Regresso ao Jogo: a UEFA está a preparar-se para o regresso seguro das suas competições de elite.
Saiba mais >
 

História favorece anfitriões das segundas mãos

O UEFA.com analisa as estatísticas dos oitavos-de-final e percebe que quem joga a segunda mão em casa tem tido vantagem considerável, mas só nesta fase da prova.

Chelsea e Paris voltam a encontrar-se nos oitavos-de-final depois do 1-1 da primeira mão
Chelsea e Paris voltam a encontrar-se nos oitavos-de-final depois do 1-1 da primeira mão ©AFP/Getty Images

À entrada para as partidas da segunda mão dos oitavos-de-final da UEFA Champions League, o UEFA.com analisa os arquivos para perceber se a história tende a favorecer determinadas equipas consoante os resultados da primeira mão.

O aspecto mais óbvio a avaliar é se jogar fora a primeira mão de uma eliminatória dos oitavos-de-final confere alguma vantagem. Na época passada, as oito equipas que jogaram fora na primeira mão rumaram aos quartos-de-final; foi, porém, a primeira vez que tal aconteceu. O anterior máximo era, ainda assim, de sete, registado em 2005/06 e 2010/11. A média, desde a introdução dos oitavos-de-final, em 2003/04, é de 72 por cento de equipas apuradas depois de jogarem em casa o encontro da segunda mão.

Esta época, o Borussia Dortmund – derrotado por 2-1 em casa da Juventus – e o Club Atlético de Madrid – batido por 1-0 no terreno do Bayer 04 Leverkusen – são os únicos a ter de inverter derrotas sofridas na primeira mão quando receberem nos respectivos estádios o segundo jogo.

©UEFA.com

A vantagem de actuar em casa na segunda mão em eliminatórias dos oitavos-de-final não transita, contudo, para as rondas seguintes. Se praticamente 75 por cento das equipas que jogam fora a primeira mão nos oitavos-de-final seguem em frente, a percentagem desce para 59 nos quartos-de-final, enquanto apenas 36 por cento das equipas que jogam primeiro fora nas meias-finais seguiram em frente para a final até hoje. Esse decréscimo será lógico dado que os sorteios a partir dos quartos-de-final são totalmente abertos, e quando o dos oitavos-de-final tem a condicionante de os vencedores dos grupos disputarem fora o encontro da primeira mão.

A história diz-nos, pois, haver tendência de êxito para quem joga os encontros da segunda mão em casa nos oitavos-de-final. Quantas equipas conseguirão contrariar essa tendência este mês?

Topo