Revista de imprensa: "Que emoção, que final"

Jornais da Europa sobre a final: A Bola titula "Mágica Luz", a Marca classifica a vitória do Real Madrid de "épica" e o AS diz que o triunfo nasceu da "fé inabalável" do clube.

Revista de imprensa: "Que emoção, que final"
Revista de imprensa: "Que emoção, que final" ©UEFA.com

Espanha
'A fé dá a décima ao Madrid' titula o diário ASna crónica do jogo acompanhada por uma fotografia gigante do capitão Iker Casillas a receber o troféu da UEFA Champions League. O desportivo acrescentou: "A décima tinha de ser especial e foi. Não podia ser mais uma Taça, outro qualquer triunfo, seria algo cuja alegria de a ganhar seria algo de incomparável. Mas a alegria do título contrasta com a da tristeza do Atlético. Os adeptos das duas equipas partilham casas, escritórios e supermercados. O feito do Real, nascido da enorme fé da equipa nos últimos lances dos 90 minutos é uma crueldade infinita do lado do Atlético."

A Marca, por seu lado, destaca o poder da reviravolta do Real Madrid, numa altura em que tudo parecia perdido. "Uma décima épica" é o título, podendo ler-se a seguir: "O Real Madrid venceu a ansiada décima Taça dos Campeões e continua fiel à sua história, lutando até ao fim por uma vitória que parecia perdida até ao minuto 93. O cabeceamento de Godín na primeira parte, depois de um erro de Iker Casillas, colocou o Atleti na frente e já tinham uma mão no troféu. Sergio Ramos, com um fantástico cabeceamento nos descontos, forçou o prolongamento, onde o Madrid venceu com golos de Bale, Marcelo e um penalti de Cristiano Ronaldo."

Inglatera
Gareth Bale é o destaque da imprensa britânica depois de terminar a época de estreia com um golo no prolongamento que despoletaria a caminhada para a vitória no Real Madrid. “A primeira época de Bale em Espanha foi um grande sucesso e coroada com um momento especial. Ele foi rotulado pelo seu ridículo preço, mas acrescentou cultura táctica e visão ao seu jogo", escreveu Paul Hayward no Telegraph. “Ele fez o papel em campo de ajudante de [Cristiano] Ronaldo não sendo, no entanto, subserviente.

"A capacidade de Bale como jogador – a e marca do seu futuro – viu-se depois de falhar duas ocasiões de golo, pois aguentou a pressão num ambiente se calhar mais pressionante de todos. Ele lida com esse rótulo como uma pena." Sid Lowe também elogia o avançado galês no Guardian, acrescentando: "É incrível. Que maneira de terminar a primeira temporada em Espanha."

Alemanha
O fim dramático da edição de 2014 da UEFA Champions League revelou-se inesquecível para a imprensa alemã."A perder por um golo, o Madrid deu a volta e venceu no prolongamento. Que final, que drama, que fim", escreve o BILD. Os superlativos são também usados pelo Süddeutsche Zeitung, que acrescenta: "O derby de Madrid foi uma final notável da Champions League. O Atlético teve uma mão na taça antes do Real se salvar nos últimos minutos. Quando Ramos marcou, os jogadores do Atlético caíram e deixaram de acreditar. Estavam demasiado cansados para impedir a décima".

O trio português e Isco
O trio português e Isco©AFP/Getty Images

Portugal
Cristiano Ronaldo é o destaque maior na imprensa portuguesa depois do seu 17º golo em 11 jogos da UEFA Champions League, marcado na final de Lisboa. Há ainda menções a Fábio Coentrão e Pepe, dois internacionais portugueses que venceram a primeira Taça dos Campeões. Uma foto dos três jogadores faz capa na A Bola acompanhado do texto: "Mágica Luz: um sonho que se realiza. "Final fantástica acabou em glória para Ronaldo e companhia."

ORecorddestaca que "o melhor do mundo chega ao Brasil como rei da Europa", com o número 7 a acrescentar: "Foi um ano extraordinário tanto do ponto de vista colectivo como individual. Não poderia imaginar isto nem nos meus sonhos". Pepe, que falhou a final por lesão, disse: "Seria arriscado jogar a final. Sei que o Eusébio era um 'madridista' e ele ajudou-nos a ganhar a décima. Foi uma vitória importante para Portugal, num estádio lendário para os portugueses." O antigo defesa-esquerdo do SL Benfica, Fábio Coentrão concluiu: "Foi fantástico ser campeão da Europa num estádio tão especial".

Itália
O treinador do Real Madrid Carlo Ancelotti é sem surpresa o principal destaque da imprensa italiana da final da UEFA Champions League, conforme confirma Paolo Menicucci. Depois de se tornar o segundo treinador a vencer três Taças dos Campeões depois de Bob Paisley, o Corriere dello sporthomenageia o técnico de 54 anos. "Apesar de não haver nenhuma equipa italiana, mas Carlo esteve lá", explicou o jornal. "Onze anos depois de levar o AC Milan à vitória na final italiana frente à Juventus, Ancelotti é ainda o mesmo homem, sem precisar de levantar o famoso sobrolho  depois de mais um triunfo histórico."

Gareth Bale e Ancelotti são os destaques da Gazzetta dello sport: "Incredi-Bale Carletto", resume o jornal, salientando que o trabalho de Ancelotti foi decisivo na vitória do Real Madrid.

França
O diário L'Équipediz que o triunfo de Real Madrid foi "um milagre", explicando: "Apesar das grandes estrelas e do estilo, a equipa de Carlo Ancelotti trabalhou muitíssimo para levar a melhor sobre o Atlético e garantir a décima Taça dos Campeões, com os "colchoneros" a serem derrotados na segunda vez na final, depois de 1974. O BBC [Bale, Benzema, Cristiano] esteve de fora durante muito tempo." O Real Madrid teve de partilhar a primeira página com o Toulon, que venceu o equivalente a essa competição no rugby, umas horas antes, com uma frase apenas: "Os Mestres."

Para o Journal du Dimanche, um "Real imperial" levou a melhor "num jogo de loucos em Lisboa", havendo espaço ainda para elogiar o Club Atlético de Madrid. "Não é o mais fácil de gostar, mas o seu estilo é quase sempre eficiente", escreveu a publicação. "Uma semana depois de ter ganho o campeonato, os jogadores de Diego Simeone estiveram a dois minutos de uma fantástica dupla".

Bélgica
O destaque na Bélgica foi para a dupla do Altlético Thibaut Courtois e Toby Alderweireld, que estiveram a minutos de serem campeões da Europa . "Estar tão perto da vitória e sofrer este destino...", disse o entrado Alderweireld ao Het Nieuwsblad.

"Demos tudo. O Courtois disse-me que esteve apenas a cinco centímetros de parar [o cabeceamento de Sergio Ramos]. Não nos podemos esquecer, no entanto, que jogámos contra um adversário muito forte." Já o guardião pertença do Chelsea FC, Courtois, preferiu ver o lado bom de toda a época: "Estou tão triste, mas, por outro lado, foi uma temporada fantástica".

Grécia
A imprensa grega destacou a história feira pelo Real Madrid, com o momento de Iker Casillas a erguer a taça a ser figura de capa. "Aqui está a décima", escreveu o SportDay. "O Madrid teve muitos problemas para dar a volta a um sensacional Atlético, mas conseguiu regressar à glória 12 anos depois." O GoalNews titula assim: "É por isto que vos chamam 'Reis da Europa".

"O Real Madrid regressou ao trono, conquistando o décimo troféu numa vitória bem suada. O Atlético esteve a dois minutos de desafiar os números e completar a dupla", continua. "A décima coroa!" exulta o LiveSport, que explica: "Os Rojiblancos sofreram um forte revés no minuto 93, quando um cabeceamento de Sergio Ramos' madou o jogo para prolongamento. A partir daí, o Madrid dominou, liderado pelo fantástico Angel Di María.

Rússia
A resiliência do Real Madrid impressinou a imprensa russa. "Foi uma grande final, que a deixa junto das melhores de sempre", escreve o Sovetski Sportpela pena de Evgeni Lovchev. "As coisas não começaram bem, mas a vontade do Real em ganhar acabou por virar o resultado a seu favor. O empate do Madrid foi uma recompensa pelo seu esforço, mas, no fim, foi o futebol quem venceu e é isso que se deve festejar".

Dinamarca
O jornal dinamarquês BT acredita que a final de sábado vai perdurar durante muitos anos na memória de todos, mas em especial na memória do homem que salvou o Real já no período de compensações. "Quando Sergio Ramos estiver, um dia, já com o cabelo grisalho, sentado com os seus netos ao colo, irá certamente contar a história da noite de 24 de Maio de 2014", escreve o diário de Copenhaga. "[Três] minuto para lá dos 90, Ramos saltou com todo o seu coração para um cabeceamento de ouro. Esse foi o momento que marcou a ténue linha invisível entre o êxito e a desilusão".

Conteúdos relacionados

Topo