O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Mourinho aponta baterias ao Bayern

José Mourinho já olha para a meia-final ante o Bayern depois de colocar um ponto final na notável campanha do APOEL, ao ver o Real Madrid seguir em frente com um total de 8-2.

Cristiano Ronaldo festeja um dos golos marcados ao APOEL
Cristiano Ronaldo festeja um dos golos marcados ao APOEL ©Getty Images

José Mourinho, treinador do Real Madrid
Sabíamos que seria quase impossível o APOEL chegar aqui e vencer-nos por 4-1 para seguir em frente, pelo que não foi fácil motivar os jogadores porque tudo estava controlado, mas cumprimos o nosso dever. Fui capaz de dar descanso a alguns dos jogadores mais utilizados. O objectivo era ganhar e estar na meia-final, e conseguimos ambas as coisas.

Estou satisfeito com o que temos feito na Champions League nestes dois anos. Quando cheguei aqui a equipa estava a atravessar um período negro nas provas europeias. Havia jogadores que não actuavam em encontros dos quartos-de-final e de meias-finais há algum tempo e havia outros que nunca o tinham feito. Agora, vamos para a segunda meia-final consecutiva.

Estamos a trabalhar bem. O importante foi vencer o jogo pois a eliminatória estava controlada e isso deu-nos a oportunidade de testar outras opções. Não estou satisfeito por termos sofrido dois golos, mas não posso criticar os meus jogadores. É normal num jogo como este, com pouca intensidade.

O APOEL esteve em grande nesta competição e sai daqui satisfeito com dois golos. O Cristiano Ronaldo trabalha sempre muito para a equipa, não é egoísta e quer jogar sempre. Estou feliz pelo Kaká, pelo Ángel Di María e pelo José Callejón. Estou feliz por todos. Contra o Bayern vai ser uma grande meia-final. O FC Barcelona vai jogar a final enquanto a eliminatória entre o Real Madrid e o Bayern de Munique vai ser mais equilibrada.

Ivan Jovanović, treinador do APOEL
A eliminatória ficou efectivamente decidida em Nicósia. Hoje queríamos jogar bem, apesar de sabermos que o íamos fazer contra uma equipa muito forte. Precisávamos de mais tempo para nos adaptarmos hoje e encontrar o nosso ritmo de jogo, mas acredito que todos aqueles que viram o jogo ficaram satisfeitos com o que assistiram, pois houve sete golos e muitas mais oportunidades.

Queríamos jogar melhor do que no primeiro jogo. O Real Madrid faz pagar caro o mais pequeno erro e é por isso que fomos apenas ameaçadores na primeira parte. A segunda parte foi melhor para todos porque jogámos melhor, marcámos dois golos e criámos mais oportunidades.

Foi um prazer jogar aqui. Foi um momento alto para a nossa equipa e o resultado não é assim tão importante porque olhamos para trás e temos orgulho naquilo que fizemos. Adquirimos muita experiência nestes dois jogos e essa mais-valia vai ajudar o clube, os jogadores e eu próprio no futuro.