Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Campeões em campo e no banco

Sete pessoas venceram a Taça dos Campeões como jogador e treinador. Poderá alguém juntar-se ao grupo esta época?

Vencedor três vezes seguidas como jogador do Ajax na década de 1970, Johan Cruyff venceu a Taça dos Campeões como jogador do Ajax e como treinador do Barcelona
Vencedor três vezes seguidas como jogador do Ajax na década de 1970, Johan Cruyff venceu a Taça dos Campeões como jogador do Ajax e como treinador do Barcelona Getty Images

Zinédine Zidane tornou-se no sétimo homem a ganhar a Taça dos Campeões como jogador e treinador quando guiou o Real Madrid ao triunfo em 2015/16, tendo confirmado o seu lugar no topo desta tabela particular ao repetir a façanha nos duas edições seguintes.

Tal como Josep Guardiola, também vencedor nas duas vertentes, Zidane tem a possibilidade de ganhar mais uma vez esta temporada, enquanto outros dois antigos vencedores esperam ser o oitavo nome na lista. O técnico do Nápoles, Gennaro Gattuso, triunfou na UEFA Champions League como jogador do Milan em 2002/03 e 2006/07, ao passo que o treinador do Chelsea, Frank Lampard, integrou a formação dos Blues vencedora em 2011/12.

Damos a conhecer melhor os restantes vencedores na qualidade de atletas e no comando das equipas.

A equipa do Real Madrid vencedora da Taça dos Campeões em 1956
A equipa do Real Madrid vencedora da Taça dos Campeões em 1956Popperfoto via Getty Images

Miguel Muñoz
Como jogador: Real Madrid em 1956 e 1957
Como treinador: Real Madrid em 1960 e 1966

  • Capitão da equipa do Real Madrid que venceu as duas primeiras edições da Taça dos Campeões, Muñoz era o treinador quando os “merengues” conquistaram o quinto troféu e mantinha-se no cargo, seis anos mais tarde, quando festejaram a sexta conquista europeia.

Giovanni Trapattoni
Como jogador: Milan em 1963 e 1969
Como treinador: Juventus em 1985

  • O venerável italiano alinhou a médio nas primeiras duas das setes vitórias dos “rossoneri” na Taça dos Campeões (a de 1963 diante do Benfica), mas apenas ergueu por uma vez o troféu como treinador, ainda no rescaldo da tragédia de Heysel, em 1985.
O legado de Johan Cruyff
O legado de Johan Cruyff

Johan Cruyff
Como jogador: Ajax em 1971, 1972 e 1973
Como treinador:
Barcelona em 1992

  • Exponente mais reverenciado do “Futebol Total”, Cruyff ajudou o Ajax a vencer três títulos europeus consecutivos, tendo marcado por duas vezes na final de 1972. Como treinador do Barça, o holandês encorajou depois um estilo fluído de jogo semelhante que valeu à equipa o triunfo em 1992.

Carlo Ancelotti
Como jogador: Milan em 1989 e 1990
Como treinador: Milan em 2003 e 2007; Real Madrid em 2014

  • Jogador da última equipa a conseguir revalidar a conquista do troféu – a grande formação do Milan de há 25 anos –, Ancelotti é também um dos dois únicos treinadores, a par do inglês Bob Paisley, a ter vencido três vezes a Taça dos Campeões.

Frank Rijkaard
Como jogador: Milan em 1989 e 1990; Ajax em 1995
Como treinador:
Barcelona em 2006

  • Rijkaard alinhou ao lado de Ancelotti no meio-campo nas finais de 1989 e 1990, tendo marcado o único golo da segunda, na final frente ao Benfica. Posteriormente alcançou um terceiro título – batendo o Milan na final –, em 1995, antes de levar o Barça à glória em 2006.

Josep Guardiola
Como jogador: Barcelona em 1992
Como treinador:
Barcelona em 2009 e 2011

  • Membro da equipa vencedora de Cruyff em Wembley, em 1992, Guardiola desfrutou de mais sucessos no banco em Camp Nou e conduziu os “blaugrana” à glória na UEFA Champions League um ano após ter sido nomeado treinador principal.
Ícone da Champions League: Zinédine Zidane
Ícone da Champions League: Zinédine Zidane

Zinédine Zidane
Como jogador: Real Madrid em 2002
Como treinador: Real Madrid em 2016, 2017 e 2018

  • Como jogador perdeu as finais de 1997 e 1998, ao serviço da Juventus, antes de obter o desejado sucesso em 2002, no Real Madrid, com um golo memorável frente ao Leverkusen, em Glasgow. Venceu a prova três vezes seguidas à frente da antiga equipa, a primeira na época de estreia como treinador.
Topo