Roura incita Barça a manter a compostura

Jordi Roura destacou a importância do Barcelona manter a calma na tentativa de dar a volta à eliminatória frente ao Milan, a entrar em campo "sem pressão", segundo Massimiliano Allegri.

Thiago Alcántara, José Manuel Pinto e Lionel Messi preparam-se para o jogo desta terça-feira
Thiago Alcántara, José Manuel Pinto e Lionel Messi preparam-se para o jogo desta terça-feira ©Getty Images

O treinador-adjunto do FC Barcelona, Jordi Roura, vai dizer aos seus jogadores para subirem ao relvado esta terça-feira apenas com um pensamento: manter sempre a calma sob pressão na tentativa de dar a volta à derrota de 2-0 sofrida na primeira mão frente ao AC Milan.

O clube de Itália surpreendeu o Barça no mês passado graças aos golos de Kevin-Prince Boateng e Sulley Muntari, pelo que leva boa vantagem para Camp Nou na segunda mão dos oitavos-de-final da UEFA Champions League. Por seu lado, o técnico da turma de Milão, Massimiliano Allegri, pede "serenidade" e "confiança" aos seus pupilos, embora admita que "nunca se pode estar 100 por cento tranquilo quando se defronta o Barcelona".

Barcelona
Jordi Roura, treinador-adjunto
O jogo perfeito para nós será aquele que termine com um resultado que nos permita seguir para os quartos-de-final. Temos de encontrar o equilíbrio perfeito entre intensidade, força e, depois, rapidez. O jogo tem 90 minutos, por isso devemos manter a tranquilidade, jogar com calma e não perder o controlo ao longo do encontro.

Já assistimos a muitos jogos com circunstâncias semelhantes às que este vai ter, mas a verdade é que cada jogo é um jogo. Temos de nos concentrar na nossa forma de jogar, mas talvez seja bom pensarmos também um pouco na forma como decorreu o jogo da primeira mão, em Milão. O jogo desta terça-feira é extremamente importante, não só para mim mas também para toda a equipa, para os adeptos e para o clube no seu todo.

Depois de alguns maus resultados, tivemos uma longa semana de trabalho e a equipa respondeu bem. O Milan não constitui, para mim, uma surpresa. Sabia que jogar em Milão era muito difícil. Não sei como eles se irão apresentar neste jogo, mas imagino que irão procurar proteger a vantagem de 2-0.

Tito Vilanova, como sempre, está a viver este embate com grande intensidade. Ele continua a fazer o seu tratamento, mas encontra-se cheio de energia e continua a acompanhar-nos de perto. Analisámos todos os aspectos em conjunto, precisamente como faríamos se ele estivesse aqui. Claro que não é o mesmo, mas estamos a recorrer a toda a tecnologia que temos à nossa disposição para nos mantermos sempre em contacto.

Evidentemente, sofrer golos na Champions League é sempre um problema. Esperamos não sofrer qualquer golo. Quando se perde um jogo por 2-0, isso significa que a equipa não jogou bem e que o adversário o fez. O Milan é o Milan; trata-se de um grande clube e de um adversário extremamente complicado. O jogo em casa deles foi muito duro para nós, mas temos a esperança de conseguir, no nosso estádio, dar a volta aos acontecimentos e assegurar a passagem aos quartos-de-final.

Resultado do fim-de-semana
Sábado: Barcelona 2-0 RC Deportivo La Coruña (Sánchez 38, Messi 88)
Pinto; Alves, Mascherano, Puyol, Adriano; Song; Thiago Alcántara (Iniesta 67), Fàbregas (Busquets 75); Sánchez, Villa (Messi 62), Tello.

• Lionel Messi marcou pelo 17º jogo consecutivo na Liga espanhola – o anterior recorde era de dez jogos – e ajudou o Barcelona a regressar aos triunfos, depois de duas derrotas consecutivas frente ao Real Madrid CF. Foi, também, a primeira vez em 14 encontros no conjunto de todas as competições que o Barça terminou os 90 minutos sem sofrer qualquer golo. José Manuel Pinto disputou o seu primeiro jogo da temporada na Liga espanhola, uma vez que Víctor Valdés cumpriu o primeiro de quatro jogos de castigo na prova.

Notícias da equipa
Xavi Hernández tem estado a contas com uma lesão muscular na coxa direita desde a partida da primeira mão e continua em dúvida.

Milan
Massimiliano Allegri, treinador
Toda a gente está consciente da importância deste jogo. Contudo, o processo de construção desta equipa, que começou em Agosto, não vai parar se acabarmos por perder frente àquela que é a melhor equipa do mundo. A minha equipa é composta por jogadores jovens, sem experiência internacional, pelo que vai precisar de encarar este jogo em Camp Nou com confiança e serenidade. O Barcelona obriga os seus adversários a jogarem sempre da mesma forma devido ao elevado tempo de posse de bola de que dispõem em todos os jogos. Se conseguirmos manter o Barça longe da nossa área, então teremos mais hipóteses de passar aos quartos-de-final.

Estou à espera que o Barcelona nos coloque sob muita pressão desde o apito inicial. Eles têm capacidade mais do que suficiente para dar a volta à eliminatória. Criam sempre muitas ocasiões de golo, por isso teremos de saber o que fazer com a bola e defender sempre com determinação. As oportunidades que teremos para marcar não serão, certamente, muitas, mas teremos de saber aproveitar os espaços que eles deverão conceder na sua defesa. Quando se defronta uma equipa como o Barcelona nunca se está verdadeiramente tranquilo.

Acredito que eles vão fazer tudo para marcar um golo cedo; cabe-nos saber manter a calma. Sou um treinador com sorte, porque tive a felicidade de vir treinar o Milan e orientar grandes jogadores; esta temporada estou tão ou mais entusiasmado do que quando aqui cheguei, porque tenho oportunidade de treinar uma equipa totalmente nova. Tenho de ter paciência, para a ajudar a crescer, pois ela é composta por jogadores ainda muito jovens. E passar por momentos negativos faz parte desse processo. Estou muito feliz por estar aqui e por ir disputar um jogo tão importante.

Vamos partir para este jogo sem pressão, sobretudo se compararmos a experiência do Barcelona na UEFA Champions League com a nossa. Mas confio na minha equipa e, no futebol, tudo pode acontecer. Espero que os meus jogadores façam um bom jogo e, se formos felizes, vamos conseguir a qualificação para a próxima ronda.

Resultado do fim-de-semana
Sexta-feira: Genoa CFC 0-2 Milan (Pazzini 22, Balotelli 60)
Abbiati; De Sciglio, Zapata, Mexès (Yepes 46), Constant; Flamini, Montolivo, Muntari; Niang, Pazzini (Balotelli 25), El Shaarawy (Abate 68).

• O Milan conquistou três pontos muito suados na deslocação a Génova. Giampaolo Pazzini inaugurou o marcador com um grande golo – o seu nono em 11 jogos –, apesar de não se encontrar ainda 100 por cento recuperado de uma lesão num tornozelo que o obrigou a abandonar o relvado logo depois. Os anfitriões enviaram uma bola ao poste por Cesare Bovo antes de Mario Balotelli, entrado para o lugar de Pazzini, ampliar a vantagem da turma milanesa à passagem da hora de jogo. O Milan jogou os últimos 25 minutos encontro reduzido a dez elementos devido à expulsão de Kévin Constant.

Notícias da equipa
Pazzini (tornozelo) e Philippe Mexès sofreram pequenas lesões frente ao Génova e estão em dúvida para o embate com o Barcelona. Luca Antonini alinhou os 90 minutos pela equipa de reservas no fim-de-semana e poderá jogar pela equipa principal pela primeira vez desde que sofreu uma entorse no joelho direito, a 14 de Fevereiro. Nigel de Jong não vai voltar a jogar esta temporada, em virtude da lesão no tendão de Aquiles esquerdo sofrida em Dezembro.

Facto
• Este jogo marca o regresso a casa de Bojan Krkić, produto da academia de La Masia, que jogou na primeira equipa do Barcelona entre 2007 e 2011, tendo apontado 26 golos em 104 jogos na Liga espanhola.

Conteúdos relacionados