Porto com pouca sorte na despedida

Club Atlético de Madrid 2-0 FC Porto
Quatro bolas nos ferros e um penalty falhado ajudaram a condenar o Porto à eliminação atrás do segundo classificado Zenit, derrotado na Áustria.

Diego Costa festeja depois de marcar o segundo golo do Atlético
Diego Costa festeja depois de marcar o segundo golo do Atlético ©AFP/Getty Images

O Club Atlético de Madrid concluiu o Grupo G da UEFA Champions League invicto com nova vitória sobre o FC Porto, desta feita por 2-0, resultado que atirou o campeão de Portugal para a UEFA Europa League, depois de uma exibição na qual desperdiçaram uma grande penalidade e enviaram quatro bolas aos ferros.

O Porto apresentou-se no Estadio Vicente Calderón apostado no ataque em busca do único resultado possível para e teve uma entrada em jogo bastante forte frente a um Atlético poupado por já ter o apuramento garantido.

Logo aos sete minutos, só mesmo por azar o Porto não se adiantou no marcador, uma vez que Jackson Martínez emendou em esforço um cruzamento de Danilo para a trave. Os portistas chegavam à área do Atlético com facilidade e Silvestre Varela ficou perto de abrir o activo, o que acabaria de acontecer, no lance seguinte, mas a favor dos madrilenos.

O ex-sportinguista Emiliano Insúa executou um lançamento de linha lateral para Raúl García e este surpreendeu Helton ao rematar à meia-volta de ângulo apertadíssimo, fazendo a bola embater na trave antes de entrar.
Os "dragões" não desanimaram e continuaram à procura do golo, que esteve perto de chegar através de um remate de Lucho González bem defendido pelo estreante Daniel Aranzubia, que depois viu Silvestre Varela cabecear à trave após cruzamento de Josué.

Nos minutos 27 e 28 aconteceram os lances que marcariam o desfecho do encontro e sentenciariam a campanha do Porto na fase de grupos. Jackson foi derrubado na área pelo guarda-redes, mas Josué desperdiçaria o seu primeiro castigo máximo da temporada ao permitir a defesa de Aranzubia. Do canto consequente, o Atlético ampliou a diferença para 2-0, com Diego Costa a concluir um veloz contra-ataque lançado por Óliver Torres, passando Helton em corrida com um toque de cabeça na bola antes de atirar a contar de ângulo apertado.

O mesmo Diego Costa, no lance seguinte, voltou a surgir isolado perante o guardião portista, que, desta vez, defendeu o disparo do dianteiro "colchonero" com o pé, sendo que, no último minuto do primeiro tempo, susteve um perigoso cabeceamento de Adrián López.

Com uma confortável vantagem de dois golos ao intervalo, o Atlético limitou-se a gerir o tempo e o resultado, aguardando pelo FC Porto à entrada da sua área. Em mais um desses lances, os portistas voltaram a acertar no poste, com Licá, que rendera Josué ao intervalo, a rematar na passada, após desmarcação de Fernando.

No único lance de perigo do Atlético no segundo tempo, Raúl García proporcionara, minutos antes, nova boa defesa a Hélton, após um contra-ataque iniciado por David Villa, que substituira Diego Costa ao intervalo.
A derrota foi demasiado pesada para os portistas, que agora transitarão para a UEFA Europa League, prova que conquistaram em 2010/11.