O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Manchester City - Chelsea: retrospectiva da UEFA Champions League, guia de forma e encontros anteriores

A primeira final do Manchester City será diante do rival inglês Chelsea, que participa no duelo decisivo pela terceira vez e procura repetir o triunfo de 2012.

City e Chelsea são os finalistas da UEFA Champions League 2020/21
City e Chelsea são os finalistas da UEFA Champions League 2020/21 Getty Images

A primeira final do Manchester City será diante do rival inglês Chelsea, que participa no duelo decisivo pela terceira vez e procura repetir o triunfo de 2012.

• Este é o primeiro encontro europeu entre as duas equipas em 50 anos, mas ambas já sofreram muitas dores de cabeça na UEFA Champions League diante de equipas da Premier League, com o City a ser eliminado por rivais nacionais em 2018 e 2019, enquanto a primeira final do Chelsea terminou em derrota por por um rival bem conhecido.

• Esta é a terceira final da UEFA Champions League totalmente inglesa, tendo o Chelsea participado na primeira, quando perdeu nos penáltis frente ao Manchester United em 2008, em Moscovo. Há dois anos, o Liverpool derrotou o Tottenham Hotspur em Madrid.

• Já se disputaram sete finais da UEFA Champions League entre clubes do mesmo país, todas desde 2000. O Real Madrid venceu em jogos exclusivamente espanhóis em 2000 (Valência), 2014 e 2016 (ambos Atlético de Madrid), enquanto o AC Milan venceu a Juventus nas grandes penalidades em 2003. O Bayern Munique superou o Borussia Dortmund na final alemã de 2013.

• O City é o nono clube inglês a disputar uma final de Taça dos Campeões Europeus, um recorde do país; Itália e Alemanha são os próximos da lista, com seis presenças cada.

• Esta final vai agora realizar-se no Estádio do Dragão, no Porto, palco do empate sem golos do City frente ao FC Porto na fase de grupos - o único jogo que não conseguiu vencer na competição - e onde o Chelsea venceu apenas uma vez em quatro tentativas.

• City e Chelsea sofreram apenas quatro golos até esta final, o menor total dos dois finalistas desde que o Barcelona (quatro golos sofridos) enfrentou o Arsenal (dois) na decisão de 2006. Nenhuma das equipas sofreu mais do que uma vez num jogo da UEFA Champions League em 2020/21.

Histórico na final
Manchester City

Todos os golos do Man. City a caminho da final
Todos os golos do Man. City a caminho da final

• O City é o 42º clube a chegar à final da Taça dos Campeões Europeus e o terceiro estreante em temporadas consecutivas, depois de o Tottenham em 2019 e do Paris Saint-Germain em 2020. É a 21ª equipa a chegar à final da UEFA Champions League.

• O City pode tornar-se na 23ª equipa a vencer a Taça dos Campeões Europeus e no primeiro novo nome no troféu desde o triunfo do Chelsea em 2012.

• Esta é a segunda final europeia do City. Venceu os polacos do Górnik Zabrze por 2-1 no Prater Stadion de Viena, na final da Taça dos Vencedores das Taças de 1969/70.

• Josep Guardiola, vencedor pelo Barcelona em 2009 e 2011, pode tornar-se no sexto treinador a vencer a Taça dos Campeões Europeus por dois clubes diferentes, depois de Ernst Happel (Feyenoord 1970, Hamburgo 1983), Ottmar Hitzfeld (Borussia Dortmund 1997, Bayern Munique 2001), José Mourinho (Porto 2004, Internazionale 2010), Jupp Heynckes (Real Madrid 1998, Bayern 2013) e Carlo Ancelotti (AC Milan 2003, 2007, Real Madrid 2014).

• İlkay Gündoğan é o único membro da equipa do City que já disputou a final da UEFA Champions League. Depois de marcar o golo do Dortmund, de penalty, na derrota por 2-1 frente ao Bayern, em 2013, pode tornar-se no quarto jogador a marcar por clubes diferentes na final da prova. Velibor Vasović (Partizan 1966, Ajax 1969), Cristiano Ronaldo (Manchester United 2008, Real Madrid 2014, 2017) e Mario Mandžukić (Bayern 2013, Juventus 2017) já o conseguiram anteriormente.

Chelsea

Resumo da final de 2012: Chelsea 1-1 Bayern (4-3 pen)
Resumo da final de 2012: Chelsea 1-1 Bayern (4-3 pen)

• Esta é a terceira final da UEFA Champions League do Chelsea, com as duas anteriores partidas a serem decididas na decisão das grandes penalidades (V1 D1):
2008 Manchester United D 1-1 (ap, 5-6 pen), Moscovo
2012 Bayern Munique V 1-1 (ap, 4-3 pen), Munique

• Thomas Tuchel levou o Paris Saint-Germain à final da época passada, onde foi derrotado por 1-0 pelo Bayern, em Lisboa; é o primeiro técnico a levar dois clubes diferentes à final da Taça dos Campeões Europeus em temporadas consecutivas.

• Thiago Silva foi o capitão da equipa do Paris que perdeu na final da época passada; é o único jogador do Chelsea a ter participado na decisão da UEFA Champions League anteriormente.

• Mateo Kovačić foi suplente não utilizado nas vitórias em finais do Real Madrid em 2017 e 2018; também realizou oito jogos na campanha vitoriosa de 2015/16, mas ficou de fora dos convocados para a final.

Encontros anteriores
• As duas equipas já se defrontaram uma vez nas competições europeias, nas meias-finais da Taça dos Vencedores das Taças de 1970/71. O Chelsea venceu por 1-0 em ambas as mãos contra o então campeão City, com Derek Smethurst a marcar o único golo da primeira mão, em Stamford Bridge, aos 46 minutos, antes de um auto-golo de Ron Healey, aos 43 minutos, dar aos visitantes a vitória em Maine Road, antiga casa do City. O Chelsea sucedeu ao conjunto de Manchester como vencedor da competição, batendo o Real Madrid após a disputa de uma finalíssima.

• Este é o quarto duelo da temporada entre os dois clubes, com o Chelsea a ter vencido dois dos três anteriores, incluindo uma vitória por 2-1 no City of Manchester Stadium a 8 de Maio, no final da semana em que ambas as equipas chegaram a esta final. Marcos Alonso marcou o golo da vitória nos descontos, com Hakim Ziyech (63) a anular o golo inaugural de Raheem Sterling aos 44 minutos; Sergio Agüero também viu um penalty defendido por Edouard Mendy, já que o City não conseguiu a vitória que teria garantido desde logo o título da Premier League.

• A equipa de Tuchel também bateu o City nas meias-finais da Taça de Inglaterra, em Wembley, a 17 de Abril, com Ziyech a marcar o único golo aos dez minutos da segunda parte.

• A equipa de Guardiola venceu por 3-1 em Stamford Bridge, na Premier League, a 3 de Janeiro, graças a golos na primeira parte de Gündoğan (18), Phil Foden (21) e Kevin De Bruyne (34); O tento de consolação de Callum Hudson-Odoi aos 90 minutos foi tudo o que o Chelsea, comandado por Frank Lampard, conseguiu.

• No total, o Chelsea somou 68 vitórias sobre o City, que venceu 58 dos últimos encontros (40 empates). O Chelsea venceu três dos últimos quatro jogos entre ambas as equipas.

• Os dois conjuntos defrontaram-se na final da Taça da Liga inglesa de 2018/19, com o City a vencer por 4-3 nos penáltis, depois de um empate a zero em Wembley. Gündoğan, Agüero, Bernardo Silva e Sterling converteram todos os penáltis pelo City, com César Azpilicueta, Emerson e Eden Hazard a fazerem o mesmo pelo Chelsea; No entanto, apesar de Leroy Sané ter visto o seu pontapé defendido por Kepa, o remate de Jorginho foi defendido por Ederson e David Luiz acertou na trave para o Chelsea.

• As equipas disputaram apenas uma outra final de taça, a edição inaugural da Full Members 'Cup - competição para os clubes das duas principais divisões de Inglaterra - em 1985/86. O Chelsea venceu por 5-4 em Wembley, num jogo em que David Speedie apontou um "hat-trick" e Colin Lee bisou.

Guia de forma

Manchester City

Resumo dos quartos-de-final: Liverpool 3-0 Man. City
Resumo dos quartos-de-final: Liverpool 3-0 Man. City

• Para além dos jogos com o Chelsea em 1971, o City defrontou adversários ingleses apenas duas vezes nas competições da UEFA, ambas nos quartos-de-final da UEFA Champions League, tendo perdido as duas eliminatórias. Os Citizens foram derrotados por 3-0 fora e por 2-1 em casa pelo Liverpool em 2017/18, com Gabriel Jesus a marcar o seu único golo, antes de uma derrota devido aos golos marcados fora, diante do Tottenham, na temporada seguinte. O City perdeu por 1-0 fora e foi eliminado apesar de Sterling ter bisado, com golos igualmente de Bernardo Silva e Agüero (um cada), que garantiram a vitória na segunda mão.

• A vitória por 4-3 em casa sobre os Spurs é, portanto, a única vitória do City nos seis jogos europeus frente a clubes ingleses (D5).

• O City marcou três golos em cada uma das três primeiras vitórias no Grupo C esta temporada, batendo Porto (3-1), Marselha e Olympiacos (ambos por 3-0), antes de uma vitória por 1-0 na Grécia, na quarta jornada, garantir o apuramento. Um empate a zero no Porto, no penúltimo encontro, confirmou o City na primeira posição, antes da vitória por 3-0 em casa sobre o Marselha.

• A equipa de Guardiola bateu o Borussia Mönchengladbach por 2-0 duas vezes nos oitavos-de-final, com os dois jogos disputados em Budapeste, antes de derrotar o Dortmund por 2-1 em casa e fora nos quartos-de-final. Os ingleses superaram o Paris, vice-campeão da temporada passada, nos quartos-de-final (2-1 f, 2-0 c), tendo somado sete vitórias consecutivas - foi a primeira equipa inglesa a conseguir este feito na Taça dos Campeões Europeus.

• O City é também o primeiro clube inglês a vencer 11 jogos numa campanha da Taça dos Campeões Europeus. Está a uma vitória de igualar o recorde do Real Madrid na competição, de 12, estabelecido na campanha vitoriosa de 2001/02.

• O golo marcado por Marco Reus, do Dortmund, aos 84 minutos da primeira mão dos quartos-de-final, pôs fim à sequência do City sem sofrer um golo na UEFA Champions League ao cabo de 790 minutos, desde o golo inaugural de Luis Díaz, aos 14 minutos, pelo Porto, na primeira jornada. O recorde na competição, estabelecido pelo Arsenal em 2005/06, é de 995 minutos, com o City agora em segundo lugar na classificação de todos os tempos, tendo superado a Juventus (690 minutos).

• O City terminou em segundo na Premier League 2019/20 e foi eliminado da UEFA Champions League nos quartos-de-final pela terceira época consecutiva, perdendo por 3-1 frente ao Lyon, numa eliminatória única em Lisboa. Os Citizens haviam terminado em primeiro no grupo com 14 pontos (V4 E2) antes de derrotarem o Real Madrid nos oitavos-de-final, vencendo por 2-1 fora e em casa diante do 13 vezes campeão europeu.

• Esta é a décima campanha dos ingleses na UEFA Champions League; estiveram envolvidos em todas as temporadas desde 2011/12.

• O City marcou 60 golos nos últimos 25 jogos da UEFA Champions League; nas últimas três temporadas o seu recorde é de V24 E4 D3, com 76 golos marcados e 25 sofridos.

• O empate da quinta jornada em casa do Porto constituiu o registo do City em Portugal para V1 E2 D1; aquele foi o seu segundo jogo no Estádio do Dragão, o primeiro tendo terminado com uma vitória por 2-1 sobre o Porto nos 16 avos-de-final da UEFA Europa League de 2011/12, graças a um golo de Agüero aos 85 minutos.

• O recorde do City em duas disputas nos penáltis em provas da UEFA é: V2 D0:
4-2 frente ao Midtjylland, segunda pré-eliminatória da Taça UEFA de 2008/09
4-3 frente ao Aalborg, oitavos-de-final da Taça UEFA 2008/09.

Chelsea
• Esta é a quarta final europeia do Chelsea frente a um clube inglês. Depois de perder frente ao Manchester United na UEFA Champions League de 2008, venceu por 4-1 o Arsenal na UEFA Europa League 2019, mas perdeu a Supertaça Europeia da UEFA desse ano diante do Liverpool, por 5-4, no desempate das grandes penalidades, após um empate 2-2 em Istambul.

• O registo do Chelsea frente a clubes ingleses na Europa é V7 E8 D4. O triunfo sobre o Arsenal em 2019 é a única vitória nas suas últimas cinco partidas (E2 D2), embora no geral tenha vencido cinco das suas dez eliminatórias.

• Nesta temporada, o Chelsea progrediu sem problemas no Grupo E, vencendo os três jogos fora e perdendo pontos apenas no primeiro e último jogos, em casa com o Sevilha (0-0) e Krasnodar (1-1), respectivamente. O Rennes foi derrotado por 3-0 em Stamford Bridge e nas suas viagens o clube inglês somou o máximo de pontos em Krasnodar (4-0), Rennes (2-1) e Sevilha (4-0); o último resultado garantiu o primeiro lugar no grupo, com Olivier Giroud a tornar-se no primeiro jogador do Chelsea a marcar quatro golos num jogo da Taça dos Campeões - e aos 34 anos e 63 dias é o avançado mais velho de sempre a assinar um "hat-trick" na UEFA Champions League.

• Com Tuchel a substituir Frank Lampard como treinador principal, o Chelsea ultrapassou o Atlético de Madrid nos oitavos-de-final, vencendo por 1-0 em Bucareste antes de uma vitória por 2-0 em casa. Nos quartos-de-final afastou o Porto (2-0 f, 0-1 c) com ambas as partidas disputadas em Sevilha. O Chelsea levou a melhor sobre o Real Madrid nas meias-finais (1-1 f, 2-0 c).

• Quarto na Premier League em 2019/20, esta é a 17ª participação do Chelsea na UEFA Champions League e a terceira em quatro anos. A excepção surgiu em 2018/19, quando ganhou a UEFA Europa League sob o comando de Maurizio Sarri.

• Na temporada passada, a equipa de Lampard recuperou de uma derrota em casa frente ao Valência na primeira jornada (0-1) e apurou-se como segundo classificado do Grupo H com 11 pontos, terminando atrás da equipa espanhola no confronto directo, antes de perder diante dos campeões Bayern (0-3 c, 1-4 f) nos oitavos-de-final.

• As oito vitórias desta época resultaram em 11 vitórias nos últimos 19 jogos do Chelsea na UEFA Champions League (E5 D3).

• Mendy passou oito jogos sem sofrer golos em 11 jogos da UEFA Champions League esta temporada, o máximo numa campanha de um guarda-redes de uma equipa inglesa na história da competição - mais um do que Ederson, do Manchester City.

• Este é o quinto jogo do Chelsea no Estádio do Dragão, onde tem registo de V1 E1 D2, a mais recente visita à cidade e ao país que terminou com uma derrota por 2-1 com o Porto na fase de grupos da UEFA Champions League 2015/16. O recorde dos Blues em Portugal é V3 E1 D2.

• O recorde do Chelsea em seis desempates por grandes penalidades em provas da UEFA é V2 D4:
1-4 - Liverpool, meias-finais da UEFA Champions League de 2006/07
5-6 - Manchester United, final da UEFA Champions League de 2007/08
4-3 - Bayern Munique, final da UEFA Champions League de 2011/12
4-5 - Bayern Munique, Supertaça Europeia da UEFA de 2013
4-3 - Eintracht Frankfurt, meias-finais da UEFA Europa League 2018/19
4-5 - Liverpool, Supertaça Europeia da UEFA de 2019

Ligações e curiosidades
• Tuchel nunca havia batido Guardiola como treinador antes de assumir o comando do Chelsea. O seu registo frente ao técnico espanhol com Mainz e Dortmund foi E2 D3, com dois golos marcados e 11 sofridos. O confronto mais recente antes das duas vitórias de Tuchel contra o City nesta temporada aconteceu na final da Taça da Alemanha de 2015/16, com o Bayern a vencer nos penáltis após um empate sem golos naquele que foi o último jogo de Guardiola nos bávaros antes de assumir o comando do City.

• De Bruyne assinou pelo Chelsea, proveniente do Genk, em Janeiro de 2012, completando o resto da época pelo clube belga antes de se mudar para Londres. No entanto, fez apenas nove jogos pelo clube em todas as competições - três deles na fase de grupos da UEFA Champions League no Outono de 2013 - e passou a época 2012/13 no Werder Bremen, por empréstimo, antes de regressar à Alemanha para se juntar ao Wolfsburgo numa mudança definitiva em Janeiro de 2014.

• O guarda-redes suplente do Chelsea, Willy Caballero, fez 48 jogos pelo City em três temporadas entre 2014 e 2017. Defendeu três penáltis na vitória contra o Liverpool na final da Taça da Liga Inglesa de 2015/16 (no desempate por g.p), no seu único título em Manchester.

• Nathan Aké ingressou no Chelsea em 2010, mas fez apenas 17 jogos pelo clube em todas as competições antes de se transferir para o Bournemouth em 2017. Foi suplente não utilizado nas vitórias do Chelsea na final de 2012/13 da UEFA Europa League e em 2014/15 na Final da Taça da Liga. Também esteve no banco na derrota na final da Taça de Inglaterra, diante do Arsenal, em 2017.

• Colegas nas selecções nacionais:
John Stones, Kyle Walker, Phil Foden, Raheem Sterling e Ben Chilwell, Reece James, Mason Mount, Callum Hudson-Odoi, Tammy Abraham (Inglaterra)
Eric García, Rodri, Ferran Torres e Kepa, Marcos Alonso, César Azpilicueta (Espanha)
Benjamin Mendy e Kurt Zouma, N'Golo Kanté, Olivier Giroud (França)
İlkay Gündoğan e Antonio Rüdiger, Timo Werner, Kai Havertz (Alemanha)
Ederson, Fernandinho, Gabriel Jesus e Thiago Silva (Brasil)
Zack Steffen e Christian Pulišić (Estados Unidos)

• Sergio Agüero e Caballero foram companheiros da selecção argentina por um breve período em 2018.

• Jogaram juntos:
César Azpilicueta e Kevin De Bruyne (Chelsea 2013)
Riyad Mahrez e N'Golo Kanté (Leicester 2015/16)
Riyad Mahrez e Ben Chilwell (Leicester 2016-18)
Aymeric Laporte e Kepa (Athletic Club 2016–18)
İlkay Gündoğan e Christian Pulišić (Borussia Dortmund 2015/16)

• Mahrez e Kanté foram companheiros no Leicester, na equipa que conquistou o título da Premier League em 2015/16, a única época de Kanté no clube; jogou em 37 das 38 partidas do campeonato, enquanto Mahrez marcou 17 golos em 37 jogos na Premier League naquela temporada.

• Tuchel foi treinador de Gündoğan no Dortmund em 2015/16.

• Foden e Hudson-Odoi foram companheiros de equipa na selecção da Inglaterra que venceu o Campeonato do Mundo de Sub-17 da FIFA 2017, na Índia.

• Steffen ou Pulišić podem tornar-se nos primeiros americanos a disputar uma final de uma Taça dos Europeus Europeus.