Bayern confirma eliminação do Arsenal

FC Bayern München 1-1 Arsenal FC (total: 3-1)
O golo de Bastian Schweinsteiger teve resposta de Lukas Podolski, mas o Bayern eliminou o Arsenal nesta fase pela segunda vez seguida.

O FC Bayern München apurou-se para os quartos-de-final da UEFA Champions League, eliminando o Arsenal FC na sequência do empate a uma bola em Munique, depois de, na primeira mão dos oitavos-de-final, ter vencido em Londres por 2-0.

Os comandados de Josep Guardiola controlaram o encontro, a eliminatória e nem mesmo quando Lukas Podolski, já na segunda parte, empatou o encontro, pouco depois do tento inaugural de Bastian Schweinsteiger, os detentores do troféu se sentiram acossados pelos londrinos.

Relativamente ao jogo da primeira mão, o treinador do Bayern apostou por Javi Martínez no eixo da defesa, no lugar de Jérôme Boateng. Após um primeiro remate de Bastian Schweisteiger defendido por Łukasz Fabiański logo nos minutos iniciais, o jogo conheceu uma toada morna até à meia-hora, intercalado com um remate de Arjen Robben ligeiramente por cima, após bom trabalho de Franck Ribéry na esquerda. Aos 31 minutos, Mesut Özil teve um cruzamento ao qual Olivier Giroud correspondeu com um cabeceamento fácil para Manuel Neuer e acabou por ser tudo quanto o Arsenal conseguiu de relevo na primeira parte.

O intervalo trouxe a novidade da entrada de Tomas Rosický para o lugar do lesionado Özil, jogador que se revelara pouco efectivo até então. O Arsenal passou a defender mais à frente, procurando chegar ao golo que relançaria a eliminatória, mas o desfecho desta ficaria traçado logo de seguida, com Schweinsteiger a aproveitar o facto de ninguém o ter vigiado na subida à área para emendar com classe um passe de Ribéry.

O Arsenal conseguiu o que tanto procurava somente no lance seguinte, com o alemão Podolski a marcar à antiga equipa, mercê de com um remate fortíssimo de ângulo apertado, após ter-se desenvencilhado de Philipp Lahm no lado esquerdo. Instantes volvidos foi a vez do dinâmico Alex Oxlade-Chamberlain testar os reflexos de Neuer.

O Bayern optou, em seguida, por pausar o seu jogo, abrandando o ritmo e procedendo a uma circulação mais segura, sem que o Arsenal lograsse interceptar a bola e partir para o ataque. Acabou por ser mesmo o Bayern a beneficiar de nova ocasião soberana para marcar (e vencer), mas Thomas Müller não conseguiu bater Fabiański da marca de grande penalidade, assinalada a punir derrube de Laurent Koscielny a Robben.

Topo