Regresso ao Jogo: a UEFA está a preparar-se para o regresso seguro das suas competições de elite.
Saiba mais >
 

2008/09 FC Barcelona 2-0 Manchester United FC: Resumo

"O Barcelona pode às vezes levar a outra equipa ao ridículo porque mantém tão bem a posse de bola." Ryan Giggs

2008/09 FC Barcelona 2-0 Manchester United FC: Resumo
2008/09 FC Barcelona 2-0 Manchester United FC: Resumo ©UEFA.com

O FC Barcelona bateu o Manchester United FC, que era o detentor da Taça dos Clubes Campeões Europeus, e conquistou o troféu pela terceira vez, tornando-se no primeiro clube espanhol a somar uma tripla.

Apesar da grande forma do Barcelona na Liga espanhola, o United chegou à final como favorito para renovar o título que tinha conquistado no ano anterior, quando derrotou o Chelsea FC no desempate por grandes penalidades. Tal como tinha acontecido em Moscovo, a final de Roma foi marcada pela chuva, mas o desfecho foi diferente para a equipa de Alex Ferguson. Os ingleses foram batidos pelos golos de Samuel Eto'o e Lionel Messi, numa noite em que Xavi Hernández brilhou a grande altura.

Os ingleses entraram melhor e estiveram perto de ganhar vantagem na sequência de um livre de Cristiano Ronaldo. Víctor Valdés não segurou a bola e Anderson quase marcou na recarga, com Gerard Piqué a evitar o golo da sua antiga equipa sobre a linha de golo. O Barça quase não ultrapassou a linha de meio-campo nos primeiros dez minutos, mas inaugurou o marcador numa das primeiras subidas ao ataque. Eto'o recebeu a bola de Andrés Iniesta e ultrapassou Nemanja Vidić, batendo Edwin van der Sar com um remate que levou a bola a entrar junto ao primeiro poste.

O United quase só criava perigo em jogadas de bola parada, com Ryan Giggs a fazer a bola passar a rasar a trave e Cristiano Ronaldo a apostar nos remates de longa distância, embora as tentativas do português fossem perdendo eficácia com o aumento do desespero com que eram realizadas. Messi criou perigo na outra área, com um remate a 25 metros da baliza a quase tirar tinta da trave.

O Barcelona não pôde contar com os castigados Daniel Alves e Éric Abidal na defesa, mas o United, que estava privado de Darren Fletcher, não causava grandes problemas ao sector mais recuado dos catalães, sendo hipnotizado pelas trocas de bola do meio-campo adversário. Thierry Henry teve duas boas oportunidades para aumentar a vantagem do Barcelona e Xavi acertou na trave na conversão de um livre. Os espanhóis aumentaram a vantagem na sequência de um cruzamento de Xavi, que permitiu o golo de cabeça a Messi, o jogador mais pequeno em campo.

Foi o momento alto de uma época fantástica de Messi que, aos 22 anos, terminou como o melhor marcador da prova, com nove golos. Josep Guardiola também viveu um ano inesquecível, terminando a época de estreia como treinador da equipa principal com a conquista do troféu mais prestigiado da Europa. "Queria destacar que jogámos e não fomos cobardes", afirmou. "Não há nada mais perigoso do que não correr riscos". Os que arriscam, acabam por ganhar.

Topo