Alves lança repto ao Barcelona

Daniel Alves avisou os colegas do Barcelona para "jogarem ao nosso ritmo" se quiserem eliminar o Milan e insistiu que "os grandes desafios são para as grandes equipas".

Daniel Alves acredita que o Barcelona pode dar a volta à eliminatória com o Milan
Daniel Alves acredita que o Barcelona pode dar a volta à eliminatória com o Milan ©AFP/Getty Images

Daniel Alves insiste que o FC Barcelona continua a ser capaz de tudo, desde que os jogadores "joguem ao nosso ritmo", com o gigante catalão a precisar de imprimir um ritmo avassalador se quiser afastar o AC Milan, rival nos oitavos-de-final, esta terça-feira.

O cenário alternativo para Alves e Cia. é a eliminação na prova em Março, depois de o triunfo do Milan na primeira mão, por 2-0, ter aumentado as hipóteses de o Barcelona falhar os quartos-de-final pela primeira vez desde 2006/07. Nunca, nesta fase, uma equipa conseguiu dar a volta a uma desvantagem de dois golos trazida da primeira mão sem ter marcado um golo fora, mas Alves sabe que os "blaugrana" não conquistaram o troféu duas vezes nas últimas quatro épocas sem terem estabelecido alguns precedentes.

"Se jogarmos ao nosso nível, vamos ter muitas oportunidades", disse o lateral-direito. "Temos jogadores espectaculares, por isso julgo que esta eliminatória só vai ficar decidida quando o árbitro apitar pela última vez. O desejo de desfrutar disto é muito grande, e os grandes desafios são para as grandes equipas. Vamos ver em que ponto ficamos no final – se somos realmente a equipa que é respeitada mundialmente, ou se não conseguimos chegar a esse nível. Estamos muito confiantes na nossa equipa e nos jogadores que temos".

Ainda assim, a confiança tem sido testada pelos recentes resultados, com a dor de perder em Milão a ser acentuada com dois desaires consecutivos frente ao eterno rival Real Madrid CF. Para Alves, ultimamente tem faltado "ritmo" ao tetracampeão europeu, e este precisa de redescobrir a coesão e força que permitiram eliminar os "rossoneri" nos quartos-de-final da época passada.

"Jogamos a um ritmo diferente de todos os outros", explicou. "Quando atingimos o nosso nível tornamo-nos realmente grandes, mas quando isso não acontece somos uma equipa normal. Por isso tudo depende de nós, e se abordamos o jogo da forma certa ou errada, como aconteceu em Itália. Se isso voltar a acontecer, somos eliminados – mas se marcharmos juntos, temos uma hipótese".

O jogador de 29 anos também admitiu que a formação de Camp Nou tem tido algumas dificuldades desde que o treinador Tito Vilanova foi forçado a retirar-se temporariamente, devido a motivos de saúde, em Dezembro. Mais uma vez, o treinador-adjunto Jordi Roura vai orientar a equipa na terça-feira.

"Quando se tem um modelo, alguém em quem confiamos, quando podemos fechar os olhos e simplesmente ouvir as suas ideias, e ele sabe que consegue gerir as coisas, então é óbvio que sentimos a sua falta", disse Alves. "Precisamos do nosso treinador, precisamos das suas ideias e precisamos que ele nos ajude quando ais coisas estão difíceis. É o mesmo que retirar [Lionel] Messi da equipa: quando se retira a figura de proa, as coisas correm menos bem. Continuamos a dar o nosso melhor, mas no final apercebemo-nos que nem tudo está bem".

Apesar da ausência de Vilanova, o antigo defesa do Sevilla FC sente que cabe aos jogadores dar a volta à sua sorte. "Isso não é desculpa para a situação em que estamos e para os jogos que perdemos, porque também já ganhámos jogos sem ele", disse Alves. "Mas quando perdemos, isso gera especulação, que é óptima para vender jornais. Dizer que o Barça está bem não é novidade. Torna-se notícia, isso sim, quando o Barça perde, ou quando perde duas vezes seguidas. Isso é notícia, vende e é o que as pessoas querem comprar.

"É estranho porque quando ganhámos muitos jogos e a diferença pontual em relação ao Real era muito grande, as pessoas quase festejavam. Achei isso estranho pois não tínhamos passados por quaisquer momentos difíceis, e eles estão destinados a acontecer, mais cedo ou mais tarde. Queria que a minha equipa respondesse bem [quando eles acontecessem], e esse momento difícil chegou agora. Gostaria de ver como a nossa equipa responde e se estamos mesmo preparados para enfrentar estes tempos difíceis ou não".

Com as esperanças do Barcelona na UEFA Champions League presas por um fio, não vai ser preciso esperar muito para saber.