Regresso ao Jogo: a UEFA está a preparar-se para o regresso seguro das suas competições de elite.
Saiba mais >
 

Andrés Iniesta recorda as quatro vitórias na Champions League com o Barcelona

Andrés Iniesta fala das recordações de vencer a UEFA Champions League em 2006, 2009, 2011 e 2015.

Andrés Iniesta (à direita) com Xavi Hernández após conquistarem ambos o quarto troféu da UEFA Champions League pelo Barcelona
Andrés Iniesta (à direita) com Xavi Hernández após conquistarem ambos o quarto troféu da UEFA Champions League pelo Barcelona Popperfoto via Getty Images

17/05/06: Barcelona 2-1 Arsenal

Stade de France, Paris (Eto'o 76, Belletti 80; Campbell 37)
Iniesta começou no banco, entrando para o lugar de Edmílson ao intervalo.

Fiquei furioso por não estar na equipa inicial e depois de estar no banco, a única coisa que queria fazer era entrar. Eu queria jogar e ajudar, estava ansioso para o fazer porque acho que tinha estado a fazer as coisas muito bem.

Resumo da final de 2006: Barcelona 2-1 Arsenal
Resumo da final de 2006: Barcelona 2-1 Arsenal

Eu só estava só a pensar em entrar e ajudar, em especial por estarmos a perder. Tivemos que dar a volta ao marcador. Claro que, ao estar no banco, olhamos para o jogo do adversário para estarmos preparados caso fosse necessário entrar.

Estamos atentos ao que o rival faz, aos movimentos dos seus jogadores. Bem, foi isso que tentei fazer. Entrei e joguei como médio defensivo e era um pouco [o responsável] pela construção de jogo juntamente com os defesas-centrais.

Estávamos a dominar o jogo por completo. O nosso domínio contra o Arsenal era avassalador. Felizmente que tínhamos o Víctor [Valdés], que foi decisivo nalgumas situações de um para um que nos mantiveram na luta pelo resultado. Depois, os golos do Samu [Samuel Eto'o] e do [Juliano] Belletti decidiram a final.

Penso que quando eles ficaram com menos um [o guarda-redes do Arsenal, Jens Lehmann, foi expulso aos 18 minutos], tornou-se mais difícil para eles ocupar os mesmos espaços como é óbvio. Se formos rápidos a circular a bola, o adversário sente mais problemas. Dessa forma, surgem mais espaços por dentro, vitais para os nossos companheiros. Foi basicamente isso que fizemos na segunda parte.

Veja Iniesta a contar ao detalhe a final de 2006 na UEFA.tv.

27/05/09: Barcelona 2-0 Manchester United

Stadio Olimpico, Roma (Eto'o 10, Messi 70)
Iniesta foi titular, mas deu o seu lugar a Pedro Rodríguez passados dois minutos dos 90.

Estava muito calor e não estávamos à espera do vídeo [motivacional mostrado antes do jogo]. Foi um vídeo que nos emocionou. Não sei se isso influenciou os primeiros dez minutos, pois o United foi melhor que nós.

Resumo da final de 2009: Barcelona 2-0 Manchester United
Resumo da final de 2009: Barcelona 2-0 Manchester United

Felizmente, tudo acabou em bem. Lembro-me porque foi um momento emocionante, pois foi uma época especial e foi bom recordá-la.

Queria jogar a final pelo que ela significava para mim e lembro-me dela porque foi um dos melhores jogos em que participei. O único problema que tive foi que não conseguia rematar devido à minha lesão nos quadrícepes.

Mas podia correr, mudar de velocidade ritmo, passar a bola. Como podia fazer isso, fiquei calmo, pois podia jogar bem. Rematar era o único problema. Na verdade, acho que aos 80 e tal minutos rematei, mas não me lembro exactamente como foi.

Antes do primeiro golo, eles tiveram duas ou três oportunidades, mas, depois do primeiro golo, jogámos com muita calma, dominámos o jogo bastante bem, tivemos maior controlo. Quando uma equipa tem o controlo da bola como nós e joga à velocidade que precisa - às vezes mais rápido, às vezes mais lento - no final, causa muitos problemas ao adversário. Estar sempre atrás da bola é muito cansativo e acho que eles não estavam habituados a isso no seu campeonato.

Naquele altura, quando ganhamos, os festejos, os dias seguintes, a festa em Barcelona com toda a gente. Foi a primeira tripla. Conseguimos e acho que é algo único, mágico e que recordaremos para sempre.

Veja Iniesta a contar ao detalhe a final de 2009 em UEFA.tv

28/05/11: Barcelona 3-1 Manchester United

Wembley Stadium, Londres (Pedro 27, Messi 54, Villa 69; Rooney 34)
Iniesta jogou os 90 minutos.

Lembro-me que foi muita a motivação pois [o Éric Abidal] ia jogar aquele jogo, ainda por cima a titular e depois acabaria por jogar da forma que jogou [pouco mais de dois meses passados depois de uma operação a um tumor hepático].

Resumo da final de 2011: Barcelona 3-1 Manchester United
Resumo da final de 2011: Barcelona 3-1 Manchester United

Foi uma motivação extra para a equipa tentar vencer a final por causa do que isso significava para o Abi e por todos os momentos que passámos. Na realidade, vencer o Manchester United em Wembley, da maneira que o fizemos foi realmente mágico.

Lembro que estávamos extremamente bem preparados. Acho que vencemos o campeonato duas semanas antes e tivemos um mini-estágio em Inglaterra, se bem me recordo. Preparámo-nos muito bem. Sabíamos como o Man United iria jogar, os movimentos que os seus jogadores iriam tentar e como seríamos melhores que eles. Planeámos muito bem a nossa estratégia para o jogo e executamos o nosso plano até à perfeição.

Para dominar o meio-campo, os nossos jogadores mais abertos viriam para dentro e os laterais avançavam. Foi uma mistura de vários movimentos diferentes. Houve movimentações defensivas também. Quando o Leo [Messi] baixava um pouco na direita, eu subia um pouco pela esquerda.

Gostei de termos sido dominadores e, para além disso, não nos podemos esquecer do palco. Foi a final da Champions League, na Inglaterra, em Wembley, contra o United. Tudo isso contribuiu para a magnitude da vitória e a forma como a conseguimos.

Veja Iniesta a contar ao detalhe a final de 2011 na UEFA.tv

06/06/15: Juventus 1-3 Barcelona

Olympiastadion, Berlim (Morata 55; Rakitić 4, Suárez 68, Neymar 90+7)
Iniesta foi capitão de equipa, saindo aos 78 minutos para dar lugar ao seu eterno companheiro Xavi Hernández que fazia o seu último jogo pelo Barcelona.

Senti que tínhamos uma equipa muito boa. Não foi a melhor das nossas temporadas, mas estávamos a melhorar e tínhamos uma equipa muito forte e sólida. Apanhámos uma Juventus muito forte na final, mas estávamos realmente muito confiantes. E foi especial, pois foi a minha primeira final como capitão.

Resumo da final de 2015: Barcelona 3-1 Juventus
Resumo da final de 2015: Barcelona 3-1 Juventus

Nós tínhamos esse controlo. Mas temos de saber como jogar uma final. Neste caso, os médios deles estavam um pouco mais recuados. Assim, era mais fácil termos a bola alguns metros atrás, pois tínhamos três jogadores decisivos na frente. Conseguimos controlar o jogo muito bem.

É verdade que houve momentos difíceis quando eles empataram, mas no final tudo correu pelo melhor para o nosso lado.

[Suárez, Messi e Neymar] complementam-se muito bem. Eles entendiam-se na perfeição. Eles tinham as suas próprias características, mas fizeram um grande trabalho juntos, não apenas marcavam os golos, mas também trabalhavam muito defensivamente.

Ter jogadores deste nível em finais faz-nos jogar muito mais. Jogar com aqueles três foi um privilégio, uma honra. Sabíamos que eles podiam mudar o jogo a qualquer momento.

Penso que foi o final perfeito para a carreira [do Xavi], foi muito bom ter um jogador como ele em campo e alguém que significa tanto para o Barcelona como o Xavi.

Terminar a carreira com uma tripla, erguer a taça da Champions League, penso que é uma recordação que ele ficará para o resto da sua vida.

Veja Iniesta a contar ao detalhe a final de 2015 na UEFA.tv

Topo