Bravo feliz por ter a bola no pés no Manchester City

Claudio Bravo fala ao UEFA.com sobre como o facto de jogar bem com os pés influenciou a ida para o Manchester City e do reencontro com o Barcelona de Lionel Messi, Neymar e Luis Suárez.

Bravo feliz por ter a bola no pés no Manchester City
Bravo feliz por ter a bola no pés no Manchester City ©AFP/Getty Images

Quando Josep Guardiola contratou Claudio Bravo ao Barcelona ficou claro que a decisão de substituir o habitual titular da baliza Manchester City, o inglês Joe Hart, pelo guarda-redes do Chile se devia à qualidade que este apresenta a jogar com os pés.

Depois de se ter estreado com um triunfo fora por 2-1 no derby com o Manchester United, Bravo não sofreu qualquer golo no arranque do City na UEFA Champions League (vitória por 4-0 sobre o Borussia Mönchengladbach). A visita de quarta-feira ao terreno do Celtic antecede o duplo reencontro com o Barcelona e Bravo falou ao UEFA.com sobre os seus dotes futebolísticos e sobre o desafio de defrontar Lionel Messi, Neymar e Luis Suárez.

UEFA.com: O que mais tem gostado desde a sua chegada a Manchester?

Claudio Bravo: Muita coisa! Primeiro que tudo, o facto de toda a gente estar a fazer o seu melhor para que eu me sinta em casa. Depois, há o facto de este ser um grande clube, com adeptos em todo o mundo. No que ao futebol diz respeito, estou feliz por estarmos a jogar bem e por nos entendermos bem. Isso significa que a equipa técnica está a fazer um bom trabalho, tal como os jogadores, naturalmente. E tudo isso tem-me deixado muito feliz por estar aqui.

Veja a vitória do City na primeira jornada
Veja a vitória do City na primeira jornada

UEFA.com: É conhecido por saber jogar bem com os pés. A que se deve essa qualidade?

Bravo: Penso que isso já vem desde os meus tempo de infância. Sempre gostei de jogar a bola com os pés e mudava muitas vezes de posição em campo. Aos dez anos decidi ser guarda-redes, mas nunca descurei o resto.

Tentei continuar a melhorar o meu toque de bola, pois cada vez mais um guarda-redes tem de ter capacidade para sair da sua área e para colocar a bola jogável nos colegas. Não é fácil ser guarda-redes hoje em dia porque tens de fazer muito mais do que apenas evitar que se marquem golos.

 

UEFA.com: Está entusiasmado com a perspectiva de voltar a Camp Nou, agora como jogador do City, para defrontar o Barcelona?

Bravo: Sim, bastante. Da mesma forma que me senti entusiasmado quando defrontei a Real Sociedad pelo Barcelona. É uma ocasião especial e muita coisa passa pela nossa cabeça. Espero que o jogo corra bem para o nosso lado.

UEFA.com: Estava, claro, habituado a lidar diariamente com os remates de Messi, Neymar e Suárez nos treinos. Como é isso para um guarda-redes?

Como o City chegou à fase de grupos
Como o City chegou à fase de grupos

Bravo: É fantástico treinar todos os dias com jogadores que, para além de estarem no topo, são pessoas extraordinárias, com quem podemos aprender muito. Enquanto guarda-redes, foi benéfico para mim tê-los como colegas. Já os defrontei antes e sei o quanto isso é complicado. Agora seguimos caminhos diferentes. Desejo-lhes o melhor. Espero que seja um grande jogo.

UEFA.com: Portanto, não é um pesadelo para um guarda-redes quando tem esses três jogadores a rematarem em direcção a ele?

Bravo: Penso que não. Nunca olho para um avançado adversário como um pesadelo. Pelo contrário. Encaro-o sempre como um desafio. São estes jogos que nos motivam. Não sentimos medo, sentimo-nos até mais fortes.