Bayern verga CSKA e bate recorde de vitórias

PFC CSKA Moskva 1-3 FC Bayern München
Arjen Robben impulsionou o detentor do troféu e líder do Grupo D no caminho do recorde de dez vitórias seguidas na Champions.

Arjen Robben é felicitado após abrir o activo para o Bayern
Arjen Robben é felicitado após abrir o activo para o Bayern ©Getty Images

O FC Bayern München estabeleceu um novo máximo de vitórias consecutivas em jogos da UEFA Champions League ao conseguir derrotar fora o PFC CSKA Moskva, por 3-1, e bateu o recorde pertencente ao FC Barcelona desde 2002/03.

A tarefa do CSKA frente ao detentor do troféu já era, por si só, muito complicada. A ausência de duas das suas principais figuras, Alan Dzagoev e Seydou Doumbia, foi bastante sentida na hora do remate frente a um Bayern cujo técnico, Josep Guardiola, decidiu poupar Franck Ribéry, Mario Mandžukić, Claudio Pizarro e Xherdan Shaqiri, deixando-os em Munique.

O CSKA até entrou forte no jogo da Arena Khimki e criou duas ocasiões perigosas originadas em dois bons cruzamentos de outra das suas figuras maiores, Keisuke Honda, mas, instantes após o primeiro quarto-de-hora, o Bayern adiantou-se no marcador logo no seu primeiro lance de verdadeiro perigo, com Arjen Robben a finalizar com um desvio de primeira um lance iniciado por Toni Kroos e continuado por Thomas Müller do lado esquerdo antes do passe para o holandês.

Os moscovitas continuaram à procura do golo e Ahmed Musa desperdiçou duas boas ocasiões para ampliar a contagem, a mais flagrante das quais já em período de descontos, quando, após evitar Dante e Jerome Boateng, tentou desviar a bola de Neuer com um toque subtil, mas o guarda-redes - entretanto promovido a capitão devido à substituição de Philipp Lahm devido a lesão pelo estreante Thiago Alcántara – defendeu facilmente.

A segunda parte trouxe mais do mesmo, com Honda a entrar em grande no reatamento e a desperdiçar duas ocasiões soberanas nos primeiros quatro minutos, a segunda das quais falhando a emenda a um cruzamento de Kiril Nababkin já na pequena área, antes de uma terceira ocasião na qual obrigou Neuer a uma defesa segura.

Já Mario Götze demonstrou toda a sua classe ao apontar o segundo golo dos bávaros, penetrando na área pela zona central após driblar três adversários. O jogo estava então sentenciado, mesmo apesar de Honda ter, então, reduzido a diferença da marca de grande penalidade, a punir mão na bola de Dante.

Quatro minutos depois do tento dos russos, o Bayern colocou um ponto final na discussão do resultado, com Müller a converter a segunda grande penalidade da partida, agora a punir derrube de Georgi Schennikov a Robben. O CSKA continuou a atacar até final, mas Neuer e a defesa do Bayern não mais voltaram a ser batidos.