United prevalece pela margem mínima

Manchester United FC 1-0 Real Sociedad de Fútbol
Um autogolo de Iňigo Martínez aos dois minutos fez a diferença, deixando a equipa da Premier League no topo do Grupo A.

O Manchester United festeja depois do auto-golo de Iňigo Martínez
O Manchester United festeja depois do auto-golo de Iňigo Martínez ©Getty Images

O Manchester United FC jogou para trás das costas a sua má forma em casa, ao alcançar a liderança do Grupo A com uma reconfortante vitória por 1-0 sobre a Real Sociedad de Fútbol.

O golo madrugador de Iňigo Martínez na própria baliza fez a diferença entre as duas equipas e garantiu uma segunda vitória em casa em jogos da UEFA Champions League para o United, que havia falhado o sucesso nos últimos dois jogos em Old Trafford para a Premier League. Como resultado, o United tem agora um ponto de vantagem na liderança do Grupo A, com sete pontos, enquanto a Real permanece no fundo da tabela, sem qualquer ponto.

Foi uma noite barulhenta em Old Trafford, com uma secção das bancadas a ensaiar cânticos, e na verdade os adeptos da casa tiveram motivos para cantar logo aos dois minutos. O golo surgiu quando Carlos Vela perdeu a bola para Patrice Evra no lado esquerdo do United, com Wayne Rooney a conduzi-la para a frente, livrando-se de um par de defesas em direcção à área e concluindo com um remate ao segundo poste. Iñigo Martínez viu-se envolvido no ressalto de bola antes de Javier Hernández – que começou a titular no lugar do ausente Ruud van Nistelrooy –, mas acabaria por colocá-la de forma trapalhona na própria baliza.

Era o pior começo possível para uma Real Sociedad à qual falta experiência europeia, e durante a meia-hora seguinte o United manteve o adversário encostado à defesa, com Rooney, o homem do jogo, a evidenciar-se. O avançado da selecção de Inglaterra mediu forças com Claudio Bravo num remate em vólei, e também Hernández quase festejou golo ao cabecear para a baliza um cruzamento de Ryan Giggs, mas estava em fora-de-jogo. Giggs recuou no tempo com uma incrível correria apenas travada em falta – nada mau para um jogador de 39 anos, quatro mais que o treinador da Real Sociedad, Jagoba Arrasate.

Cumprida meia-hora, os 6,000 adeptos da Real aconchegados na bancada Nascente encheram-se de esperança, quando Haris Seferovic obrigou David de Gea a desviar a bola por cima da baliza. Os visitantes estiveram ainda mais perto do empate dois minutos antes do intervalo, quando Antoine Griezmann bateu de forma excelente um livre directo com o pé esquerdo, levando a bola a passar a barreira e a embater no ferro da baliza do United.

Depois do intervalo, a Real Sociedad manteve a subida de rendimento, criando algumas boas ocasiões perto da baliza do United e levando a bola a bater novamente no ferro da baliza, com o remate-cruzamento de Alberto de la Bella quase a trair De Gea.

O jogo acabaria por ficar mais aberto e o United começou a encontrar espaços na defesa contrária. Phil Jones rematou de cabeça para defesa de Bravo e Rooney serviu Antonio Valencia pela direita, mas o seu remate foi bater no segundo poste. O United voltaria à carga e Shinji Kagawa esteve à beira de marcar, mas Carlos Martínez anulou o lance de forma brilhante. Rooney e o suplente utilizado Ashley Young voltaram a estar perto do golo, mas no final foi o United a somar os três pontos.

Topo