O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Luís Figo elogia "beleza do futebol" após vitória do Sheriff

"A beleza do futebol mostra que as equipas teoricamente mais pequenas podem bater os favoritos", disse a glória portuguesa.

Os jogadores do Sheriff festejam o fantástico golo tardio de Sébastien Thill
Os jogadores do Sheriff festejam o fantástico golo tardio de Sébastien Thill DeFodi Images via Getty Images

Luís Figo, antigo vencedor da UEFA Champions League  destacou "a beleza do futebol" à luz da vitória do Sheriff sobre o Real Madrid, na terça-feira.

Segundo Figo, estas surpresas sublinham a importância do princípio do mérito desportivo que norteiam a UEFA Champions League.

"É uma competição que permite que todos a disputem devido ao mérito desportivo. Tão simples quanto isso", disse.

"É a beleza do futebol. Mostra que as equipas teoricamente inferiores podem ganhar aos colossos. Isso é futebol e é consequência do mérito desportivo, que permite participar nestas grandes competições e ter a oportunidade de vencer grandes equipas e alcançar fases adiantas das provas. É fantástico".

Com uma empolgante mistura de drama, surpresas e intrigantes tramas secundárias, as primeiras jornadas da presente edição da UEFA Champions League lembraram que a competição continua a ser o ponto alto do futebol de clubes a nível mundial.

Tem havido muita coisa para captar a imaginação dos espectadores nos estádios ou a assistir pela televisão – com a capacidade mágica da competição de servir o espetacular (e o inesperado) em modo resumido na noite de terça-feira, através do brilhante golo de Sébastien Thill apontado à beira do fim e que valeu ao estreante Sheriff uma surpreendente vitória por 2-1 no terreno do Real Madrid.

Duas semanas depois de os suíços do Young Boys terem recuperado de uma desvantagem para bater o Manchester United, o triunfo do Sheriff na capital espanhola foi mais um resultado inesperado para saborear, pondo em destaque a sensação de oportunidade que existe para todos os clubes na fase de grupos da UEFA Champions League.

Flecha de Thill

O golo da vitória do Sheriff de todos os ângulos
O golo da vitória do Sheriff de todos os ângulos

Se o primeiro golo de Lionel Messi pelo Paris Saint-Germain, na mesma noite, teve a beleza que todos esperávamos do argentino, o tento da vitória que o médio Sheriff marcou no Santiago Bernabéu foi mais um cena de David contra Golias.

Com 27 anos, Thill deixou o Luxemburgo há apenas 12 meses, primeiro rumo à Rússia antes de chegar à Moldávia. O seu excelente remate, em cima do minuto 90, entrou com uma flecha no canto superior da baliza de Thibaut Courtois. Com isso, provocou uma das grandes surpresas da fase de grupos, com o recém-chegado a derrotar o clube 13 vezes vencedor da competição, isto depois de ter resistido a uma enxurrada de 30 remates por parte do Real Madrid (contra quatro do Sheriff).

Foi também o primeiro golo na competição marcado por um futebolista luxemburguês – o 105º país a entrar na lista.

Golos tardios

Veja o golo do Young Boys nos últimos instantes
Veja o golo do Young Boys nos últimos instantes

Houve vários golos da vitória marcados na ponta final dos jogos desta fase de grupos de 2021/22. Na primeira ronda, o Young Boys estragou a primeira noite europeia de Cristiano Ronaldo com a camisola do Manchester United, graças a um remate de Jordan Siebatcheu aos 95 minutos.

San Siro testemunhou o drama do último suspiro na segunda jornada, quando o Atlético derrotou o Milan mercê de um penálti de Luis Suárez, aos 97 minutos. O confronto também destacou como os deuses do futebol desfrutam de um bom enredo secundária, com Antoine Griezmann a fazer o seu primeiro golo desde que regressou ao Atlético no local onde falhou a grande penalidade no desempate da final da UEFA Champions League de 2016. Houve igualmente uma semelhança irónica quando Messi assinou o seu tento de estreia pelo Paris no reencontro entre o mestre Josep Guardiola, treinador do Manchester City, e o seu pupilo.

Quem aprecia uma história de equipas menos favoritas notará também os esforços do Club Brugge, pois o clube belga já recuperou de uma desvantagem para empatar com o Paris e vencer em Leipzig.

Surpresas ao longo dos anos

Reviravoltas dramáticas na Champions League
Reviravoltas dramáticas na Champions League

A vitória do Sheriff em Madrid dá esperança aos clubes mais inexperientes na competição – e é, sem dúvida, a maior reviravolta na fase de grupos sofrida por um clube espanhol desde que o Rubin venceu fora, por 2-1, o então campeão Barcelona, em Outubro de 2009.

Outros resultados surpreendentes dignos de nota nos tempos mais recentes incluem o triunfo do Zurique sobre o Milan, por 1-0, em San Siro, em 2009, a vitória do Celtic em casa sobre o Barcelona, por 2-1, em 2012 (garantida por Tony Watt, jovem de 18 anos em dia de estreia na UEFA Champions League) e o sucesso do BATE Borisov sobre o Bayern, por 3-1, em Minsk, no ano de 2012.

A fase de grupos desta temporada já nos proporcionou um emotivo jogo com nove golos entre Manchester City e Leipzig: a média de golos é actualmente é de 2,67.