Bayern demasiado forte para a Juventus

FC Bayern München 2-0 Juventus
Um golo supersónico de David Alaba e outro de Thomas Müller, na segunda parte, conferem ao Bayern vantagem na eliminatória com a Juventus.

David Alaba festeja golo marcado no primeiro minuto
David Alaba festeja golo marcado no primeiro minuto ©Getty Images

O FC Bayern München terminou com uma vantagem confortável a primeira mão dos quartos-de-final da UEFA Champions League, ao vencer a Juventus por 2-0 numa partida em que o resultado, ainda assim, não reflecte o domínio intenso da equipa da Alemanha.

O jogo não podia ter começado melhor para os alemães, pois David Alaba aproveitou uma nesga de espaço e rematou de longe, tendo a bola sofrido um ligeiro desvio em Arturo Vidal antes de bater Gianluigi Buffon. Estavam jogados 26 segundos, com o Bayern a inscrever, assim, mais um golo seu na lista dos mais rápidos da Champions League depois do holandês Roy Makaay, em 7 de Março de 2007, ter precisado apenas de 10,12 segundos para marcar ao Real Madrid CF, naquele que permanece como o mais rápido de todos os tentos.

A perder, a Juventus cresceu no jogo mas, tirando um livre directo de Andrea Pirlo (11 minutos) e um remate de Vidal (13) – ambos a sair junto aos postes - o domínio bávaro foi avassalador, pecando apenas por falta de pontaria: Arjen Robben – que rendera o lesionado Toni Kroos – aos 18, 20 e 32 minutos teve ocasiões soberanas para ampliar a vantagem, numa falta de pontaria que encontrou semelhanças em Dante (21) e Bastian Schweinsteiger (42).

Numa fase em que a Juventus procurava sair do colete-de-forças em que se viu envolvida na primeira parte, e já no período de descontos, Pirlo bateu um pontapé de canto ao primeiro poste onde surgiu Alessandro Matri a desviar com muito perigo, de cabeça, sobre o travessão.

Após o intervalo, os alemães continuaram a exercer domínio territorial, agora procurando jogar no erro dos italianos, prevendo que estes, mais tarde ou mais cedo, tentariam o contragolpe em busca do empate. Num lance polémico, Luiz Gustavo (63) rematou de fora da área, com Buffon a não segurar a bola e Mario Mandžukić – em fora de jogo – a servir Thomas Müller para o segundo golo.

De uma forma fria, o Bayern obrigava a Juventus a provar do seu próprio veneno fazendo cair por terra a estratégia definida por Antonio Conte para a partida em Munique, pois os italianos, à semelhança do que ocorreu em grande parte da etapa inicial, mal conseguiam sair do seu meio-campo.

A Juventus arriscou nos últimos dez minutos fazendo avançar os seus homens do meio-campo para o apoio a Matri e a Sebastian Giovinco, que rendera Fabio Quagliarela, mas apenas confirmou uma total incapacidade para marcar no Allianz Arena. Mandžukić e Müller (90) desperdiçaram o terceiro golo, num lance que espelhou o desatino da defesa transalpina.

Conteúdos relacionados