O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

In the Zone: Análise ao Liverpool 0-1 Inter

O painel de Observadores Técnicos da UEFA analisa a vitória do Inter sobre o Liverpool, em Anfield, insuficiente para manter a equipa italiana na UEFA Champions League.

We take a closer look at how Inter's pressing from goal kicks helped to force a win at Anfield.
In the Zone: a presão do Inter nos pontapés de baliza

Para os campeões italianos do Inter, a aventura na UEFA Champions League terminou com um sabor agridoce em Anfield, a 8 de Março. Ao vencer o Liverpool por 1-0, os milaneses infligiram a primeira derrota em casa aos comandados de Jürgen Klopp desde Março do ano passado, mas tal feito revelou-se infrutífero depois do desaire por 2-0 na primeira mão, em San Siro.

Neste artigo apresentado pela FedEx, o painel de Observadores Técnicos da UEFA aponta a estratégia de pressão alta que conduziu ao único golo do jogo.

Como tudo aconteceu: Liverpool 0-1 Inter


Golos

Liverpool - Inter: Veja o golo soberbo de Martínez
Liverpool - Inter: Veja o golo soberbo de Martínez

0-1: Lautaro Martínez (61)
O primeiro golo do argentino na presente edição da UEFA Champions League foi um magnífico remate à entrada da área. Com o Inter a pressionar para ganhar a bola num pontapé de baliza do Liverpool, Ivan Perišić interceptou o passe de Joel Matip pela direita. Hakan Çalhanoğlu e Alexis Sánchez combinaram rapidamente para colocar a bola nos pés de Martínez, que a dominou com o corpo e, mesmo com Van Dijk pela frente, rematou ao canto superior esquerdo da baliza à guarda de Alisson Becker.

Melhor em campo

Milan Škriniar
O eslovaco foi dominador no jogo aéreo e fez nove remates – mais do que qualquer outro jogador nos jogos da UEFA Champions League da semana passada. O observador técnico da UEFA no jogo acrescentou: "Mostrou uma excelente capacidade física, construindo a partir de trás e contribuindo para um jogo sem sofrer golos para os visitantes em Anfield, algo raro nos tempos mais recentes."

Formações tácticas das equipas

Liverpool

Os homens às ordens de Klopp alinharam na sua habitual formação em 1-4-3-3, com Curtis Jones (nº17) a substituir Harvey Elliott e Matip (nº32) no lugar de Ibrahima Konaté, relativamente ao jogo da primeira mão. Jones foi o mais adiantado dos três médios do Liverpool e jogou descaído sobre o lado direito, enquanto Mohamed Salah (nº11) deu largura na ala direita. Com Trent-Alexander Arnold (nº 66) a explorar os espaços interiores, houve uma clara fluidez no posicionamento destes três jogadores.

Inter

O Inter montou uma formação em 1-3-5-2 quando na posse de bola, que mudou para um 1-5-3-2 sem a bola. Os italianos procuraram defender a partir do centro do terreno, mas pressionariam alto sempre que possível, inclusive nas reposições de bola, como nos pontapés-de-baliza, como pode ser visto no vídeo acima. O Inter estava preparado para jogar homem a homem na defesa perante os três avançados do Liverpool, fazendo os seus médios-ala Denzel Dumfries (nº2) e Perišić (nº14) bloquear os laterais do Liverpool. Esta estratégia esteve na origem do único golo após a já mencionada intercepção de Perišić, quando Matip tentou construir a partir do sector mais recuado.

Destaques

Como já mencionado, uma característica significativa na abordagem do Inter foi a pressão alta quando o Liverpool procurou organizar o seu jogo. No primeiro exemplo, no vídeo no topo da página, os seus dois avançados estão posicionados à entrada da grande área do Liverpool, com dois médios cerca de dez metros mais atrás e os laterais também subidos.

Houve algumas actuações individuais assinaláveis na equipa de Simone Inzaghi, incluindo Perišić, que teve o maior número de toques na bola do que qualquer jogador do Inter (70), com a maior parte das jogadas a serem conduzidas pelo lado esquerdo. O médio Arturo Vidal trabalhou incansavelmente e, mesmo nos descontos, teve forças para se colocar no caminho do remate de Luis Díaz e desviar por cima da barra.

A expulsão de Sánchez, apenas um minuto após o golo da sua equipa, deu vantagem ao Liverpool, mas a razão pela qual o Inter ficou pelo caminho provavelmente deveu-se à falta de eficácia.

Para o Liverpool, esta foi a terceira vez nas competições europeias que, a defender uma vantagem de 2-0 em Anfield, perdeu com um golo solitário. Ainda assim, os "reds" registaram mais passes (720 contra 433 do Inter) e tiveram mais posse de bola (62%) – principalmente depois de o Inter ter ficado reduzido a dez elementos. Além disso, o Liverpool teve as melhores oportunidades de golo.

Tal como na primeira mão, ameaçaram de bola parada, criando quatro oportunidades de lançamentos de Alexander-Arnold – uma das quais levou um cabeceamento de Matip aos ferros, uma das três tentativas ao poste ou à barra para o conjunto da Premier League.

Resumo: Inter 0-2 Liverpool
Resumo: Inter 0-2 Liverpool

Declarações dos treinadores

Jürgen Klopp, treinador do Liverpool
"Temos que trabalhar muito contra equipas como o Inter e fazer circular a bola. Fizemos isso, mas talvez não o suficiente. Não fomos inteligentes o suficiente. Perdemos muitas bolas de forma infantil e a pressão contrária não foi muito eficaz."

Simone Inzaghi, treinador do Inter
"Foram dois jogos equilibrados, mas os dois golos nos 15 minutos finais do jogo da primeira mão foram decisivos. Merecíamos mais nos primeiros 75 minutos em Milão mas acabámos por sofrer dois golos. Fizemos o nosso melhor em Anfield esta noite e saímos destes dois jogos como uma equipa melhor, mais fortalecida."