O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Oitavos-de-final da Champions League: Conheça as equipas

Jogador-chave, forma de jogar, "ranking" e mais: saiba tudo sobre as equipas dos oitavos-de-final da UEFA Champions League.

Estão confirmados os duelos dos oitavos-de-final da UEFA Champions League.

O UEFA.com apresenta o perfil das equipas ainda em prova.

Jogos dos oitavos-de-final

Leipzig - Manchester City
Club Brugge - Benfica
Liverpool - Real Madrid
AC Milan - Tottenham Hotspur
Frankfurt - Nápoles
Dortmund - Chelsea
Inter - Porto
Paris Saint-Germain - Bayern

Leipzig - Manchester City

Leipzig (GER)

Resumo: Leipzig 3-2 Real Madrid

Ranking UEFA: 17
Grupo F: V4 E0 D2 GM13 GS9
Última época: Fase de grupos (terceiro lugar), meias-finais da Europa League
Melhor na Taça dos Campeões: Meias-finais (2019/20)

A campanha em poucas palavras: Encostado às cordas, o Leipzig ganhou quatro vezes.

Repórter do UEFA.com junto do Leipzig: O Leipzig não jogava mal com o antecessor de Marco Rose, Domenico Tedesco, mas por vezes teve algum azar e falhava na pressão. Tudo mudou agora e, apesar do primeiro jogo de Rose no comando, em Madrid, ter deixado a entender que parecia mais do mesmo (bons desempenhos, mas sem resultados), o certo é que tudo se transformou nas semanas seguintes. As exibições consistentes trouxeram quatro vitórias seguidas – a sua melhor campanha na Champions League – e o apuramento para a próxima fase.

Como joga
A principal mudança que Rose introduziu foi mudar do sistema de três defesas para quatro, numa configuração de 4-2-2-1-1. A largura é fornecida fazendo subir os laterais e jogado com eles bem abertos nas alas, e aqui Mohamed Simakan, central de raiz, esteve em destaque como lateral-direito. Rose colocou Christopher Nkunku no espaços atrás de André Silva e estes dois avançados combinaram bem, enquanto Timo Werner e Dominik Szoboszlai cortam para dentro para fornecer superioridade numérica entre as linhas.

Treinador: Marco Rose
Rose sucedeu a Tedesco após a derrota em casa frente ao Shakhtar, por 4-1, na Jornada 1 e rapidamente implantou uma formação altamente eficaz com muita pressão. A confiança voltou e o Leipzig arrepiou caminho na Champions League e na Bundesliga após a derrota em Madrid.

Jogador-chave: Christopher Nkunku
Jogador da Época 2021/22 da Bundesliga, Nkunku despertou a atenção de vários clubes depois de marcar 32 golos e fazer 20 assistências em todas as competições pelo Leipzig. Em vez disso, o francês prolongou o contrato por dois anos, comprometendo-se com o clube até 2026. A sua grande força está na maneira como combina ritmo e eficácia na finalização com excelente visão para jogar com os companheiros de equipa.

Sabia que?
Nunca houve qualquer empate sem golos em 36 jogos do Leipzig na Champions League.

Resumo de 2021/22: Leipzig 2-1 Man. City

Manchester City (ENG)

Ranking UEFA: 1
Grupo G: V4 E2 D0 GM14 GS2
Última época: Meias-finais (D 5-6 no total frente ao Real Madrid)
Melhor desempenho: Finalista vencido (2020/21)

A campanha em poucas palavras: A tranquilidade do costume rumo ao apuramento, agora com a ajuda de Haaland.

Repórter UEFA.com junto do Manchester City: O City não demorou muito a garantir a sua vaga nos oitavos-de-final pela décima temporada consecutiva. Mas nem tudo foi fácil: os Cityzens precisaram da inspiração do goleador Erling Haaland para virar o jogo contra o Dortmund em Setembro, antes de jogarem mais de uma hora com dez num empate sem golos em Copenhaga. Os adeptos do City, finalista vencido em 2021, esperam que os golos de Haaland os ajudem a finalmente darem o passo que falta.

Como joga?
No papel é um 4-3-3, mas torna-se mais num 2-3-5 quando o City tem a posse de bola – o que acontece na maior parte do tempo. Remetendo os adversários para o seu próprio meio-campo com uma linha defensiva alta, o City circula a bola com facilidade, algo que é como que a marca registada, e é implacável na pressão. Ao contrário da época passada, quando Guardiola costumava operar com um falso nove, os Cityzens contam agora com um ponto de referência na frente para finalizar os seus movimentos.

Treinador: Josep Guardiola
O treinador de 51 anos é um dos técnicos mais titulados da história do futebol e venceu esta competição duas vezes com o Barcelona, mas estará ansioso por terminar a espera de 11 anos pelo terceiro triunfo. Conquistou três títulos da Liga espanhola ao comando do clube catalão e outros três na Bundesliga ao leme do Bayern; e já vai em quatro títulos na Premier League inglesa pelo City.

Jogador-chave: Kevin De Bruyne
O médio belga de 31 anos ultrapassou os 300 jogos pelo City em 2021/22, época em que ganhou o prémio de Jogador da Época da Premier League pela segunda vez. Continua a ser fulcral na equipa, contribuindo com muitas assistências para o implacável Haaland.

Sabia que?
O bis de Haaland contra o Copenhaga, na Jornada 3, foi a décima vez em que o norueguês marcou dois ou mais golos em jogos da Champions League (da fase de grupos à final).

Club Brugge - Benfica

Club Brugge (BEL)

Resumo: Club Brugge 0-4 Porto

Ranking UEFA: 32
Grupo B: V3 E2 D1 GM7 GS4
Última época
: Fase de grupos (quarto)
Melhor desempenho: Finalista vencido (1977/78)

A campanha em poucas palavras: Contrariou o favoritismo dos adversários com coragem, excelente futebol e um guarda-redes em grande.

Repórter UEFA.com junto do Club Brugge: Alimentado por muita coragem, maturidade e foco, o Club Brugge contrariou todas as expectativas e está nos oitavos-de-final pela primeira vez – garantindo o apuramento com duas partidas de antecedência! A forma como alcançou esse sucesso foi fenomenal, com o indomável Simon Mignolet a manter a sua baliza incólume em cinco jogos. Merece destaque a impressionante vitória por 4-0 no Porto, na Jornada 2, que antecedeu os quatro pontos somados ante o Atlético.

Como joga?
O Club Brugge joga em 3-5-2 com uma base defensiva sólida. Mignolet tem-se mostrado um autêntico muro, Denis Odoi e Brandon Mechele têm sido a revelação da temporada e o costa-marfinense Abakar Sylla conquistou os adeptos. O meio-campo oferece equilíbrio entre o ataque e a defesa, enquanto na frente o explosivo Kamal Sowah combina na perfeição com a técnica de Ferran Jutglà.

Treinador: Carl Hoefkens
Antigo defesa do Stoke City, West Bromwich Albion e Club Brugge – entre outros – Hoefkens fez parte da equipa técnica de Alfred Schreuder que guiou o Brugge ao terceiro título consecutivo da Liga belga na temporada passada. Antes de assumir, esta época, a equipa principal, passou pelos Sub-18 e pelos Sub-21 do clube.

Jogador-chave: Simon Mignolet
A contratação do guarda-redes ao Liverpool em 2019 foi um ponto de viragem para o Club Brugge. Desde então, os Blauw-Zwart sagraram-se campeões belgas três vezes seguidas, num sucesso construído com base numa defesa sólida. O guardião de 34 anos não sofreu golos em mais de 60 por cento dos mais de 100 jogos que já leva pelo clube.

Sabia que?
O Club Brugge alcançou os oitavos-de-final pela primeira vez em dez tentativas, tornando-se apenas no segundo clube belga a fazê-lo na era da UEFA Champions League, depois do Gent em 2015/16.

Benfica (POR)

Resumo: Benfica 4-3 Juventus

Ranking UEFA: 22
Grupo H: V4 E2 D0 GM16 GS7
Última época
: Quartos-de-final (D 4-6 no total frente ao Liverpool)
Melhor na Taça dos Campeões: Vencedor (1960/61, 1961/62)

A campanha em poucas palavras: Equipa ousada, confiante e cheia classe: dá gosto de ver jogar.

Repórter UEFA.com junto do Benfica: Roger Schmidt chegou ao Benfica no Verão com o objectivo de dar uma nova imagem às Águias, uma nova identidade. O técnico impressionou, a sua equipa embarcou numa longa série invicta desde o início da temporada e apurou-se sensacionalmente para os oitavos-de-final como vencedor de um grupo em que faziam parte o Paris Saint-Germain e a Juventus. Antes da confirmação do facto na Jornada 6, os "encarnados" venceram duas vezes a Juve e empataram 1-1 com os campeões franceses também em duas ocasiões; poucas equipas quererão enfrentar o Benfica na fase a eliminar.

Como joga?
Uma máquina alemã com forte sotaque português. Alinha num 4-2-3-1 e pressiona desde o início, com laterais ofensivos, alas que podem ajudar no meio-campo, um supersónico Rafa Silva e um avançado trabalhador como Gonçalo Ramos. Mistura juventude e experiência na defesa; Enzo Fernandez pauta o ritmo com os seus passes certeiros e Florentino é um polvo que chega a todo o lado. Acrescente-se a capacidade de improviso de David Neres e temos a receita para algo de especial.

Treinador: Roger Schmidt
Depois de se destacar no Salzburgo, o antigo médio treinou o Leverkusen na sua Alemanha natal e, mais recentemente, comandou o PSV Eindhoven, equipa com a qual conquistou a Taça dos Países Baixos em 2021/22. Chegou a Lisboa no Verão para orientar uma equipa do Benfica sem vencer títulos há três anos e tem tido enorme sucesso com a sua versão da “gegenpress”, muito forte na pressão ao adversário.

Jogador-chave: Rafa Silva
Um jogador especial capaz de criar perigo a partir do nada. Schmidt conseguiu potenciar as qualidades do jogador de 29 anos, aproveitando ao máximo a sua capacidade de correr com a bola e de criar perigo junto de qualquer defesa. Marca golos e também contribui defensivamente, trabalhando arduamente na pressão. Está provavelmente na melhor fase da carreira.

Sabia que?
Antes de cada jogo em casa do Benfica, os espectadores podem assistir ao voo da mascote do clube, a Águia Vitória, adornada com fitas vermelhas e brancas.

Liverpool - Real Madrid

Liverpool (ENG)

Ranking UEFA: 4
Grupo A: V5 E0 D1 GM17 GS6
Última época: Finalista vencido (D 0-1 frente ao Real Madrid)
Melhor desempenho: Vencedor (1976/77, 1977/78, 1980/81, 1983/84, 2004/05, 2018/19)

A campanha em poucas palavras: Recompôs-se de uma entrada em falso ante o Nápoles e a partir daí foi igual a si mesmo.

Repórter UEFA.com junto do Liverpool: Uma pesada derrota por 4-1 a Jornada 1 frente ao Nápoles fez soar os alarmes em Merseyside, mas a partir daí o Liverpool superou sem grandes problemas alguns jogos que podiam ser complicados e passou aos oitavos-de-final pela sexta temporada consecutiva. O apuramento, porém, não terá sido tão fácil como os triunfos confortáveis sobre Ajax e Rangers o podem sugerir, com a equipa de Jürgen Klopp a demorar um pouco até acertar o passo em Glasgow e Amesterdão, antes de um triunfo final sobre o Nápoles ter mostrado que estavam no bom caminho. Se conseguir ser mais consistente ao longo dos 90 minutos, o Liverpool poderá apontar a uma quarta final em seis épocas.

Como joga?
Uma combinação de má forma e problemas físicos de alguns jogadores forçou Klopp a abandonar o seu habitual 4-3-3 após a terceira jornada, frente ao Rangers, quando os Reds alinharam num 4-2-3-1. A decisão do alemão de experimentar diferentes sistemas tácticos nos jogos seguintes teve resultados mistos e o regresso ao 4-3-3 pode muito bem acontecer quando os problemas com lesões começarem a diminuir.

Treinador: Jürgen Klopp
Começou sua carreira de treinador no Mainz e conquistou dois títulos da Bundesliga no comando do Dortmund antes de chegar a Anfield, em 2015. Klopp levou os Reds à glória na Champions League em 2018/19 e ao seu primeiro título inglês em 30 anos na temporada seguinte. Conquistou ainda uma Taça de Inglaterra e uma Taça da Liga, na época passada, em que se viu derrotado na final da Champions League.

Jogador-chave: Thiago Alcántara
Embora a contribuição de Mohamed Salah para o sucesso recente do Liverpool tenha sido imensa, Thiago Alcantara tem-se mostrado fundamental nos últimos tempos, parecendo estar em todo o lado. Abençoado com uma qualidade fenomenal no passe, grande agilidade e uma soberba capacidade técnica, o antigo jogador do Barcelona e do Bayern também contribui decisivamente no capítulo defensivo, com mais desarmes efectuados do que qualquer outro colega.

Sabia que?
A vitória na Jornada 5, frente ao Ajax, foi a 150ª do Liverpool na Champions League, da fase de grupos à final. É o décimo clube a lograr tal feito, o quarto de Inglaterra.

Real Madrid (ESP)

Ranking UEFA: 5
Grupo F: V4 E1 D1 GM15 GS6
Última época
: Vencedor (V 1-0 frente ao Liverpool)
Melhor desempenho: Vencedor (1955/56, 1956/57, 1957/58, 1958/59, 1959/60, 1965/66, 1997/98, 1999/2000, 2001/02, 2013/14, 2015/16, 2016/17, 2017/18, 2021/22)

A campanha em poucas palavras: O detentor do título mostrou carácter e qualidade para se qualificar, apesar de não ter deslumbrado.

Repórter UEFA.com junto do Real Madrid: É sempre interessante ver o Real Madrid jogar, porque a equipa tem um pouco de tudo. Momentos (Celtic Park) em que faz inúmeros passes consecutivos (33) até marcar um golo, ou momentos (em casa frente ao Leipzig) em que os adversários nem percebem como, de repente, se vêem a perder. E, claro, há a marca registada dos golos perto do fim, uma característica que já valeu muitas alegrias ao Real, aliada a exibições convincentes como a vitória sobre o Celtic, por 5-1, na Jornada 6.

Como joga?
A forma nunca varia muito – 4-3-3 é a formação que Carlo Ancelotti acredita ser a que melhor se adapta ao seu plantel e é assim que ele quer que o Real jogue. As duas variantes tácticas importantes são: usar o médio Federico Valverde como atacante no lado direito e transferir David Alaba para a lateral-esquerda, permitindo-lhe a mesma liberdade de ataque que tinha Marcelo. Uma solução de recurso passou já por colocar Antonio Rüdiger como avançado nos últimos minutos da partida contra o Shakhtar, numa tentativa (bem-sucedida) de chegar ao empate.

Treinador: Carlo Ancelotti
O homem que levou o Real Madrid à conquista da "La Décima" em 2014 voltou para uma segunda passagem pelo comando dos Merengues no Verão de 2021 e reescreveu os livros de História ao tornar-se no primeiro treinador a vencer a Taça dos Campeões/UEFA Champions League por quatro vezes. Na época passada conquistou também o título na Liga espanhola, tornando-se no primeiro técnico a vencer campeonatos em Itália, Inglaterra, França, Alemanha e Espanha.

Jogador-chave: Karim Benzema
Principal figura da equipa desde a saída de Cristiano Ronaldo, em 2018, o avançado francês marcou o golo 1000 do Real Madrid na Taça dos Campeões frente ao Shakhtar, na época passada, antes de desempenhar um papel fundamental frente a Paris, Chelsea e Manchester City na fase a eliminar, ajudando a equipa de Ancelotti a chegar à final e a levar a depois a melhor sobre o Liverpool.

Sabia que?
O Real Madrid ultrapassou sempre a fase de grupos da UEFA Champions League.

Jogos anteriores entre Liverpool e Real Madrid

AC Milan - Tottenham Hotspur

Milan (ITA)

Ranking UEFA: 46
Grupo E: V4 E1 D2 GM12 GS7
Última época: Fase de grupos (quarto lugar)
Melhor na Taça dos Campeões: Vencedor (1962/63, 1968/69, 1988/89, 1989/90, 1993/94, 2002/03, 2006/07)

A campanha em poucas palavras: O Milan está de volta ao seu lugar na Champions League.

Repórter do UEFA.com junto do Milan: O objectivo era garantir um lugar nos oitavos-de-final: missão cumprida. O Milan não conseguiu fazer frente ao Chelsea, vencedor do Grupo E, mas aproveitou ao máximo os seus jogos em casa para garantir os pontos necessários para seguir em frente. Os adeptos de San Siro fizeram a diferença, e o estilo fluido de Stefano Pioli transferiu-se bem para o futebol europeu. Apesar de lesões graves de alguns jogadores, o Milan continuou a jogar o seu futebol e acabou por fazer bem o trabalho.

Resumo: Dinamo Zagreb 0-4 Milan

Como joga
Equipa flexível com uma mentalidade ofensiva, o Milan pode construir desde trás ou causar dano no contra-ataque. O seu sistema base é o 4-2-3-1, com laterais muito ofensivos e dois médios box-to-box – Sandro Tonali e Ismaël Bennacer – actuando atrás do único avançado. Rafael Leão e Theo Hernández combinam brilhantemente na esquerda, enquanto defensivamente os Rossoneri têm defesas rápidos e pressionam alto para ajudar a fazer chegar a bola a terrenos mais avançados.

Treinador: Stefano Pioli
Antigo defesa, Pioli conquistou os críticos no Milan com a sua postura calma e descontraída desde que assumiu o comando da equipa em 2019. Levou os Rossoneri à Champions League em 2020/21 após sete anos de ausência e conquistou o Scudetto na época passada, dando o primeiro título nacional ao clube desde 2011.

Jogador-chave: Fikayo Tomori
O jogador de 24 anos demorou a afirmar-se no Milan depois de chegar em 2020 vindo do Chelsea – inicialmente por empréstimo –, mas tornou-se num líder para os italianos na época passada, ajudando o clube a garantir o primeiro título da Serie A em 11 anos. E continua em destaque na presente temporada.

Sabia que?
O Milan terminou em último lugar na Champions League da época passada, a primeira vez em que ficou na cauda da fase de grupos desde 2000.

Tottenham Hotspur (ENG)

Ranking UEFA: 19
Grupo D
: V3 E2 D1 GM8 GS6
Última época: fase de grupos da Europa Conference League
Melhor na Taça dos Campeões: Finalista vencido (2018/19)

A campanha em poucas palavras: Apesar dos altos e baixos, o Tottenham continua a encontrar o seu caminho.

Repórter do UEFA.com junto do Tottenham: O Grupo D foi o mais renhido da Champions League desta época. Os Spurs tinham o hábito de começar os jogos em ritmo lendo e na decisão de Marselha aconteceu exactamente o mesmo. Tendo visto negado o apuramento antecipado na Jornada 5, frente ao Sporting, o Tottenham deve ter temido mais do mesmo em França antes do golo tardio de Pierre-Emile Højbjerg.

Como joga?
Antonio Conte é adepto de uma formação 3-4-3. Os Spurs melhoraram à medida que foram acontecendo os jogos e responderam de forma consistente quando se encontraram a perder, com enorme carácter e grandes golos. As exibições contra o Frankfurt e diante do Sporting foram por vezes sofríveis, mas, quando o assunto é mais importante, o Tottenham encontrou sempre algo extra, aumentando a intensidade e dominando o adversário.

Crouch dá a vitória ao Tottenham em Milão em 2011

Treinador: Antonio Conte
Ídolo da Juventus nos tempos de jogador, Conte levou o clube a três títulos consecutivos da Serie A como treinador antes de uma passagem pelo comando da selecção da Itália. Seguiram-se títulos da liga em Inglaterra com o Chelsea e em Itália com o Inter, antes de rumar ao Tottenham no início da época passada e de levar o clube de regresso à Champions League.

Jogador-chave: Harry Kane
Parece uma questão de tempo até o capitão da selecção de Inglaterra se tornar no melhor marcador do clube e seu país. O jogador de 29 anos, vencedor da Bota de Ouro da Premier League em três ocasiões e melhor marcador do Campeonato do Mundo de 2018, é igualmente hábil como criador e finalizador.

Sabia que?
Os Spurs seguiram em frente em cinco das suas seis campanhas na fase de grupos da Champions League.

Frankfurt - Nápoles

Frankfurt (GER)

Resumo: Sporting 1-2 Frankfurt

Ranking UEFA: 21
Grupo D: V3 E1 D2 GM7 GS8
Última época: vencedor da Europa League
Melhor na Taça dos Campeões: Finalista vencido (1959/60)

A campanha em poucas palavras: O Frankfurt está a amadurecer como equipa e o conto de fadas continua.

Repórter UEFA.com junto do Frankfurt: "Somos uma equipa de reviravoltas" e "Estamos a gostar destes jogos a eliminar" são frases muito repetidas entre os jogadores do Eintracht – o triunfo da Jornada 6 frente ao Sporting, após ter estado a perder, só reforça esse ponto de vista para uma equipa cuja capacidade de alimentar os seus adeptos é a inveja de muitos. Têm sido 18 meses incríveis para este clube, que conquistou a UEFA Europa League e transferiu esse espírito para a elite da competição de clubes.

Como joga?
O Eintracht joga em 3-4-2-1 durante a maior parte do tempo e a experiência com quatro defesas não trouxe muito sucesso. Equipa de contra-ataque durante grande parte da campanha quando venceu a Europa League na época passada, os alemães fizeram grandes progressos, passando a basear o seu jogo mais na posse de bola. Os médios criativos Mario Götze, Jesper Lindstrøm e Daichi Kamada ajudam neste esforço, embora haja espaço para crescer ainda mais como equipa.

Treinador: Oliver Glasner
Glasner levou o Wolfsburgo à UEFA Champions League em 2020/21, mas foi alvo de críticas depois de a equipa do Frankfurt ter tido um início irregular na época passada. Conquistou adeptos e especialistas com a sua honestidade e o seu comportamento realista, e a sua estrela disparou desde que levou as Águias à glória na Europa League.

Jogador-chave: Daichi Kamada
A saída do extremo sérvio Filip Kostić para a Juventus deixou o Frankfurt sem um elemento-chave, mas o médio criativo japonês está a ajudar a preencher essa lacuna. A sua capacidade de encontrar espaço no meio-campo e de criar golos são complementadas por eficácia na finalização. Kamada actuou esta época em posições mais recuadas do que anteriormente, mas ainda assim marcou três golos e soma 14 em 35 jogos na UEFA.

Sabia que?
O Frankfurt conquistou o seu primeiro troféu europeu em 42 anos quando triunfou na final da Europa League, contra o Rangers, na época passada.

Nápoles (ITA)

Resumo: Ajax 1-6 Nápoles

Ranking UEFA: 20
Grupo C: V5 E0 D1 GM20 GS6
Última época
: Play-off da fase a eliminar da Europa League
Melhor desempenho: Oitavos-de-final (2011/12, 2016/17, 2019/20, 2022/23)

A campanha em poucas palavras: Simplesmente a melhor equipa em Itália e na Champions League até agora.

Repórter UEFA.com junto do Nápoles: Por onde começar? O Nápoles tem sido incrível, quase perfeito até agora. Goleou Liverpool, Rangers e Ajax e teve o melhor início de campanha da Champions League de sempre por parte de uma equipa italiana, jogando um futebol fenomenal. Khvicha Kvaratskhelia, Giacomo Raspadori, André-Frank Zambo Anguissa e Piotr Zieliński, para citar apenas alguns, têm sido extraordinários e o treinador Luciano Spalletti conseguiu transformar a equipa numa unidade brilhante: sólida na defesa e fluída e eficaz no ataque.

Como joga?
O sistema base é um 4-3-3 mas, dependendo do que Zieliński faz em campo, torna-se num 4-2-3-1. Defensivamente, os dois extremos recuam para ajudar a defesa, formando praticamente um 4-5-1. Mas, nas palavras do próprio Spalletti, "o futebol não é mais sobre sistemas tácticos, mas sim sobre o uso dos espaços que são deixados pelos adversários". O Nápoles usa os extremos para partir rapidamente para o contra-ataque, podendo também fazer chegar a bola directamente a Victor Osimhen, ou ligar o jogo através de Raspadori e dos outros médios. Uma equipa completa, que pode marcar golos de todas as formas possíveis.

Treinador: Luciano Spalletti
Médio trabalhador nos seus tempos de jogador, Spalletti, antigo treinador de Roma e Inter, substituiu Gennaro Gattuso no leme do Nápoles na última época, após dois anos parado. Venceu dez de seus primeiros 11 jogos na Série A no clube, que liderou a prova até ao final de fevereiro, acabando depois, contudo, por terminar a época no terceiro lugar.

Jogador-chave: Victor Osimhen
As actuações do nigeriano pelo Nápoles na última época valeram-lhe o prémio de Melhor Jogador Jovem da Serie A em 2021/22. O atacante de 23 anos teve participação directa em 32 golos na Serie A – 24 tentos e oito assistências – nas suas duas primeiras épocas pelos napolitanos, e continua em alta.

Sabia que?
O Nápoles marcou 17 golos nos seus primeiros quatro jogos na fase de grupos, quebrando logo aí o seu anterior máximo numa só edição da prova (da fase de grupos à final) – que era de 14 tentos em oito jogos em 2011/12.

Dortmund - Chelsea

Dortmund (GER)

Resumo: Sevilha 1-4 Dortmund

Ranking UEFA: 12
Grupo G: V2 E3 D1 GM10 GS5
Última época: Fase de grupos (D 4-6 no total frente ao Rangers no play-off da fase a eliminar da Europa League)
Melhor desempenho: Vencedor (1996/97)

A campanha em poucas palavras: Jude Bellingham brilhou e o Dortmund redimiu-se da fase de grupos da época passada.

Repórter UEFA.com junto do Dortmund: Depois de ser eliminado da fase de grupos de forma inglória na última época, o Dortmund redimiu-se e apurou-se sem grandes dificuldades esta época. Bellingham foi o destaque, marcando golos e mostrando que há vida para lá de Erling Haaland. O jogador inglês de 19 anos é a figura maior de uma equipa jovem e faminta, que pode causar problemas a qualquer adversário, embora ainda tenha muito a aprender ao mais alto nível.

Como joga?
O Dortmund ganhou a reputação de proporcionar sempre grandes espectáculos, mas com a saída de Haaland no verão e vários problemas de lesões, teve desta feita que ser mais pragmático. Isso resultou numa maior na disciplina táctica a nível defensivo e na aposta no contra-ataque. Youssoufa Moukoko, de 17 anos, mostrou qualidades e o regresso de Sébastien Haller, em 2023, será uma mais-valia.

Treinador: Edin Terzić
O alemão começou a carreira de treinador na academia do Dortmund em 2010. Teve uma passagem como técnico interino pela equipa principal durante a temporada de 2020/21, quando levou o Borussia à vitória sobre o Leipzig na final da Taça da Alemanha. Sucedeu a Marco Rose, que deixou o clube no Verão após uma temporada ao leme da equipa.

Jogador-chave: Jude Bellingham
Jogador mais utilizado pelo Dortmund em 2021/22, Bellingham continua a cimentar o seu estatuto de estrela. O avançado de 19 anos esteve envolvido num golo a cada 190 minutos na época passada, em comparação com um tento a cada 353 minutos na campanha anterior. Imprescindível para Terzić, parece estar ainda mais eficaz esta temporada.

Sabia que?
O empate do Dortmund com o Manchester City, na Jornada 5, encerrou uma série de oito derrotas seguidas na Champions League contra clubes ingleses.

Chelsea (ENG)

Resumo: Milan 0-2 Chelsea

Ranking UEFA: 3
Grupo E: V4 E1 D1 GM10 GS4
Última época: Quartos-de-final (D 4-5 no total frente ao Real Madrid)
Melhor desempenho: Vencedor (2011/12, 2020/21)

A campanha em poucas palavras: A vida depois de Tuchel parece promissora com a magia de Potter no banco.

Repórter UEFA.com junto do Chelsea: A saída do treinador que venceu a Champions League pelo clube, após apenas um jogo nesta fase de grupos trouxe alguma turbulência ao Chelsea, mas o novo dono do banco, Graham Potter, não tardou a endireitar a equipa. Depois de um jogo explorar os pontos fortes dos seus novos jogadores no empate 1-1 com o Salzburgo em casa, a turma de Potter ganhou vida com duas vitórias seguidas sobre o Milan antes de garantir o primeiro lugar no grupo com um desempenho de bom nível na Áustria, na Jornada 5.

Como joga?
Potter aproveitou o que de melhor Tuchel deixou no Chelsea, jogando normalmente com uma robusta defesa a três e dois médios consistentes no meio. No entanto o sistema táctico é algo que não importa muito na forma como o técnico inglês olha para o jogo, pelo que o Chelsea mostra agora maior fluidez e troca de posições, o que o torna mais difícil de parar. O seu futebol está a melhorar a cada jogo e isso faz do Chelsea uma equipa a ter em conta, olhando para o seu plantel.

Treinador: Graham Potter
Depois de assumir o lugar de Tuchel após a Jornada 1, Potter deu que falar ao afirmar que nunca tinha ido a um jogo da Champions League. Mas tem mostrado que se sente em casa na competição e está a caminho de igualar o início invicto de 14 partidas de seu antecessor como treinador do Chelsea.

Jogador-chave: Mason Mount
Um dos jogadores mais consistentes do Chelsea na última temporada, Mount foi eleito pelos adeptos como o Jogador do Ano do clube pela segunda temporada consecutiva. Apenas Antonio Rüdiger fez mais jogos do que versátil internacional inglês, que se sente tão confortável a jogar como extremo ou como número 10.

Sabia que?
O Chelsea passou à fase a eliminar pela 18ª vez em 19 presenças na prova.

Inter - Porto

Inter (ITA)

Ranking UEFA: 17
Grupo C: V3 E1 D2 GM10 GS7
Última época: Oitavos-de-final (D 1-2 no total frente ao Liverpool)
Melhor desempenho: Vencedor (1963/64, 1964/65, 2009/10)

A campanha em poucas palavras: Quando a situação se complica, poucas equipas respondem como o Inter.

Repórter UEFA.com junto do Inter: O Inter calhou num dos grupos mais difíceis, mas aprendeu com os erros do passado para garantir uma vaga na fase a eliminar ainda com um jogo de antecedência. A qualificação foi construída em torno dos dois encontros frente ao Barcelona, com uma vitória por 1-0 em casa e um empate 3-3 em Espanha. Os jogadores de Simone Inzaghi mostraram um espírito de equipa fantástico para ultrapassar a ausência de elementos determinantes como Romelu Lukaku e Marcelo Brozović. Os Nerazzurri completaram depois o trabalho em casa contra o Viktoria Plzeň na Jornada 5.

Como joga?
O sistema táctico usado é o 3-5-2, com os laterais chamados a cobrir todo o flanco. Sem surpresa, Inzaghi substitui-os frequentemente, Matteo Darmian e Robin Gosens são boas alternativas para Denzel Dumfries e Federico Dimarco. Um dos três médios é mais ofensivo: Brozović é a escolha perfeita, mas Hakan Çalhanoğlu esteve bem na sua ausência. Os outros dois médios, Nicolò Barella e Henrikh Mkhitaryan, lideram na pressão e apoiam também o ataque. Quando estiver em forma, Lukaku deve retomar o seu lugar na frente, formando novamente a parceria "Lu-La" com Lautaro Martínez.

Treinador: Simone Inzaghi
Vencedor da Serie A e tricampeão da Taça de Itália como jogador pela Lazio, o técnico de 46 anos também ganhou a Taça do seu país pela Roma durante suas cinco épocas ao leme da turma da capital. Assumiu o lugar de Antonio Conte em 2021, conquistando a Supertaça de Itália e mais uma Taça de Itália na sua primeira temporada no Inter.

Jogador-chave: Lautaro Martínez
Apelidado de "Touro", Martínez fechou a temporada 2021/22 com 25 golos em 49 jogos em todas as competições, a sua melhor marca desde que chegou a Milão, vindo do Racing Club, em 2018. Formou uma dupla de sucesso com Lukaku, que voltou do Chelsea, mas não jogou muito na primeira metade da época devido a lesão.

Sabia que?
Edin Džeko bisou na Jornada 5, na Europa, elevando a sua contagem para 11 golos em apenas sete jogos europeus.

Inter - Porto: Resumo dos oitavos-de-final de 2005

Porto (POR)

Ranking UEFA: 19
Grupo B: V4 E0 D2 GM11 GS7
Última época: Fase de grupos D 1-2 no total frente ao Lyon os oitavos-de-final da Europa League)
Melhor desempenho: Vencedor (1986/87, 2003/04)

A campanha em poucas palavras: Após uma partida em falso, ergueu-se e acelerou a todo o gás.

Repórter UEFA.com junto do Porto: A derrota em casa por 4-0 frente ao Club Brugge, na Jornada 2, poderia ter abalado de vez os Dragões. Só que, em vez disso, soou como um despertador. O Porto ergueu-se depois de duas derrotas nos dois primeiros jogos e somou três vitórias consecutivas: duas frente ao Leverkusen e outra, com sabor a desforra, sobre o Club Brugge, na Bélgica, antes de garantir o primeiro lugar com um triunfo em casa sobre o Atlético. Claro que ajuda ter um guarda-redes que parece ser especialista em defender penáltis.

Como joga?
Sérgio Conceição mantém-se fiel ao 4-4-2, mas ajustou alguns aspectos para conferir mais flexibilidade à equipa, tendo por exemplo colocado já Pepê a actuar como lateral-direito. Otávio é o principal canal entre a defesa e o ataque e Mehdi Taremi desenvolveu o seu jogo, fazendo agora também muitas assistências sem ter perdido o faro pelo golo. O guarda-redes Diogo Costa tem-se afirmado como o líder do sector defensivo na ausência do experiente Pepe.

Treinador: Sérgio Conceição
Arquitecto do regresso do Porto ao topo do futebol português, Sérgio Conceição está na sexta época ao leme dos Dragões e nas cinco que já completou conquistou três vezes a Liga portuguesa, duas Taças de Portugal e três Supertaças portuguesas. Chega aos oitavos-de-final pela quarta vez em cinco campanhas na Champions League.

Jogador-chave: Mehdi Taremi
Eficaz quer jogue como único avançado, quer jogue com um parceiro na frente, o iraniano está mais letal do que nunca, tendo marcado por cinco vezes nesta fase de grupos. Aos 30 anos, apresenta uma média superior a um golo a cada dois jogos pelos Dragões, mesmo recuando muitas vezes para ajudar na ligação do meio-campo com o ataque, sendo muitas vezes um número 10 em vez de um número 9.

Sabia que?
Diogo Costa defendeu penáltis em três jogos consecutivos no Grupo B, incluindo um que foi marcado por duas vezes contra o Club Brugge na Jornada 5 (defendendo ambos).

Paris Saint-Germain - Bayern

Paris (FRA)

Ranking UEFA: 6
Grupo H: V4 E2 D0 GM16 GS7
Última época: Oitavos-de-final (D 2-3 no total frente ao Real Madrid)
Melhor desempenho: Finalista vencido (2019/20)

A campanha em poucas palavras: Com o trio MNM na frente e Galtier ao leme, os parisienses produzem magia.

Repórter UEFA.com junto do Paris: Quando Kylian Mbappé abriu a Jornada 1 com um golo fantástico após combinação com Neymar, os campeões franceses pareciam prontos para caminhar tranquilamente rumo ao 11º apuramento consecutivo para os oitavos-de-final. Contudo, o percurso acabou por não ser assim tão simples face aos dois empates com o Benfica. Mas com Lionel Messi a sentir-se cada vez mais em casa em Paris, e Christophe Galtier a saber tirar o melhor do seu trio de super-estrelas do ataque, este pode mesmo ser o ano em que a capital francesa poderá receber finalmente o maior prémio do futebol europeu de clubes que há tanto tempo anseia. No entanto, o Paris deverá estar ainda a pensar no modo como foi surpreendido quando Benfica o desalojou do primeiro lugar no último segundo da Jornada 6.

Resumo: Paris 7-2 M. Haifa

Como joga?
De que outra forma se poderia jogar, que não ao ataque tendo Mbappé, Neymar e Messi na equipa? Mas Galtier tem o mérito de ter incutido disciplina defensiva na equipa, ajudada pelos médios Marco Verratti e Vitinha, capazes não só de trabalhar defensivamente, mas também de construir jogo. Algumas lesões ditaram uma mudança do 3-4-3 para o 4-3-3 na vitória da Jornada 5 sobre o Maccabi Haifa, com a equipa de Galtier a provar assim que também possui uma flexibilidade táctica que certamente lhe será útil mais para a frente.

Treinador: Christophe Galtier
Galtier é um dos treinadores mais reconhecidos do futebol francês e levou o Saint-Ètienne ao seu primeiro grande troféu em 32 anos – a Taça da Liga – em 2013, antes de conquistar o título da Ligue 1 com o LOSC Lille em 2021, terminando um ponto à frente do Paris. Finalista vencido da Taça de França com o Nice na época passada, Galtier levou o clube ao quinto lugar na Ligue 1 antes de rumar a Paris.

Jogador-chave: Kylian Mbappé
Estreou-se no palco continental pelo Mónaco em 2016/17 e agora é já o melhor marcador de sempre do Paris nas competições europeias. Vencedor do Campeonato do Mundo pela França em 2108, demorou apenas 59 jogos para chegar aos 40 golos na Champions League – apenas Ruud van Nistelroooy fez melhor, em 45.

Sabia que?
A vitória por 7-2 do Paris sobre o Maccabi Haifa foi o nono jogo da história da competição com nove golos ou mais, mas ficou ainda três abaixo do recorde, fixado na vitória do Dortmund sobre o Legia Varsóvia, por 8-4, em Novembro de 2016.

Bayern Munique (GER)

Resumo: Bayern 2-0 Barcelona

Ranking UEFA: 2
Grupo C: V6 E0 D0 GM18 GS2
Última época: Quartos-de-final (1-2 no total frente ao Villarreal)
Melhor desempenho: Vencedor (1973/74, 1974/75, 1975/76, 2000/01, 2012/13, 2019/20)

A campanha em poucas palavras: O gigante bávaro passeou pela fase de grupos fixando até novos recordes.

Repórter UEFA.com junto do Bayern: Apesar de ter tido um dos piores arranques das últimas décadas na Bundesliga, ainda a recuperar da saída de Robert Lewandowksi, o Bayern mostrou-se eficaz como sempre na Europa. A equipa de Julian Nagelmann garantiu uma vaga nos oitavos-de-final a dois jogos do fim, mostrando a solidez defensiva e eficácia ofensiva. Saiu ileso do grupo que muitos apontavam como o mais duro da competição e está, como sempre, entre os favoritos a erguer o troféu.

Como joga?
Nenhum jogador pode preencher a lacuna de 40 golos deixada por Lewandowski, mas na ausência do goleador polaco, Nagelsmann espera aproveitar a imprevisibilidade e a fluidez de seus atacantes num sistema táctico em 4-2-3-1. A distribuição dos golos entre jogadores como Leroy Sané, Sadio Mané e Jamal Musiala mostra que a sua experiência em usar um "falso nove" pode, de facto, ser bem sucedida, mas só lá mais para Maio se poderá ter a certeza.

Treinador: Julian Nagelsmann
Agora com 35 anos, Nagelsmann tornou-se no mais jovem treinador da história da Bundesliga quando assumiu o comando do Hoffenheim com apenas 28 anos, em Outubro de 2015. Na sua primeira época completa no comando daquele clube, levou-o ao quarto lugar em 2016/17 e conquistou uma vaga na Champions League. Continuou a impressionar em duas temporadas ao leme do Leipzig antes de rumar ao Bayern, no Verão de 2021, conquistando logo o título alemão na estreia pelos bávaros.

Jogador-chave: Jamal Musiala
O Bayern tem uma nova estrela. O jovem de 19 anos estabeleceu-se como uma das figuras da equipa de Nagelsmann esta época, com exibições que mostram uma maturidade incomum para alguém da sua idade. Excelente no drible, faz jogar a equipa e mostra dotes de goleador. O "mágico Musiala" chega até a fazer lembrar... Lionel Messi.

Sabia que?
Na quinta jornada, o Bayern ampliou para 33 (30V 3E) o recorde de jogos sem perder em fases de grupos da competição. Venceu os últimos 12, o que também é um recorde da prova.

Resumo da final de 2020: Paris 0-1 Bayern