Van Gaal elogia força do Bayern

O treinador do Bayern, Louis van Gaal, destacou o facto de os alemães terem dominado o Lyon mesmo depois da expulsão de Franck Ribéry, enquanto Claude Puel admitiu que a primeira mão "foi muito difícil".

Louis Van Gaal, treinador do Bayern de Munique
Louis Van Gaal, treinador do Bayern de Munique ©Getty Images

Louis van Gaal prestou tributo ao seu FC Bayern München, que mostrou "à Europa toda a sua força" na vitória, por 1-0, sobre o Olympique Lyonnais, na primeira mão das meias-finais da UEFA Champions League. O treinador holandês destacou o facto de os alemães terem dominado mesmo depois da expulsão de Franck Ribéry e acredita que os bávaros vão dar seguimento ao golo de Arjen Robben com mais tentos em França, na próxima semana. Já Claude Puel admitiu que a pressão feita pelo adversário foi fundamental na derrota do Lyon.

Louis van Gaal, treinador do Bayern
Estou muito satisfeito. Mostrámos toda a nossa força à Europa ao dominar o jogo em inferioridade numérica. Quando o [Franck] Ribéry viu o cartão vermelho não pensei que conseguíssemos ganhar por 1-0, mas continuámos a dominar mesmo quando estávamos dez contra 11. Até foi nessa altura que criámos o maior número de oportunidades.

Quando o jogador do Lyon foi expulso, lancei o Mario Gómez para marcar um golo o mais rapidamente possível. Criámos muitas oportunidades e, apesar de só termos vencido 1-0, penso que é um resultado positivo.

Este é um bom resultado, sobretudo se compararmos com os que fizemos, em casa, contra Fiorentina e Manchester United [2-1]. Normalmente marcamos golos nos jogos fora e, se o conseguirmos, o Lyon terá de marcar três.

Claude Puel, treinador do Lyon
Foi uma primeira mão muito difícil. Fomos corajosos, os meus jogadores lutaram, mas não criámos muitas oportunidades, sobretudo na primeira parte. Estivemos bem organizados, mas perdíamos a posse de bola depressa demais e não conseguíamos jogar muito tempo no meio-campo adversário. As coisas correram melhor depois da expulsão do Franck Ribéry e só foi pena não termos podido aproveitar isso ao máximo e lançar o Bafétimbi Gomis.

Quando o Jérémy Toulalan viu o vermelho, tudo voltou à primeira fórmula. Não é o mesmo ter o [Maxime] Gonalons a deixar o meio-campo para jogar no centro da defesa e ter de lançar o Jean II [Makoun], que regressou há pouco tempo de uma lesão.

Nessa altura, já não tínhamos capacidade para ameaçar o Bayern. Limitámo-nos a ser corajosos e a tentar manter o resultado como estava. O Bayern pressionou muito desde o início e controlou os acontecimentos muito bem. Desgastou a nossa equipa e, por isso, ainda lamento mais que um dos meus jogadores tenha sido expulso. Perdemos o jogo, mas a eliminatória está em aberto.

Topo