Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Kieran Trippier e a ambientação ao Atlético

Após a sua transferência para o Atlético no Verão, o defesa Kieran Trippier falou sobre a sua vida em Madrid.

AFP/Getty Images

Nas próximas semanas, sempre à sexta-feira, o UEFA.com vai apresentar entrevistas a protagonistas da UEFA Champions League.

Em Setembro falámos com o lateral-direito inglês Kieran Trippier, que tinha acabado de reforçar o Atlético Madrid vindo do Tottenham Hotspur.

UEFA.com: Como foram as primeiras impressões da sua nova realidade?

Kieran Trippier: Obviamente estava muito entusiasmado quando assinei contrato. Sabia bastante sobre o Atlético por ter visto a equipa nos últimos anos, a começar pelo treinador "El Cholo" [Diego Simeone], a forma como ele prepara a equipa, e também por ver que os jogadores trabalham no limite para cumprir as indicações do técnico. E isso fez-me querer fazer parte deste projecto.

Não são muitos os jogadores habituais na selecção inglesa que decidem rumar ao estrangeiro. Era um objectivo seu?

Sim, era. Não pensava que acontecesse tão cedo, mas fazia parte dos meus planos. Ainda assim, acho que aconteceu numa boa altura, ter esta grande oportunidade e logo para representar um grande clube, que também disputa a Champions League. Estou feliz pela escolha que fiz.

AFP via Getty Images

O facto de poder ser orientado por Diego Simeone influenciou a sua decisão?

Sim, e muito. Há anos que acompanhava o Atlético na Champions League, e às vezes também no campeonato, e por isso via como os jogadores evoluíam e apercebi-me que Cholo é um treinador de classe mundial. Isso fez-me querer aprender sob o seu comando.

Na época passada, em várias entrevistas, disse que precisava melhorar a defender, e não há melhor treinador com quem aprender do que ele. Quando soube do interesse do Atlético em me contratar, nem pensei duas vezes.

O estádio do Atlético foi palco da final da UEFA Champions League 2019 e não guarda-boas recordações desse jogo. Isso faz com que esteja mais determinado para o futuro?

Foi uma situação decepcionante, é verdade. De qualquer das formas, foi bom chegar à final, pois ninguém apostava em nós para fazer a campanha que fizemos. Como é óbvio, isso faz com que trabalhe ainda mais no futuro, pois toda a gente quer ganhar a Champions League.

Getty Images

A posição de lateral mudou ao longo dos anos, com alguns jogadores a revolucionarem a função, deixando de ser tão defensiva. Notou alguma diferença na posição e entre campeonatos?

A nível de intensidade, nem por isso, pois o campeonato inglês e o espanhol são competições muito difíceis de disputar. Quanto à posição em si, acontece o mesmo. A principal função é defender e, na hora de atacar, escolher as alturas certas para o fazer. No meu caso, é isso que estou a aprender a fazer, pois antes era mais ofensivo. A equipa técnica prepara-nos bem para todas as possibilidades, pois consoante o adversário, há jogos em que poderemos ter de defender um pouco mais que o habitual.

Getty Images

É interessante o facto de o treinador-adjunto Germán Burgos desempenhar um papel importante na sua integração, pois também é professor de inglês. Como é que o tem ajudado?

Tem sido uma ajuda preciosa para mim e outros reforços, num plantel onde não há muitos que falem inglês. Foi impressionante no primeiro treino: Burgos foi quase a minha segunda sombra, correu ao meu lado e traduzia para mim tudo o que era dito.

Esta entrevista foi realizada em Setembro.

Topo