loucamente o meu golo porque joguei aqui durante um ano e respeito toda a gente aqui. Foi estranho voltar aqui e estar no balneário da equipa visitante. Fui ao balneário do Benfica e os meus antigos colegas perguntaram-me: "Porque é que nos fizeste isto?". Mas, claro, estavam a brincar comigo.

Tem sido uma grande Champions League para mim até ao momento. Já voltei à Bélgica para defrontar o Standard [no "play-off"] e agora voltei aqui para rever antigos colegas. Foi um resultado perfeito para nós e temos de continuar assim na Champions League. O treinador disse-nos que era fundamental começar bem. Sabíamos que eles nos iam tentar pressionar nos primeiros 15 minutos, mas a verdade é que depois do cartão vermelho tudo foi mais fácil.

Nicolas Lombaerts, defesa do Zenit
Foi muito bom começar com uma vitória, do ponto de vista psicológico. Somámos três pontos e, se vencermos o ´próximo jogo, em nosso estádio, ficamos em excelente posição. Na época passada seguimos em frente com apenas seis pontos, mas duvido que isso seja suficiente desta vez. Acredito que serão necessários dez pontos para passarmos aos oitavos-de-final.

Esperávamos que eles partissem para cima de nós desde o apito inicial, mas encontrámos muitos espaços entre as suas linhas e, depois, o cartão vermelho obrigou-os a jogar com dez durante grande parte do jogo. Havia espaços para explorar. Relaxámos um pouco no segundo tempo e tentámos manter a bola até ao fim, porque com a bola em nosso poder eles não poderiam criar perigo.

André Villas-Boas, treinador do Zenit
A primeira parte foi boa para nós. O Benfica ficou em dificuldade com a expulsão e foi a mais bem jogada pelas duas equipas. Na segunda parte queríamos chegar ao 3-0, mas de forma controlada. Tivermos algumas oportunidades, que falhámos, e o Benfica podia ter chegado ao 2-1, mas é uma excelente vitória fora de casa. Ganhar fora num grupo tão difícil era fundamental, ainda para mais num estádio que não tinha uma derrota europeia há muito tempo. Na segunda parte tanto podia ter surgido o 2-1 como o 3-0. Mas foi um sucesso total para nós, obtido de uma forma muito boa, com controlo do jogo.

[Sobre a vitória do Mónaco] É uma vitória importante, pelo momento que o AS Monaco vive e porque o Bayer 04 Leverkusen é uma das equipas mais fortes do grupo. É um resultado surpreendente, Vamos ver se vencemos agora o Mónaco em casa para nos destacarmos na frente.

[Apuramento] É bastante prematuro falarmos disso, mas depende do resultado do próximo jogo. Se ganharmos frente ao Mónaco podemos então ficar mais lançados rumo ao apuramento. Num grupo equilibrado era importante somar pontos fora. Vamos ver também o que fazemos em casa.

Topo