O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Chelsea vence Grupo E, Steaua continua série negra

Chelsea FC 1-0 FC Steaua Bucureşti
O golo de Demba Ba garantiu o topo do Grupo E à equipa de José Mourinho, enquanto o Steaua leva 23 jogos sem vencer na prova, novo recorde.

O marcador do golo, Demba Ba, festeja com Oscar
O marcador do golo, Demba Ba, festeja com Oscar ©AFP/Getty Images

Um golo madrugador de Demba Ba foi suficiente para o Chelsea FC, de José Mourinho, terminar como vencedor do grupo pela oitava vez nas últimas 11 participações na prova, e condenar o FC Steaua Bucureşti a um indesejado título de equipa com a mais longa sequência na UEFA Champions League sem uma vitória – 23 jogos.

O Chelsea perdeu duas vezes no Grupo E para a equipa que acabaria em terceiro lugar – o FC Basel 1893 –, mas triunfou nos outros quatro jogos, marcando 11 vezes sem resposta. No momento decisivo deste desafio, Ba concluiu ao segundo poste, depois de Oscar ter desviado de cabeça o canto batido por Willian.

O desejo expresso por José Mourinho antes do jogo, no sentido de o Chelsea terminar a fase de grupos com "uma boa sensação", afastou qualquer cenário de complacência, e rapidamente os visitantes ficaram em apuros. Os londrinos podiam ter marcado logo aos dois minutos, quando David Luiz, que regressou à equipa pela primeira vez desde 2 de Novembro, escapou à marcação, mas falhou na conclusão.

O defesa brasileiro foi, de resto, uma das cinco alterações feitas à equipa que havia concedido a segunda derrota com o Basileia, há duas semanas. Mark Schwarzer estreou-se na Champions League, substituindo Petr Čech na baliza. E as primeiras amostras indicavam que teria uma noite relativamente calma.

Oscar surgiu em boa posição para fazer golo, mas não deu a melhor direcção à bola. Foi então que, com nove minutos de jogo, o lance de bola parada batido por Willian encontrou Oscar, que desviou para o segundo poste, onde Ba não desperdiçou. Naquele momento, o número 19 do Chelsea levava um total de 38 minutos na UEFA Champions League e dois golos marcados. Invejável, não acha, Cristiano Ronaldo?

O Steaua, último do grupo e privado do seu influente capitão, Alexandru Bourceanu, devido a suspensão, estava perante um difícil obstáculo. Sete minutos depois, a equipa romena podia até ter empatado, quando Gabriel Iancu se viu apenas com a oposição de Schwarzer. O alívio ficou patente no rosto de todos os elementos do Chelsea quando o médio fez passar a bola ao lado.

O jogo do Chelsea ficou, em parte, mais trapalhão, reflexo do facto de a equipa se sentir em zona de conforto, já que parecia prestes a marcar a qualquer momento. De um cruzamento efectuado por Eden Hazard surgiu um forte cabeceamento de Branislav Ivanović na direcção da baliza, mas os reflexos de Ciprian Tătăruşanu revelaram-se exemplares.

Já no segundo tempo, Ba não foi tão eficaz quanto demonstrara antes, levantando a bola em demasia num remate à queima-roupa, depois de Willian o ter servido de forma excelente. A falta de pontaria não trouxe prejuízos em termos de resultado, mas ilustrou bem a ideia apresentada por alguns críticos, segundo os quais Mourinho vai aumentar o leque de opções de ataque na reabertura do mercado em Janeiro. Mais tarde, Hazard cabeceou por cima, com a baliza à mercê. Os adeptos da casa pediam à equipa que fizesse um segundo golo, que nunca chegaria.