Quatro estreias em perspectiva

Djurgårdens, Trabzonspor, Estrela Vermelha e Maccabi Tel-Aviv estão bem colocados para chegarem à fase de grupos pela primeira vez.

Conclui-se na noite de quarta-feira a terceira pré-eliminatória da UEFA Champions League, com a partida em que os suecos do Djurgårdens IF recebem a Juventus FC, a merecer especial destaque, de entre todos os dez jogos da segunda mão.

“Situação perigosa”
A equipa treinada por Fabio Capello recuperou de uma desvantagem de dois golos, para terminar a partida disputada no Stadio Delle Alpi, com um desconfortável 2-2, razão pela qual Lillian Thuram entende que, desta vez, a abordagem ao jogo tem de ser outra. “Na primeira mão apenas atacámos quando percebemos que estávamos numa situação perigosa. Agora temos de fazê-lo desde o início”.

“Fazer história”
O treinador do Djurgården, Kjell Jonevret também acredita que uma abordagem positiva do jogo é essencial. “Temos de ser atrevidos e jogar ao ataque”, disse. “Não podemos esperar que a nossa vantagem decida a eliminatória. Esperamos uma Juventus atacante, mas se não jogarmos para a frente, não valeria a pena jogar. Não temos medo. Queremos fazer história”.

Novo treinador
Tal como o Djurgården, o Trabzonspor procura, pela primeira vez na sua história, chegar à fase de grupos. A equipa vai enfrentar um FC Dynamo Kyiv já com novo treinador, Joszef Szabo, depois da demissão de Olexiy Mikhaylichenko, após a derrota na Ucrânia, por 2-1. “Espero que a equipa que mereça se qualifique. Conto que essa equipa seja o Trabzonspor", afirmou o técnico turco, Ziya Dogan.

Vitória clara na secretaria
Outro potencial estreante, o Maccabi Tel-Aviv FC, é claramente favorito para assegurar um lugar na fase de grupos, depois de ver transformada uma vitória por 2-1, na Grécia, nuns claros 3-0, depois do PAOK FC ter utilizado irregularmente um jogador. “O PAOK não tem nada a perder e vão dar tudo por tudo”, afirmou o técnico brasileiro do Maccabi, Bruno Reis. “Temos de usar a cabeça e jogar com calma”.

Capitão ausente
O Ferencvárosi TC chegou à Liga dos Campeões apenas uma vez, em 1995, e viaja para à República Checa, onde vai defrontar o AC Sparta Praha, com uma vantagem de 1-0, trazida da primeira mão. O treinador da equipa checa, František Straka, afirmou que a sua equipa tem de ser paciente: "Seria suicídio arriscar tudo no ataque e dar armas ao adversário, pois sabemos que são fortes no contra golpe". O capitão do Ferencváros, Péter Lipcsei, antigo jogador do FC Porto, não vai alinhar por lesão.

Jogo aberto 
O PSV Eindhoven estará também sem o seu líder em campo, Phillip Cocu, que está a contas com uma pneumonia. “Apesar de estar a ser medicado, não vou jogar, pelo menos, uma semana”, afirmou o holandês. O treinador do FK Crvena Zvezda, Ljupko Pterovic, cuja equipa venceu o primeiro jogo por 3-2, afirmou: “Temos de marcar. O PSV marca golos com facilidade, mas também sofrem com facilidade, pelo que dominar o meio-campo é fundamental. Não tenho receio da juventude dos meus jogadores, pois sei que eles vão aguentar a pressão”.

Vantagens escassas
O PFC CSKA Moskva já pode contar com Sergei Ignashevitch, Osmar Ferreira e Milan Krasic, para a viagem até Glasgow, onde defronta o Rangers FC, com uma escassa vantagem de 2-1, trazida de Moscovo. O Manchester United FC, de Cristiano Ronaldo, tem, também, uma vantagem de 2-1, mas recebe, em Old Trafford, o FC Dinamo Bucuresti, cujo capitão, Florentin Petre, afirmou: "Se não acreditássemos na qualificação, não tinhamos entrado no avião”.

Brugge à procura do milagre
O treinador do Club Brugge KV, Trond Sollied prometeu uma equipa muito atacante para tentar virar a desvantagem de 4-1, imposta pelo Shakhtar Donetsk, afirmando: "Temos de arriscar porque temos de marcar golos. Não esperem muitas surpresas, vou pôr em campo uma equipa de ataque”.

Vantagens confortáveis
O Real Madrid CF recebe o Wisla Kraków depois do 2-0 da primeira mão, enquanto o Bayer 04 Leverkusen vai jogar à Eslováquia, frente ao FC Baník Ostrava com 5-0 trazidos da Alemanha, facto que não faz do treinador Klaus Augenthaler, um técnico demasiado confiante: "Não podemos errar nos primeiros 15 minutos".