Müller: Bayern não vai facilitar contra o Arsenal

O Bayern pode deter uma vantagem de 2-0 sobre o Arsenal, mas Thomas Müller assegura que ninguém será "negligente nem arrogante", ao falar sobre o futebol da equipa esta época.

Thomas Müller fala aos jornalistas na segunda-feira
Thomas Müller fala aos jornalistas na segunda-feira ©Getty Images

O FC Bayern München parte para o jogo em casa com uma vantagem de 2-0 sobre o Arsenal FC e após mais um recorde na Bundesliga, mas não haverá complacência na terça-feira, promete Thomas Müller.

A missão do Bayern de se tornar no primeiro clube a ter sucesso na defesa do título de campeão da UEFA Champions League recebeu um contributo quando há três semanas, em Londres, Müller fez o segundo golo – depois de Toni Kroos ter aberto o activo –, a dois minutos do fim da partida. Depois disso, na Bundesliga, o Bayern jogou três partidas, tendo apontado 15 golos e aumentado para 16 o número de jogos invicto na Liga alemã, ficando a apenas um dos 50 de invencibilidade.

Müller, que bisou no sábado na goleada por 6-1 na casa do VfL Wolfsburg, aumentando para cinco os golos apontados esta temporada, disse: "Reflectindo sobre o carácter da nossa equipa, vencemos os últimos 16 jogos na Bundesliga. Dizemos sempre 'presente', todos querem vencer sempre. Não somos negligentes nem arrogantes. Estamos sempre concentrados e queremos ganhar."

Tal como sobre o Arsenal, que há um ano derrotou o Bayern em casa deste por 2-0, na mesma ronda, acabando eliminado pelos golos marcados fora, Müller acrescentou: "Respeitamos todos os adversários na Champions League. Aprendi a ter respeito. Quando se fala do Arsenal ou de outras equipas que estão na elite europeia há que ter respeito."

O próprio Müller começa a assentar nas novas funções que lhe foram atribuídas esta época por Josep Guardiola. "Tenho jogado como avançado e já me habituei a isso. Marquei dois golos ao Wolfsburgo. Mas não tenho preferência. Sou apenas um jogador que actua em movimento, jogarei onde o treinador entender."

"A forma como estamos a jogar mudou um pouco [com Guardiola]. Actuamos mais no meio-campo adversário, agora temos mais bola na zona central que nas alas. Encontramos espaços para os jogadores. Mas é semelhante ao da época passada. Guardiola não faz concessões, ele quer inspirar a equipa."

Topo