Zenit apura-se apesar de goleado

FK Austria Wien 4-1 FC Zenit
O Zenit apurou-se como segundo classificado do Grupo G com o menor número de pontos da história após sucumbir frente ao Áustria.

Zenit apura-se apesar de goleado
Zenit apura-se apesar de goleado ©AFP/Getty Images

O FC Zenit qualificou-se para os oitavos-de-final apesar do desaire de 4-1 com o FK Austria Wien, na última jornada do Grupo G, à frente do FC Porto, derrotado em Espanha, por 2-0, pelo Club Atlético de Madrid, enquanto os austríacos despediram-se com a primeira vitória e golos obtidos em casa na UEFA Champions League.

O registo de seis pontos do Zenit, apurado como segundo classificado com mais um ponto do que Porto e Áustria, é o registo mais baixo de sempre conseguido por uma equipa para passar à fase a eliminar - o anterior mínino era de sete.

Numa primeira parte em que Hulk tentou pôr o Zenit a jogar e Philllip Hosiner teve quase toda a formação do Áustria a tentar servi-lo, o empate (1-1) com que se atingiu o intervalo reflecte a correlação de forças em campo. Sem nada a perder, o Áustria respondeu ao domínio inicial dos russos com um remate de Hosiner, aos seis minutos, que Yuri Lodygin correspondeu com uma defesa atenta.

O perigo, ainda que em dose dupla, só chegou para o Áustria quando Hulk, aos 20 minutos, fugiu à marcação e aqueceu as mãos a Heinz Lindner. Alguns segundos volvidos foi a vez de Domenico Criscito testar os reflexos do guarda-redes austríaco, num disparo de fora da área. O No13 do Áustria voltou a estar em evidência aos 22 minutos, quando foi mais rápido para negar o golo a Cristian Ansaldi, que surgiu solto na área.

A dependência do Zenit da imaginação de Hulk colheu frutos quando este desmarcou Aleksandr Kerzhakov aos 35 minutos, com o avançado russo a fugir à defesa, driblar o guarda-redes e atirar para a baliza deserta. A vantagem, contudo, durou pouco tempo, já que uma perda de Tomáš Hubočan, aos 44 minutos, permitiu a Hosiner – que aos 24 minutos, na pequena área, cabeceara para as mãos de Lodygin – fugir em direcção à área e bater o guarda-redes russo com um remate cruzado e rasteiro, junto ao poste mais afastado.

A reviravolta surgiu três minutos após o intervalo, quando Tomáš Jun acorreu a um cruzamento da esquerda de Markus Suttner para fazer o segundo. Três minutos volvidos e Hosiner aproveitou uma recarga, após defesa incompleta de Lodygin a remate de Florian Mader, para bisar na partida, fazendo pairar o escândalo sobre o conjunto russo.

No meio do turbilhão que ditou a reviravolta do Áustria, o Zenir foi à procura dos golos mas continuava a errar no último passe, ao mesmo tempo que enfrentava, agora, uma equipa mais solta e confiante no contra-ataque.

A vontade russa continuou a não se traduzir em bom futebol, com um disparo de Axel Witsel sobre a barra, aos 73 minutos, que Kerzhakov repetiu aos 76, e um disparo Hulk (89) às malhas laterais. Já nos descontos, o recém-entrado Roman Kienast fez o último golo da partida.