Schalke sobrevive à recuperação do PAOK

PAOK FC 2-3  FC Schalke 04 (total: 3-4)
Reduzido a dez homens a meia-hora do fim, o Schalke respondeu com mais dois golos e garantiu a presença na fase de grupos.

Ádám Szalai (esquerda) e Julian Draxler estiveram entre os marcadores dos golos do Schalke
Ádám Szalai (esquerda) e Julian Draxler estiveram entre os marcadores dos golos do Schalke ©Getty Images

O FC Schalke 04, reduzido a dez homens na última meia-hora de jogo eliminou o PAOK FC, com Miguel Vítor a titular, após vencer por 3-2 em Salónica, na segunda mão do “play-off” da UEFA Champions League.

A precisar de marcar para ficar em vantagem na eliminatória, o Schalke começou o jogo ao ataque e cedo, aos três minutos, causou muito perigo, quando Jermaine Jones surgiu na área a cabecear para desvio de Jacobo para canto. Mantendo-se na expectativa, o PAOK fechou as alas – por onde o Schalke ameaçava causar perigo – e passou a dominar no seu meio-campo. Contudo, a materialização desse controlo não teve efeitos na baliza contrária, sendo preciso esperar até ao minuto 38 para ver Miroslav Stoch, de longe, a tentar a sorte, mas à figura de Timo Hildebrand.

Jefferson Farfán (41) viu também uma tentativa ser detida por Jacobo, num remate venenoso, mas dois minutos depois Atsuto Uchida, na área, tocou para Ádám Szalai inaugurar o marcador., resultado com que chegou o intervalo. A resposta do PAOK foi letal e depois de Stoch (52), em lance individual, ultrapassar Uchida e Farfán e cruzar tenso com Dimitris Salpingidis a chegar atrasado para a emenda, um minuto depois, Lucas assistiu Stefanos Athanasiadis na meia-lua, com o avançado a repor a igualdade.

Aos 63 minutos, de livre directo, Farfán falhou a vantagem por pouco para, no minuto seguinte, Jones carregar Salpingidis e ser expulso. Julian Draxler, assistido por Max Meyer, passou por Jacobo e fez o golo (67). Na resposta, Lucas surgiu na cara de Hildebrand a falhar o alvo. O antigo jogador do SL Benfica, Kostas Katsouranis, de cabeça e após livre de Stoch, repôs a igualdade a onze minutos do fim, mas era preciso mais um golo para que os gregos fizessem história e o tirocínio prosseguiu com Stoch (82) a falhar o alvo por pouco.

A frieza alemã resolveu a eliminatória aos 89 minutos quando Draxler fugiu à defesa, entrou na área e serviu Szalai para o golo da tranquilidade., roubando aos gregos uma estreia histórica na fase de grupos da UEFA Champions League.

Topo